• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

Na sexta-feira dia 17 de Junho, a Campo Aberto este representada na reunião da Rede de Agricultura Urbana, na Fundação Serralves, no Porto.

Para os que não sabem, a rede é “um agrupamento de instituições que, organizadas em rede, promove o debate e a troca de experiências em torno do desenvolvimento sustentável da agricultura urbana e peri-urbana. Trata-se de uma plataforma aberta e inclusiva, que pretende, sobretudo, colocar em contacto experiências institucionalizadas de agricultura urbana e, desta forma, contribuir para a melhoria do ambiente urbano e da qualidade de vida nas cidades em Portugal. Por outro lado, a agricultura urbana espontânea não institucionalizada, nas suas diversas formas, tem igualmente aqui um espaço de discussão”. Esta rede dinamiza um site, denominado Portal da Agricultura Urbana e Peri-urbana (PORTAU) que tem endereço www.portau.org.

A primeira parte da reunião foi composta por 3 apresentações:
Miguel Malta e Filomena Miguens da Escola Superior Agrária de Coimbra apresentaram um projeto que está em curso no âmbito da rede para medição do teor de metais nos solos e água das hortas. Este projeto será posto em prática por todos os parceiros da rede. Qualquer instituição ou grupo de cidadãos que tenham uma horta poderá enviar amostras para análise (suportando os seus custos, dado que até agora o projeto não tem financiamento) e de acordo com os seus resultados será dada orientação para melhoria da qualidade dos alimentos produzidos e/ou riscos existentes.
In Loco apresentou o projeto “a horta” (muito interessante) sobre o qual podem ver o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=8-9DcD5d744
Margarida Silva em nome da ESB apresentou informações sobre o evento que ia decorrer dia 18 na ESB, organizado em conjunto com a Campo Aberto.
– A presença de um agricultor, representante do coletivo de 5 agricultores, e que cultiva há 17 anos os terrenos de uma igreja na senhora da hora. Eles estão a ser despejados pela paróquia. Uma situação complexa e pouco clara. AS instituições presentes tentaram ajudar-lhe propondo: esclarecer junto à CM o projeto para o terreno e procurar o bispo para saber o que se passa.

Na parte da tarde, houve divisão dos 40 participantes em grupos de trabalho. A Campo Aberto por enquanto participa do grupo:Planeamento e Políticas Urbanas (podem ver no site PORTAU todos os grupos existentes). O grupo irá trabalhar no sentido de fazer um inquérito para aplicação nas localidades que tiverem interesse (Beja, Figueira da Foz e Gaia têm representantes de câmaras neste grupo) para saber o que os cidadãos esperam da agricultura urbana. T
Tivemos, a seguir, uma visita às hortas pedagógicas da fundação.

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Representações

Deixar comentário