İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    Fonte: https://img.photobucket.com/albums/v254/peterdaribeira/a2007095.jpg

    Uma boa decisão! Imperou, felizmente, o bom senso. A Campo Aberto constatou com agrado que o metro não irá retalhar o Parque da Cidade, evitando fragmentar algo que é uno. De facto não havia qualquer justificação para deixar à superfície apenas o troço do metro no Parque da Cidade (talvez até o troço onde, de forma mais indiscutível, o metro nunca deveria ser à superfície!).

    Isto, saliente-se, apesar de continuarmos a considerar que seria mais vantajosa, financeira e ambientalmente, a utilização da infra-estrutura que foi inicialmente construída para esse efeito, que é o viaduto do Parque da Cidade.

    O importante é que a Câmara do Porto já se pronunciou e não se deixou condicionar pelas conclusões absurdas do EIA. Se houve tempo para esperar até agora, podemos bem aguardar mais uns meses. Diríamos mesmo: estamos cansados que nos acenem com urgências! Se é tudo tão urgente, a solução é simples: que se comecem a planear estes assuntos com mais antecedência. Contudo, parece-nos mais provável a explicação de que a urgência é sempre um bom pretexto para aligeirar a exigência, para facilitar os procedimentos. Mas esse caminho, cremos, é de evitar a todo o custo.

    Será que os portuenses podem desta vez respirar de alívio? A história do Parque da Cidade está cheia de venturas e desventuras. Desde espaço onde seria implantada a Exponor, passando pelo temível Edifício Transparente (infelizmente bem visível!) e, mais recentemente, pela ameaça das Torres da Imoloc. O Parque resistiu, desta feita, à investida do metro. Se não tem 7 vidas, para lá caminha.

     

    Aqui fica a notícia publicada no Jornal de Notícias.

    Fonte: Jornal de Notícias. Texto: Carla Sofia Luz.

    O metro atravessará o Parque da Cidade em túnel. A decisão da Câmara do Porto foi comunicada à Empresa do Metro. Agora terá de rever o estudo de impacte ambiental da Linha do Campo Alegre, que não tinha contemplado a hipótese do enterramento.

    A correcção desta omissão vai contribuir para mais um adiamento da abertura do concurso público que seleccionará o construtor das quatro linhas da segunda fase de expansão da rede. No início do ano, o presidente da Administração da empresa, Ricardo Fonseca, apontou o lançamento desse concurso para Abril, já com sete meses de atraso em relação à data inicial de Setembro de 2009. Mas o prazo não será cumprido.

    Fonte da Metro especifica que é obrigatório ter as declarações de impacte ambiental das quatro linhas emitidas, antes de lançar o procedimento. O balanço não é favorável, pois apenas a ligação entre Matosinhos e o Pólo da Asprela (Porto), por S. Mamede de Infesta, possui essa declaração. O prolongamento da Linha Amarela a Vila d’Este, em Gaia, deverá obtê-la a curto prazo, enquanto o traçado da segunda linha para Gondomar, por Valbom, só será submetido a consulta pública no início do próximo mês.

    Quanto à Linha do Campo Alegre, o facto de não ter sido incluída no estudo (submetido a discussão pública em Fevereiro) a possibilidade de passagem em túnel no Parque vai atrasar o processo de avaliação ambiental. Face à opção camarária pelo enterramento, a Metro contactará a Agência Portuguesa do Ambiente para saber se a alteração ao traçado obriga à entrega de um aditamento ao estudo. Se for necessário, o mais provável é que o documento seja alvo de nova consulta pública.

    Enterrado na Rua de D. Pedro V

    A posição da Câmara do Porto é condicionada pela decisão de enterrar as composições na Rua de Brito Capelo, em Matosinhos. O presidente Rui Rio sublinha que “só admitia o atravessamento do metro à superfície” no Parque da Cidade, se circulassem desse modo no concelho vizinho.

    “Aí, teria de decidir se enterrava antes da Circunvalação, no Parque ou depois do Parque, porque o professor Sidónio Pardal [projectista do espaço verde] considerava melhor a solução à superfície”, refere o autarca. O arquitecto desenhou as duas hipóteses e nunca fez segredo da sua preferência pelo atravessamento das composições em vale, próximo do mar, com canal protegido por encostas e muros de contenção.

    “Como o metro vem em túnel de Matosinhos, seria um absurdo desenterrá-lo só no Parque. É irracional fazer uma trincheira enorme para colocá-lo à superfície e outra para enterrá-lo alguns metros à frente”, assinala Rui Rio. A pedido da Autarquia, a empresa está a analisar, ainda, o atravessamento da Rua de D. Pedro V pelo subsolo, em vez de construir um viaduto. Tudo indica que a ideia é tecnicamente possível com a alteração da cota de circulação das composições no vale.

    Logo que o traçado esteja totalmente definido, o autarca garante que apresentará o projecto em reunião do Executivo.

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Deixar comentário