İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    A convivência das cidades com os rios tem sido muito pouco saudável. É
    o caso da Ribeira da Granja, encanada em cerca de 80% do seu percurso. Há
    que pôr termo a esta visão separatista do ambiente: os cursos de água devem
    conviver com o tecido urbano de forma tão natural quanto possível e ser
    respeitados enquanto tal. Numa cidade, assumem a função primordial de
    corredores ecológicos, albergando uma rica fauna e flora e contribuindo para
    uma cidade mais sustentável e alegre.

    Em boa hora decidiu a Câmara Municipal do Porto (CMP) encomendar a
    “Estratégia de Valorização do Vale da Ribeira da Granja”. Finalmente, a
    autarquia parece determinada em cessar a empenhada tarefa iniciada por outro
    executivo e que consistia em “esconder” a Ribeira dos portuenses, como se esta
    não devesse existir ou não fosse suficientemente digna para a cidade. A Campo
    Aberto felicita a CMP por esta iniciativa e contribuirá naquilo que lhe for
    possível para a revitalização daquele que é o último tributário do Douro.

    Gostaríamos de sugerir alguns cuidados para que a estratégia possa ser um sucesso:

    • toda a vegetação autóctone das margens deverá ser preservada, recomendado-se a plantação em todo o curso de espécies ripícolas como o salgueiro, amieiro e freixo, para além de vários arbustos;
    • neste contexto, o uso de maquinaria pesada deverá ser rejeitado em toda a linha, priviligiando-se métodos que ofendam o solo o menospossível, bem como a vegetação rasteira e arbustiva já instalada;
    • estruturas semelhantes a enrocamentos, existentes em Ramalde, são de todo desaconselhadas, devendo o rio ser revertido à sua forma natural.

    Em muitos casos, Ribeira e campos adjacentes criam um conjunto único
    que merecia ser preservado. Salvar a Ribeira da Granja também é, portanto,
    manter a função agrícola de vários terrenos, evitando a sua ocupação por
    urbanizações que por norma são, hoje em dia, profundamente desqualificadoras do
    território, tornando-o monótono e sem diversidade – o oposto, portanto, de uma
    política orientada para a qualidade de vida. Cremos que o mais sensato seria
    impor uma moratória à ocupação de terrenos livres (excluindo-se eventualmente,
    numa decisão caso a caso, os situados em espaços de colmatação e em frentes
    urbanas consolidadas). Naturalmente que todas estas alterações deveriam ficar
    patentes no futuro Plano Director Municipal (PDM) e ser aplicadas caso a CMP
    venha a estabelecer Medidas Preventivas enquanto aquele não entra em vigor.

    Por outro lado, a Campo Aberto sugere diversos usos do solo
    compatíveis com a recuperação da Ribeira e que representam mesmo uma mais valia
    para ela e para os habitantes da cidade: plantação de hortas pedagógicas,
    criação de percursos pedestres interpretados (com um grande potencial para
    actividades de educação ambiental) e de pistas para ciclismo, construção de um
    viveiro de espécies autóctones, de um pequeno jardim botânico com plantas
    típicas dos ambientes ribeirinhos, palustres e agrícolas (com as culturas mais
    comuns da região), de um núcleo museológico e de uma pequena biblioteca
    dedicada às questões ambientais (“ecoteca”) com uma secção especial para os
    mais novos. Para tal seria interessante que a CMP adquirisse e recuperasse uma
    antiga casa rural abandonada, dando‑lhe assim uma vida nova e um uso
    saudável e educativo.

    A expansão da malha urbana aos terrenos disponíveis acarreterá o
    agravamento das cheias que já hoje se verificam pelo mesmo motivo, ou seja, a
    ocupação indiscriminada dos solos que antes absorviam boa parte da
    pluviosidade.

    Perto da Quinta da Prelada existe um viaduto de grande largura sobre a
    VCI que se encontra abandonado. A Norte e a Sul existem amplos terrenos que
    também importa salvaguardar. A Campo Aberto propõe que o viaduto seja
    aproveitado para a criação um corredor verde entre eles. Bastaria para isso que
    fosse adaptado através da plantação de espécies vegetais apropriadas. Estas
    teriam, ainda, a função de isolamento acústico.

    A Campo Aberto espera agora que se passe à acção, ou seja, que a
    recuperação da Ribeira da Granja seja uma realidade – o que será moroso, é
    certo, dadas as enormes dificuldades a vencer – no quadro de diálogo que tem
    imperado na matéria. O Pelouro do Ambiente e do Urbanismo e Mobilidade deverão
    trabalhar em conjunto por forma a conciliar, na prática, aquilo que se sabe da
    teoria: o ambiente com o ordenamento do território.

    Se a melhoria do ambiente for realmente uma prioridade, a
    requalificação da Ribeira da Granja não pode deixar de ir para a frente.

    Para aceder ao parecer completo da
    Campo Aberto e a um mapa interactivo da Ribeira da Granja, visite
    https://urbanismo.no.sapo.pt/granja (agradecíamos a divulgação deste endereço e
    do correio electrónico da associação, se possível).

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Deixar comentário