İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    Mudança nos Aliados não é irreversível no Jornal de Noticias (24.02.06)
    «Tribunal Administrativo recusa providência cautelar argumentando que seria possível repor o original por Carla Sofia Luz
    «O Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto entende que não há risco de consumação da “destruição completa e irreversível” do espaço urbano da Avenida dos Aliados e das praças da Liberdade e de General Humberto Delgado, já que é possível demolir o que for entretanto executado e voltar a colocar a calçada portuguesa e os canteiros.

    Na sentença que julga “improcedente” a segunda providência cautelar, o juiz considera que as associações cívícas Campo Aberto, APRIL e GAIA não têm razão ao recear que a alteração em curso na avenida se torne num acto consumado de difícil reparação.

    “Não lhes assiste, contudo, razão na medida em que, sendo certo que o que está em causa para os requerentes é a concreta configuração e arranjo do espaço em causa, então é sempre possível, caso obtenham provimento na acção principal, repor o mesmo tal como ele se apresentava”, lê-se no acórdão do Tribunal Administrativo, com data de 19 de Fevereiro, a que o JN teve acesso. [Pode consultar aqui em PDF (729 KB) o texto integral da sentença do Tribunal Administrativo do Porto]

    Em análise ao parecer favorável, concedido pelo Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR), à reabilitação da Avenida dos Aliados, o juiz defende que aquele despacho não configura uma autorização à prática do crime de dano, como argumentavam as associações.

    O IPPAR, “ao dar autorização para a realização das obras em causa, mais não fez do que exercer as competências e o poder-dever que lhe é conferido por lei”, refere-se na sentença do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, adiantando-se que “não é líquido, antes pelo contrário, que estejam em causa obras de demolição” nos Aliados “De facto, as obras que se encontram em curso na Avenida dos Aliados, Praça da Liberdade e Praça de General Humberto Delgado respeitam antes à requalificação desse espaço público”.

    Associações não desistem
    Para o tribunal, a proposta de classificação da avenida e das praças deve-se só aos edifícios, aos monumentos e às esculturas. “Ou seja, os jardins, os passeios, as vias de circulação, enfim, a concreta configuração e arranjo do espaço superficial não se encontram abrangidos no processo de classificação”, refere-se ainda. Por isso, não vê “evidente ilegalidade” no despacho do instituto.

    Recusando-se a julgar a “justeza das sentenças” judiciais, as associações (representadas pelo jurista Paulo Duarte) garantem que, em breve, entrará a acção principal no tribunal para analisar o que ainda não foi avaliado, como a violação do estudo de impacto ambiental ou a realização de obras de reabilitação urbana pela Empresa do Metro do Porto fora do âmbito da concessão, entre outras matérias. »

    Ler Nota à imprensa
    Noticias mais recentes

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    3 comentários até agora.

    1. Anonymous diz:

      Ops … coitadinho do IPAR. E quem é que vai herdar toda a … que entretanto tem digerido, quem é?? Como se passam as consequências (pastas) de tanto acto irresponsável? Quase 40% dos portugueses não votaram, dos que sobram tb 40% não votaram
      “nisto”! Se a gente se pudesse demitir em massa, demitir de comprar gasolina, de ir aos CC, de gastar o pouco dinheiro que temos e lhes faz tanto jeito! Ah, o que estes … precisavam era mesmo duma demissão revolucionária. EP

    2. Australopithecus XXI diz:

      Acho interessante a conclusão do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto:
      “…não há risco de consumação da “destruição completa e irreversível” …“
      “…é possível demolir o que for entretanto executado e voltar a colocar a calçada portuguesa e os canteiros…”
      É obvio que tudo pode ser demolido, afinal de contas existem tecnologias para isto (nem que seja implodindo é o que mereciam algumas pessoas), mas nem tudo pode ser reposto igual como estava antes.
      Bem, acredito que infelizmente a obra já é um facto consumado. Mesmo que surgisse do nada um Juiz com To(…)tes, sempre irromperiam as velhas desculpas do dinheiro já gasto no projecto, etc… etc… desculpas que estamos sempre habituados a ouvir e no final ninguém sai culpado de nada.
      Na minha opinião, pior que o problema da Avenida dos Aliados é a gestão do Património Cultural Português. Justamente por causa dela é que estamos aqui.
      Já repararam que ultimamente em relação ao Património Classificado o IPPAR não dá uma dentro.
      Lembram-se daquela “coisa” que foi reerguida em frente a Sé do Porto? em relação a Avenida dos Aliados fornece um parecer favorável para as obras, em relação ao Túnel de Ceuta retira as queixas e aceita uma decisão que não era a defendida inicialmente… o que mais falta acontecer?.
      Será que também vão acabar por desclassificado o Castro do Alto do Coto da Pena em Caminha?
      Acho que está na hora de fazermos algo contra tanta inoperância e burocracia de um órgão que possui a obrigação de zelar pelo Património Cultural do País. Devemos atacar o mal pela raiz.
      Chega de decisões políticas, queremos decisões Culturais.

    Deixar comentário