• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação
Título de crónica que Miguel Sousa Tavares nunca escreveu…

(Par contre opinou sobre –SIZA EM MADRID)
Imprimir esta página Imprimir esta página

Um comentário até agora.

  1. manueladlramos diz:

    SIZA EM MADRID por Miguel Sousa Tavares (no Expresso de 13 de Maio de 2006)
    «Sábado passado, Madrid estava em pé de guerra contra o arquitecto português Álvaro Siza Vieira. Mobilizada por Carmen Cervera, a viúva baronesa Von Thyssen, uma pequena multidão manifestava-se junto ao Passeio do Prado contra o projecto, da autoria de Siza, para a reconversão da zona chamada “triângulo da arte”, compreendendo os museus do Prado, Rainha Sofia e Thyssen-Bornemiza. As duas razões invocadas para a revolta pareceram-me, a mim e ao editorialista do ‘El País’, inteiramente justificadas. A primeira era a própria linguagem descritiva do projecto, escrita naquele típico ‘arquitectês’ cujo primeiro objectivo é fazer passar por incultos os que não quiserem deixar tomar-se por parvos e acharem que o rei vai nu.
    Com toda a razão, os cidadãos de Madrid querem saber ao certo o que lhes preparam e não se contentam com descrições codificadas, ambíguas e ridiculamente elaboradas. A segunda razão é ainda mais palpável: os contestatários do projecto desconfiam, e julga-se que com fundamento, que o dito projecto contempla o derrube de cerca de 700 árvores, algumas seculares, “em benefício dos peões”. E parece que não ocorreu ao autor que os peões, justamente, gostassem das árvores ali e não as quisessem ver pelas costas, em benefício do “objecto”.
    Chamado a explicar-se, Siza Vieira usou um argumento de autoridade: “Houve um júri, que aprovou um conceito”.
    Recordei-me do que aconteceu no promontório de Sagres, para sempre destruído por uma intervenção arquitectónica, contestada por todos os habitantes locais e pessoas de bom senso, mas que também foi avante com o argumento de que tinha havido um concurso e um vencedor e era preciso respeitá-los. Reduza-se então o assunto a uma questão de direitos: as pessoas não têm o direito de gostar de árvores e de rochas, ou é mais importante o direito dos arquitectos a não gostarem? O que serve, afinal, a arquitectura – não serão as pessoas?»

Deixar comentário