• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

Convite à inscrição

No âmbito do Ciclo Jardins do Porto, a Campo Aberto programou, para 17 de novembro (sábado), uma visita ao Jardim de S. Lázaro e ao Jardim das Águas do Porto, orientada pelo Professor Rubim de Almeida e pela Dra. Isabel Moreira.

9:30h – Ponto de encontro – Jardim de S. Lazáro   9:45h – 10:30h Visita ao Jardim de S. Lazáro

10:30h – 11:45h Percurso pedestre entre Jardim de S. Lazáro e Jardim Águas do Porto   11:00h – 12:30h Visita Jardim Águas do Porto

O prazo de inscrição termina em 15 de novembro de 2012.

A inscrição só é válida quando acompanhada de comprovativo de pagamento de €5,00.   Faça a sua inscrição através do formulário de inscrição em http://www.campoaberto.pt/contacte-nos/inscricoes-1/.

Jardim de S. Lázaro

Criado em 1833, é o mais antigo jardim municipal de todo o Porto. É um típico jardim romântico, com  um coreto, um monumento aos pintores Marques de Oliveira e Silva Porto, e com árvores frondosas como tílias, magnólias e camélias.

Jardim das Águas do Porto

As Águas do Porto está sediada na Rua Barão Nova Sintra, 285 Porto, na zona sudeste da cidade, num parque de rara beleza quer pela sua localização (sobranceira ao Rio Douro) quer pela sua abundante flora.

Esta quinta foi pertença da família Reid até 1922, data em que foi comprada pela empresa Almeida & Miranda. A Câmara Municipal do Porto adquiriu-a em 1932 através de um contrato de expropriação amigável, pagando 400 contos, para aí instalar os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento.

O seu ambiente calmo e sossegado, que não é atingido pelo ruído e fervilhar da grande cidade mesmo ao seu lado, permite a realização de passeios pedonais excelentes; próprios para apreciar a sua beleza rara.

O parque foi transformado num museu ao ar livre onde estão recolhidas as antigas fontes e chafarizes da cidade, que perderam a sua funcionalidade deixaram de servir a população. (Texto cedido por Dra. Joana Araújo, da Águas do Porto)

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Notícias

Deixar comentário