İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    PortoDeArvores-v6

    Introdução à 1.ª edição, de 2006

    DESVENDAR A CIDADE VEGETAL

    A Campo Aberto reincide, com esta edição, no tema das árvores e dos jardins. Não é por acaso que tal sucede. A ideia continua a ser dar a conhecer a beleza desse mundo, para muitos desconhecido, ou quase, feito de recantos mágicos e de seres prodigiosos, de refúgios onde o reino vegetal se defende do tempo e das modas urbanísticas.

     

    Este livro regista muito das preocupações e actividade da Campo Aberto, através da sua Equipa Jardins. As visitas que levaram muitas dezenas de pessoas a alguns dos mais encantadores jardins e parques da cidade do Porto e seu entorno, significaram a necessidade de promover o conhecimento desses recantos – e também a urgência da sua protecção efectiva. Sabe-se como a gula do imobiliário vai fazendo cerco e apertando a malha em volta dos espaços verdes, das quintas e dos parques que restam.

    Do mesmo modo, deve entender-se o esforço – coroado de êxito – no sentido de aumentar substancialmente o número de árvores classificadas com estatuto de preservação no Porto.

     

    A opção dos autores da obra – desvendar essa «cidade» vegetal, encoberta e menosprezada – e fazê-lo sobretudo através da imagem, parece ser a mais correcta.

     

    Pois quem, na azáfama dos dias metropolitanos, adivinharia a presença, no entanto tão real, de árvores centenárias, autóctones umas, de continentes distantes outras? Quem diria, no meio do coro mediático que enaltece as glórias urbanísticas e arquitectónicas mineralizantes, que há mais de um século, alguns portuenses (expoentes de uma burguesia informada e com inquietações estéticas) criaram espaços encantadores onde a árvore era o elemento essencial? Ou ainda que o velho burgo – chamado de «cinzento» – terá sido afinal, pioneiro, nessa aventura de recriação da Natureza e de «evocação do paraíso» que foi a construção de parques e jardins frondoso e variados?

     

    Uma lição para os tempos de hoje, certamente.

     

    Como alguém disse, joga-se, hoje, entre mineralização e vegetalização, o futuro das cidades. Entre um urbanismo feito para as pessoas (implicando a manutenção e recriação dos elementos naturais) e a deriva para o crescimento cego, induzido pela dinâmica do lucro e pela mercantilização do espaço público.

     

    Mais precisamente, é a presença da natureza – a água, as árvores e as flores, o solo não impermeabilizado, o ar puro, a área disponível para passeio e descontracção,  a própria fauna, harmonizando com os elementos construídos característicos de cada época histórica – que confere humanização à cidade. Este aparente paradoxo só verdadeiramente constitui problema para quem estiver desatento – não são esses indicadores de qualidade de vida os que avultam, nos estudos que distinguem as urbes habitáveis?

     

    A secura – ou a esterilidade – de muito do urbanismo mais celebrado, a sua abstracção que secundariza o pormenor e a sensibilidade vivida, a sua ignorância da História e da sustentabilidade, acaba por, infelizmente, acrescentar ao ambiente urbano problemas cuja dimensão não pode ser ignorada.

     

    Se uma cidade não pode prescindir de mudança, inovação e até ruptura, nada obriga a que os contributos do que é novo ignorem a memória dos lugares e a ecologia dos sistemas vivos – pelo contrário, parece-nos ser esse encontro e síntese um dos mais relevantes (expressão tão gasta!) «desafios do futuro».

     

    Ao percorrer este livro, assim o esperamos, o leitor ficará com a sensação de que vale a pena defender os valores naturais que existem à nossa volta. Depende de cada um de nós a permanência de um património maravilhoso e inestimável.

     

    Bernardino Guimarães

     

    Presidente da Campo Aberto – associação de defesa do ambiente quando da publicação da 1.ª edição
    Janeiro de 2006

    Um Porto de Árvores - 2a edição

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Promoções

    Deixar comentário