İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    ASSEMBLEIA GERAL DE 24 DE MARÇO DE 2018
    RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATIVO A 2017

    INTRODUÇÃO

    Ao longo de 2017, a Direção executou o plano aprovado na assembleia geral de 18 de março de 2017 para o biénio de 2017-2018 – apenas parcialmente visto tratar-se de um plano bianual –, traduzindo-o em diversas atividades, em geral enquadráveis nas habituais categorias: visitas e passeios, tertúlias e debates, campanhas, relações com outras associações e entidades, análises e comunicados públicos.

    No que respeita às temáticas das atividades, estas incidiram sobre natureza, paisagem e ruralidade; biodiversidade, urbanismo e território; energia e alterações climáticas, saúde e alimentação, entre outros temas.

    As atividades foram concretizadas por meio de tertúlias, debates, visitas e passeios (de proximidade e de média e longa distância), encontros, cursos, oficinas e convívios, entre outras formas. Paralelamente à execução das atividades, a Campo Aberto envolveu-se em intervenções públicas e procurou dar continuidade ao estabelecimento de relações externas e institucionais, apoiando-se numa tentativa de melhoria contínua da comunicação interna e externa.

    Durante o ano de 2017 a Campo Aberto pôde contar com o trabalho voluntário dos seus dirigentes e colaboradores, e, como é habitual, sem possibilidade de recurso a trabalho de pessoal remunerado

    1. LINHAS DE TRABALHO, CAMPANHAS E INICIATIVAS

    1.1
    Visitas e passeios

    Como vem sendo hábito, as visitas e passeios (que aliam um aspeto lúdico ao cumprimento dos objetivos estatutários de aprofundar o conhecimento dos valores naturais, paisagísticos e ambientais para incentivar a sua melhor defesa e cuidado) subdividiram-se em duas categorias principais: passeios e visitas de curta distância, sem necessidade de recorrer ao aluguer de autocarro, com transporte a cargo do participante e com recurso por vezes ao sistema de «boleias partilhadas»; e passeios e visitas de médio ou longo curso, com aluguer de autocarro.

    Na primeira categoria foram em 2017 feitas visitas a espaços incluídos nos 50 espaços verdes selecionados na campanha que a associação empreendeu em 2006-2008 e que são objeto do livro Espaços Verdes e Vivos – um futuro para a Área Metropolitana do Porto, como é o caso da visita ao Monte Crasto ou a visita ao Rio Leça.

    Nas visitas de médio e longo curso, com a tónica na descoberta de valores naturais e paisagísticos, podemos referir a visita à Reserva Natural da Faia Brava e a visita à Serra do Açor.

     1.2
    Revisão do PDM do Porto e outros temas

    Para além de outras tomadas de posição explicitadas mais adiante, a associação, através sobretudo do seu e-sítio, e por outros meios, continuou a defender em 2017 de forma clara aspetos importantes dos seus objetivos estatutários, tendo participado em, ou lançado, debates relevantes como o que diz respeito à revisão do PDM do Porto ou ao drama recorrente dos incêndios estivais, ao acompanhamento da questão dos transgénicos, e outros temas.  Quanto aos debates sobre a revisão do PDM, realizados em 2017 no âmbito de um ciclo já iniciado em 2016, abordaram os seguintes temas: mobilidade e transportes, urbanismo bioclimático, gestão de resíduos urbanos, entre outros.

    1.3
    Alterações climáticas e questões energéticas

    A Campo Aberto, coerente com a sua posição permanente de recusa da energia nuclear, e integrando-se no âmbito do Movimento Ibérico Antinuclear, participou ao longo do ano, ou apoiou, divulgando-as, em ações de protesto e reivindicação com vista ao encerramento da central nuclear de Almaraz, próxima da fronteira portuguesa.

    Por outro lado, prosseguiu a sua reflexão e intervenção pública em torno da questão do aquecimento global, no sentido de uma crítica à insuficiente aplicação dos princípios que presidiram ao Acordo de Paris, de que Portugal é Parte, e a favor do desinvestimento nos combustíveis fósseis.

    1.4
    Coberto vegetal e incêndios ditos rurais

    Na sequência do encontro realizado em 29 de outubro de 2016, organizado em colaboração com a Quinta do Lobo Branco, a associação promoveu uma tertúlia com o título «Incêndios estivais: fatalidade, negligência ou erro de base?» em que foram debatidas perspetivas de compreensão e combate ao fenómeno. Em outubro, a associação subscreveu o Apelo a uma Aliança pela Floresta Autóctone, que integrou, sendo uma das associações que dá apoio logístico e organizacional a essa Aliança, que é um movimento ainda informal.

     1.5
    Livro Espaços Verdes e Vivos

    Ao fim de quatro anos de trabalho ficou impresso e pronto a entrar em circulação este livro, resultante da campanha iniciada em 2006 pela Campo Aberto. Começou então uma fase de divulgação assente em apresentações nos concelhos que integram a AMP. A primeira foi realizada em 14 de outubro em Valongo, local escolhido pela importância que tem no recém-criado Parque das Serras do Porto e pela forma colaborante como os seus técnicos e executivo municipal, incluindo o Presidente da CMV, acolheram os nossos pedidos destinados a atualizar a informação recolhida durante a fase inicial da Campanha.

    1.6
    Alimentação e Saúde

    Tal como no ano anterior, e na sequência da participação da Campo Aberto na Plataforma Transgénicos Fora foi dada atenção continuada à questão dos alimentos geneticamente modificados, tendo sido divulgada e apoiada publicamente a Marcha contra a Monsanto realizada em 20 de maio de 2017.

    1.7
    Grupos de trabalho e intervenção

    Prosseguiu regularmente em 2017 o trabalho do Grupo da Biblioteca e Documentação, que tem já mais de 1500 livros registados e catalogados e numerosas publicações periódicas. Por outro lado, prosseguiu também o Grupo Local de Pedroso, Vila Nova de Gaia, grupo de moradores e sócios da Campo Aberto que pretende ver afastada a instalação de uma unidade industrial poluente perto de suas casas, tendo vindo a associação a dar algum apoio a esta ação em defesa própria e do ambiente local. O Grupo de Apoio à Direção continuou a reunir com frequência, mantendo-se o seu contributo para a realização das atividades programadas.

    1. MOMENTOS DE CONFRATERNIZAÇÃO E RECOLHA DE APOIOS

    Se bem que todas as atividades tenham quase sempre esta dupla função, destacamos alguns momentos especialmente dedicados a confraternização e recolha de fundos, e outros apoios, que ocorreram em 2017.

    2.1
    Jantar anual de confraternização

    No dia da assembleia geral, em 18 de março, realizou-se o habitual jantar anual de confraternização, com cerca de 24 pessoas presentes, que decorreu na tradicional atmosfera de amizade e boa disposição.

    2.2
    Feirinha e confraternização de Natal

    Em novembro e dezembro decorreu a Feirinha de Natal, na sede, desde 27 de novembro a 9 de dezembro.  No dia 9 de dezembro houve uma Festa de Natal precedida de uma conversa sobre «Histórias com Pegada Ecológica».

    3. INTERVENÇÕES PÚBLICAS, COMUNICADOS E POSICIONAMENTOS

    3.1
    Comunicação e divulgação

    No ano de 2017 prosseguiu a intervenção através do e-sítio, e a divulgação das nossas atividades através do Facebook e do Twitter, bem como por meio de correio eletrónico em diversas listas e fóruns de discussão (Informação Geral, Futuro Terra (resultante da fusão de várias listas anteriores entretanto canceladas), e listas externas como Ambio, DLR, OGM.  Mantiveram-se no sítio digital algumas rubricas anteriormente criadas.

    3.2
    Conselho Municipal de Ambiente do Porto, C.M.A. de Vila Nova de Gaia e Conselho Consultivo da Reserva Natural Local de Vila Nova de Gaia

    Prosseguindo a sua intervenção sobre temas de interesse público relacionados com a região de maior incidência da nossa atividade (Porto, Grande Porto, Noroeste e Norte), a Campo Aberto, juntamente com outras associações com atuação na cidade, participou ativamente nos trabalhos do Conselho Municipal de Ambiente da Câmara Municipal do Porto, tendo a nossa representação continuado a ser assegurada pelo vice-presidente, António Verdelho. Deram-se passos no sentido de concertar posições e intervenções com outras associações, tendo daí resultado em 2016 a programação de um Ciclo Sobre a Revisão do PDM do Porto, do qual em 2017 se realizaram quatro debates. Manteve-se a participação no Conselho Municipal de Ambiente de Vila Nova de Gaia e no Conselho Consultivo da Reserva Natural Local do Estuário do Douro – RNLED.

    3.3
    Comunicados e posicionamentos

    Em 2017 houve duas tomadas de posição importantes da Campo Aberto, ao subscrever dois documentos que, embora externos, exprimem bem a tradição e perspetivas da associação e para cuja preparação colaborou ativamente: a Carta de Famalicão, um elenco de preocupações e propostas ambientais assinado por 35 entidades e aberto permanentemente  a novas adesões, e o Apelo a uma Aliança pela Floresta Autóctone, que esteve na base do surgimento dessa Aliança apoiada logisticamente por três associações ou equiparáveis, entre as quais a Campo Aberto.

    1. RELAÇÕES EXTERNAS E INSTITUCIONAIS

    4.1
    Associações de ambiente

    Mais uma vez, em 2017, esteve praticamente inativa a nossa participação na CPADA – Confederação Portuguesa de Associações de Defesa do Ambiente, de que não temos recebido informação frequente. No entanto, a nível local e regional, reforçaram-se as nossas relações com associações interessadas em diversos aspetos do ambiente natural e urbano. Daí resultou a nossa adesão à Carta de Famalicão e à Aliança pela Floresta Autóctone (citadas no ponto 3.3). Continuámos a colaborar regularmente com a Plataforma Transgénicos Fora e episodicamente com os grupos informais Porto Sem OGM e Coletivo Clima.

    4.2
    Protocolos de colaboração

    Mantiveram-se alguns dos protocolos de colaboração já anteriormente estabelecidos. Na sequência de solicitações de escolas para apoio da associação foram renovados protocolos com duas escolas, nomeadamente a Escola Secundária D. António Taipa-Freamunde e o Colégio Paulo VI, de Gondomar.

    1. EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES

    No ano de 2017 concretizaram-se, por iniciativa da Campo Aberto ou em colaboração com outras associações, vinte e nove atividades que envolveram a presença de  cerca de novecentas e cinquenta e cinco pessoas (a apresentar no quadro I), salientando-se o facto de este número de presenças não consignar algumas atividades promovidas pela associação em parceria com outras associações.

    De modo geral, as atividades previstas no programa aprovado foram realizadas.

    O quadro II apresentará o número de atividades realizadas por temática e nele podemos observar que a temática que concentrou um maior número de atividades foi Energia e Alterações Climáticas seguindo-se História Urbana e Biodiversidade.

    Do relatório constam ainda alguns anexos, a apresentar na Assembleia Geral.

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Iniciativas, Notícias

    Deixar comentário