İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    unnamed_5.png

    MOVIMENTO IBÉRICO ANTINUCLEAR

    O MIA – Movimento Ibérico Antinuclear emitiu em 25 de Setembro de 2020 a nota de imprensa que se segue. A Campo Aberto, que integra o MIA, e desde a primeira hora se situou na tradição do Movimento Antinuclear Português que remonta a pelo menos 1974 e teve um ponto alto em 1976 na marcha do povo de Ferrel (Peniche) de rejeição de uma hipotética central a instalar na freguesia, continua a participar na medida do possível, atualmente mais focada na campanha de portugueses e espanhóis pelo encerramento da central de Almaraz, situada perto da fronteira luso-espanhola de Elvas-Badajoz.

    A seguir a essa informação transcreve-se uma outra relativa à manifestação de 10 de outubro de 2020 por ocasião da Cimeira entre os representantes dos dois governos ibéricos.

    Informação

    O movimento ibérico antinuclear em Portugal elege nova comissão coordenadora e reitera pedido de reunião com o ministro do ambiente de Portugal

    A Assembleia Geral do Movimento Ibérico Antinuclear em Portugal (MIA PT) reuniu quinta feira 24 de setembro (via online) para eleger a sua Comissão Coordenadora e definir a agenda dos próximos meses.

    As questões do nuclear continuam a ser um tema de enorme importância para Portugal, tendo em conta os recentes desenvolvimentos em Espanha que indiciam a continuação do funcionamento da Central Nuclear de Almaraz por mais 8 anos. Reafirmamos que um acidente em qualquer dos dois reactores da central de Almaraz constitui um perigo sem precedentes, não só para o território espanhol, mas também para toda a bacia do Tejo, em Portugal, com incidência extrema nas regiões fronteiriças.

    Com efeito, e contrariamente à decisão prévia de encerrar a Central em 2021, o Conselho de Segurança Nuclear de Espanha deu um aval positivo à intenção da empresa em prolongar o seu funcionamento até 2028. Aguarda-se agora a decisão final do Governo Espanhol que, tudo indica, irá aceitar a proposta.

    O MIA PT considera esta situação inaceitável e não compreende como o Governo Português permanece completamente passivo em relação a uma situação que tem implicações profundas numa parte significativa do território português.

    Tendo sido solicitada uma reunião com o Ministro do Ambiente a propósito desta questão, à qual não foi dada qualquer resposta, o MIA PT irá insistir junto do Ministério do Ambiente e Ação Climática. São, ainda, previstas acções que continuarão até ao encerramento definitivo da central de Almaraz (e de todas as outras) e ao seu desmantelamento em segurança.

    O MIA PT irá também acompanhar os procedimentos para a realização da Cimeira Ibérica que se deverá realizar nos próximos meses em Portugal (após o seu recente adiamento).

    Também está a ser organizada uma Conferência Ibérica, em conjunto com o MIA em Espanha, a decorrer online e em data ainda a definir, que irá debater temas relacionados com o nuclear e os territórios e sustentabilidade.

    A Comissão Coordenadora agora eleita é composta por: Ana Silva (Movimento ProTejo/Eco-Cartaxo), António Minhoto (AZU),  Carla Graça (ZERO), José Janela (Quercus), José Louza (Ecocartaxo/ ProTejo), José Moura (ProTejo/AZU) e Romão Ramos.

    Para mais informações, contactar: 966 395 014 – António Minhoto, 960207080 – José Janela.

    O MIA é um movimento composto por colectivos ambientalistas e instituições de Portugal e de todo o Estado Espanhol. Em Portugal integra cerca de 30 coletivos.

    unnamed_5.png

    CONCENTRAÇÃO PELO ENCERRAMENTO DA CENTRAL NUCLEAR DE ALMARAZ
    10 DE OUTUBRO DE 2020, NA GUARDA

    NO DIA DA XXI CIMEIRA LUSO-ESPANHOLA,
    O MOVIMENTO IBÉRICO ANTINUCLEAR CONCENTRA-SE
    PELO ENCERRAMENTO DA CENTRAL NUCLEAR DE ALMARAZ

    [Foi convocada para  o dia 10 de Outubro, pelas 9.30 horas (hora portuguesa), na Alameda de Santo André, na Guarda, uma Concentração Ibérica Antinuclear dirigida a  ativistas ambientais dos dois países].

    Esta concentração é organizada pelo Movimento Ibérico Antinuclear, que no dia e no local da realização da XXI Cimeira Luso-Espanhola pretende sensibilizar a opinião pública e os Governos dos dois países para os perigos que representa a Energia Nuclear, nomeadamente a continuidade em funcionamento da Central Nuclear de Almaraz e o projeto de exploração de urânio em Retortillo, junto à fronteira com Portugal.

    ALMARAZ.jpg

     

    Mais uma vez, diversas organizações espanholas e portuguesas que lutam pelo encerramento da Central Nuclear de Almaraz, que fica situada junto ao rio Tejo, na província de Cáceres, em Espanha, a cerca de 100 km da fronteira com Portugal, vão-se juntar para exigir medidas mais firmes por parte dos dois Governos. Nesse sentido, o MIA – Movimento Ibérico Antinuclear pretende entregar aos representantes dos dois Governos uma carta que alerte para alguns dos principais problemas do Nuclear na Península Ibérica.

    ENCERRAR CENTRAL NUCLEAR  OBSOLETA
    Para o MIA, a eventual continuação do funcionamento da Central Nuclear de Almaraz pós 2020, corresponderia a uma decisão errada, irracional e de gravidade extrema, pois a mesma viabilizaria que a Central de Almaraz, totalmente envelhecida e obsoleta, continuasse a trabalhar e a colocar toda a Península Ibérica em risco até ao ano de 2028. A Central Nuclear de Almaraz está, atualmente, muito perto de atingir os 40 anos de idade e já deveria ter encerrado em 2010, com perto de 30 anos de funcionamento, e quando as condições de segurança já o exigiam. Contudo, esta Central, que está já a funcionar desde o início dos anos 80, acabou por não encerrar na data prevista – Junho de 2010 – devido ao facto do Governo Espanhol da altura ter, contrariamente às anteriores intenções, prolongado o prazo de funcionamento da Central por mais 10 anos, até Junho de 2020. Agora, os cidadãos ibéricos vêm-se de novo confrontados com mais um possível adiamento do funcionamento desta Central, desta vez por mais oito anos, facto que é inadmissível e contrário a tudo aquilo que tem sido manifestado pelos cidadãos de Espanha e de Portugal.

    Para o MIA é indispensável que, caso o Governo Espanhol pondere renovar a licença desta Central Nuclear, realize a necessária e indispensável Avaliação de Impacte Ambiental Transfronteiriça, de modo a legitimar a eventual continuação em funcionamento desta Central Nuclear pós 2020, e uma vez que este é um projeto suscetível de produzir um impacte significativo em território português.

    Lisboa, 9 de outubro de 2020
    A Comissão Coordenadora do MIA em Portugal

    MIA – Movimento Ibérico Antinuclear

    O MIA é um movimento composto por colectivos ambientalistas e instituições de Portugal e de todo o Estado Espanhol. Em Portugal integra cerca de 30 coletivos.

    A REJEIÇÃO DO NUCLEAR 1974-2018 E O FUTURO DA ENERGIA EM PORTUGAL
    Colocado em 17 de setembro de 2018

    Veja diretamente o suplemento Pela Vida – 1978

    AS ORIGENS
    Em 1974, no seio do recém-criado Movimento Ecológico Português, já se defendia uma moratória para quaisquer planos de construir centrais nucleares em Portugal. Cidadãos como Afonso Cautela (1933-2018), J.J. Delgado Domingos (1935-2014) e Gonçalo Ribeiro Telles tinham-se já pronunciado publicamente pela rejeição do nuclear. Em 1976, tendo constado que o chão da sua aldeia fora escolhido para a implementação de uma primeira hipotética central nuclear no país, a população de camponeses e pescadores de Ferrel, no concelho de Peniche, realiza a sua histórica marcha de 15 de março, rejeitando esses planos. Em 20 e 21 de janeiro de 1978, realiza-se nas Caldas da Rainha e Ferrel, sob os auspícios do semanário Gazeta das Caldas  e em resultado de um ano de preparação de uma coordenadora nacional de grupos ecológicos, o Festival Pela Vida e Contra o Nuclear, que exprime uma vigorosa rejeição da via energética nuclear e revela a existência de um forte sentimento antinuclear na opinião pública, dando-lhe decisivo impulso que o tornaria em breve um sentimento dominante.

    PORTUGAL DE FORA
    Por essas razões (e por outras mais comezinhas como a debilidade económica do país e o início do descrédito mundial e declínio da indústria nuclear), Portugal pôde escapar aos alçapões que atormentam os países possuidores de centrais nucleares – até a intensamente nuclearizada França, que por isso mesmo se vê hoje em palpos-de-aranha para «sair do nuclear» como cada vez mais lho exigem os seus cidadãos. O que, como lembra Susana Fonseca, membro da cooperativa Coopérnico que corajosamente promove entre nós a energia solar, explica em grande parte a importância das fontes renováveis de energia no fornecimento das necessidades de eletricidade em Portugal. Assim ligando, de forma clara, o que aconteceu em 1976 em Ferrel como o passado que marca o presente e o futuro da energia em Portugal.

    RECORDAR NÃO BASTA
    Tudo isso é oportunamente recordado em PELA VIDA – 1978 : 40 anos do Festival pela Vida e contra o Nuclear, um encarte de quatro páginas que o semanário Gazeta das Caldas publicou em 31 de agosto de 2018, retomando o mesmo título de um suplemento que editou durante muitos anos a partir de 1977 e que foi criado precisamente para servir de elemento aglutinador na preparação do referido Festival, além de repercutir toda a panóplia de temas do movimento ecológico mundial e também português, ao arrepio da relativa novidade e incipiência desses temas em Portugal, então ainda bastante alheio à importância e urgência deles.

    Esse suplemento comemorativo, com elementos de importância histórica para a compreensão do Portugal nascido do 25 de Abril de 1974, fica assim ao alcance de todos os interessados, também na sua versão digital.

    RÁPIDO SUMÁRIO
    Na sua primeira e última página, com o título  «Ferrel 1976-78: então e hoje, que significado?», pode ler-se um artigo de memórias e atualização escrito pelo presidente da Campo Aberto, José Carlos Costa Marques. O editorial do suplemento é de José Luís Almeida e Silva, diretor da Gazeta das Caldas. Encontram-se ainda artigos de António Eloy, Jacinto Rodrigues, Susana Fonseca, Francisco Castejón, Inês Grandela Lourenço, João Guerreiro (neste faz-se uma curiosa comparação entre o caso de Ferrel em 1976 e o do «furo» petrolífero no atual Algarve) e João Freire.

    Seguem-se alguns outros artigos sobre o nuclear neste sítio digital.
    Encontrará mais se na função de pesquisa digitar «nuclear» : 

    Somos todos moradores de Ferrel

    Sol Sorridente – Nuclear Não Obrigado – Fechar Almaraz

    Perigo Nuclear, Alternativa Solar

    35 anos depois de Ferrel, Península Ibérica exige o fim da energia nuclear

    Nuclear em Portugal? Não, mais do que nunca

    Click to access Sol_Sorridente_0.pdf

    19 de Março – Concentração contra o Nuclear

     

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Deixar comentário