İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    Exmos. Srs.

    Tive conhecimento de um excelente parecer do Provedor de Justica, que analisa em pormenor a situação de desproteccao das matas nacionais. O parecer esta muito bem fundamentado e’ revela com grande clareza o que chamam de “deslegalizacao”, ou seja, a Autoridade Florestal Nacional atribuir menor proteccao juridica ‘as matas do que resulta da lei. Uma situação gravíssima, uma autentica ditadura da administração, que interpreta a lei como entende ou pura e simplesmente a ignora de forma sistemática.

    Veja-se por exemplo os parágrafos:

    “A oblíqua posição da AUTORIDADE FLORESTAL NACIONAL reduz o estatuto de preciosas parcelas de terreno a meros bens aptos para o comércio jurídico, ao dispor das necessidades conjunturais, nomeadamente de carácter patrimonial, furtando-as a toda e qualquer protecção especial, a começar pela dispensa de intervenção das autoridades florestais e ambientais.”

    “Esta verdadeira deslegalização – contrária ao disposto no artigo 112.º, n.º 5, da Constituição – acentuou-se na penúltima década do século passado, mas, desde então, é ponto assente para as autoridades florestais que se julgaria serem as primeiras a pugnar pelas suas próprias atribuições.”

    O parecer pode ser consultado em

    Click to access Rec_1B2011.pdf

    Cumprimentos,
    Nuno Quental

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Cartas & Comunicados

    Deixar comentário