İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    Joaquim Cavalheiro, presidente da Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto, recebeu a Comboios XXI, Campo Aberto e Associação de Cidadãos do Porto em reunião no dia 18 de outubro. Começou por esclarecer que a AMTP foi criada com o decreto de lei n.º 1/2009, de 5 de Janeiro de 2009, com o objetivo de organizar os transportes dentro da Área Metropolitana do Porto, tendo como fim a regulação de um sistema de transportes útil e sustentável.

    O seu plano de atividades tem como ponto fundamental a extensão do Andante a todos os transportes públicos da AMP, promovendo assim a intermodalidade total da rede. Assim, atrai-se mais pessoas para o transporte público, frisando no entanto que todos os serviços de transportes públicos urbanos na Europa perdem dinheiro, onde a taxa média de rentabilidade é de 50%. Numa primeira fase teriam mais atenção aos serviços rodoviários e ao metro; numa segunda fase, aos outros serviços ferroviários que não o metro.

    Um objetivo fundamental do sistema de transportes públicos em Portugal é a contratualização do serviço público, a acontecer até 2019, definindo corretamente as indemnizações compensatórias aos operadores e definindo também, com clareza, o que é ‘serviço público’. Ao nível das AM, é ainda necessário a concretização de três estudos (que poderão demorar entre dois a três anos a ser feitos) para uma maior clareza nas decisões: o Inquérito Geral da Mobilidade, o Plano Operacional de Transportes e o Plano das Deslocações Urbanas. O envolvimento das Câmaras neste processo é fundamental.

    Joaquim Cavalheiro reforçou também a especificidade do Norte de Portugal, que com a sua população dispersa leva a custos elevados nos transportes públicos. Referiu ainda que se deve olhar para os transportes públicos mais a nível regional que a nível nacional.

    As AMT têm em Portugal uma história recente (pouco mais de dois anos), e países mais evoluídos que o nosso levaram cerca de dez anos a fazerem esse trabalho de reorganização.

    Qual a posição da AMTP em relação:

    bilhética

    1- à extensão do Andante a todas as linhas de Urbanos do Porto, utilizando as novas máquinas sem contacto?

    AMTP: a ação da AMTP circunscreve-se à Área Metropolitana, e assim sendo a utilização do sistema Andante é reservada a viagens com início e fim na AMP.

    2- à criação um bilhete / passe único origem-destino dentro da AMP, a utilizar nos regionais, urbanos, metro, STCP, carreiras privadas, integrado no Andante? Isto serviria para evitar multas a utentes que, por exemplo, comprem o passe centro do Porto-Maia e que normalmente utilizem o metro, mas que são multados nos dias em que utilizam autocarros que façam o percurso centro do Porto-Maia, que passam no Hospital de São João. Com um passe origem-destino haveria também uma distribuição mais equitativa entre utentes de urbanos e regionais, que poderiam escolher, dia a dia, qual o melhor meio de transporte.

    AMTP: haverá uma reformulação da rede do Andante, mas não a nível de conceito.

    3- à introdução do Z1 (passe e bilhete simples), que permitiria o aumento do uso do TP em eixos urbanos mais curtos, e a criação de um bilhete/passe mais barato do que o Z2, podendo assim eliminar-se, p.e., os bilhetes simples da STCP?

    AMTP: provavelmente não haverá a criação do título Z1. A tendência é para o fim dos bilhetes monomodais da STCP, com a sua integração no Andante.

    4- à pertinência / legalidade de multar utilizadores do passe mensal Andante Gold quanto estes não o validam, já que têm o mês pago? Não é do interesse dos utentes a obrigatoriedade de validar o Andante em cada viagem, e não é certamente do interesse dos utentes a consequência de não o fazer, que é a multa. A obrigatoriedade da validação nos passes válidos unicamente nos Urbanos da CPPorto tem ainda menos sentido.

    AMTP: as multas vão continuar, apesar poderem ser um pouco desproporcionadas.

    5- ao atual desenho da rede Andante, que parece ter sido desenhado a pensar exclusivamente no Metro (ver zona da Senhora da Hora) mas que neste momento engloba os STCP, CP e operadores privados? Como se explica que da zona oriental da Avenida da Boavista até à Afurada um percurso de pouco mais de 3 km abarque 3 zonas, e que o percurso de 15 km entre o centro do Porto e a Maia abarque também 3 zonas?
    AMTP: vamos procurar uma redefinição e simplificação do zonamento e tarifário após os estudos referidos.

    obras

    6- à Linha de Leixões? A linha continuará como está, exclusiva para mercadorias, ou haverá a reintrodução de ligação de passageiros, desta vez cumprindo com os compromissos agendados , construindo-se / remodelando-se, entre outros, o apeadeiro do Hospital de São João, de Esposade (interface com a Linha Vermelha do MP) e do Porto de Leixões (interface com a Linha Azul do MP) e criando ligações diretas a Campanhã, via São Gemil – Contumil?

    AMTP: após uma redefinição das redes, a Linha de Leixões poderá ter uma nova vida.

    7- à quadruplicação entre Contumil e Ermesinde, essencial na melhoria das ligações nas linhas servidas por este troço (Minho, Braga, Guimarães, Douro), atualmente sobrecarregado?

    AMTP: não responde.

    8- à modernização da Linha do Vouga, sabendo-se que esta é das linhas com maior potencial de crescimento na Região Norte (pela grande densidade populacional dos concelhos que atravessa pelo dinamismo industrial que apresenta), continuando no entanto a ser das vias com menor investimento da região?

    AMTP: não responde.

    9- à reintrodução das ligações ferroviárias entre o ISMAI e a Trofa, desta feita em bitola europeia, seja com o projeto atual da Metro seja com outra solução ferroviária?

    AMTP: esta é uma decisão política.

    10- a futuras expansões do Metro do Porto, sabendo as intenções do Governo anterior de congelamentos do projeto?

    AMTP: esta é uma decisão política. No entanto, havendo expansões da rede, a ligação a Vila d’Este deve ser prioritária.

    11- à modernização da Linha do Norte entre Ovar e Gaia, sabendo-se que a referida linha é o principal eixo ferroviário do país e está por renovar exatamente no seu troço de maior utilização?

    AMTP: não responde.

    12- à rede de elétricos no Porto (existente) e de autocarros elétricos em Gaia (proposta pela Câmara)? Continuará a rede existente no Porto a servir apenas para uso turístico, vendo o custo exagerado que representa, ou irá existir uma integração na restante rede de passageiros, tirando partido do seu potencial?

    AMTP: não havendo a possibilidade de obras de fundo em sistemas de transporte público na região, poderá surgir a conversão de algumas vias rodoviárias para acomodar os autocarros elétricos em Gaia.

    13- à utilização da Ponte Maria Pia, sabendo que poderá ser pedonal/ciclovia ou acomodar o metro ou comboio?

    AMTP: não responde.

    14- ao Ramal da Alfândega, que poderia ligar a Ribeira do Porto a Campanhã, prolongando a linha de elétricos existente?

    AMTP: não responde.

    intermodalidade

    15- a novas entradas de privados na rede Andante, para além das mais recentes?

    AMTP: até ao final deste mês [outubro] todas as carreiras ficam disponíveis. Não é um processo fácil, já que implica procedimentos técnicos na transmissão de informação entre autocarros e central de dados, entre outras aspetos.

    16- às ‘estações’ de autocarros da cidade (pelo menos sete já elencadas)? Qual a sua perspetiva de reorganização / reformulação / relocalização?

    AMTP: pretendemos criar uma estrutura orgânica que permita a sustentabilidade [das estações de autocarros]. Campanhã poderá transformar-se num terminal de autocarros multimodal, incluindo lojas de comodidade. O pólo universitário da Asprela também tem o potencial de se transformar num terminal multimodal.

    outros

    17- ao aumento do preço dos transportes no início de julho (a somar aos aumentos de janeiro), já que o aumento não foi acompanhada de uma melhoria de serviço?

    AMTP: não responde.

    18- à sua jurisdição geográfica? Cinge-se à AMP, aos concelhos cobertos pelos STCP, aos concelhos cobertos pelos STCP+Metro, ou aos concelhos cobertos pelos Urbanos da CPPorto+AMP? Se se cingir à AMP, terá igual vontade de integrar os privados na rede Andante em concelhos como Póvoa de Varzim, Santa Maria da Feira ou Arouca? Qual a ação prevista da AMTP nestes concelhos? E Braga e Aveiro, que são servidos pelos Urbanos?

    AMTP: A AMP tem dezasseis concelhos. O objetivo primordial da AMTP é a integração de todos os operadores de transporte público da AMP, que está a ser feita do centro para a periferia. A integração de todos os percursos metropolitanos da CP é complicada pois têm tarifas diferentes para percursos iguais (Urbanos / Regionais / Interregionais). A ação da AMTP circunscreve-se à Área Metropolitana. A gestão dos transportes no resto do país (que não Área Metropolitana de Lisboa) é feita pelo IMTT.

    19- ao papel que as bicicletas podem representar nas estratégias de transporte urbano da AMTP, nomeadamente criando-se Mapas da Rede Ciclável e Planos de Mobilidade Ciclável?

    AMTP: a criação de redes cicláveis, complementares ao transporte público, podem ser estudadas, na ligação entre a residência e as estações de metro/comboio.

    20- à anunciada concessão a privados da CPPorto e à fusão da Metro do Porto e dos STCP?

    AMTP: esta é uma decisão política.

    21- a uma gestão metropolitana do estacionamento, e em relação ao chamado ‘estacionamento selvagem’?

    AMTP: o estacionamento tem de estar integrado na rede de transportes, através de uma forte ligação às Câmaras. A nível formal há uma ligação com as autarquias, através de um conselho geral de treze membros, dos quais seis são do Estado Central e sete são membros das autarquias. Em Lisboa existe a ligação entre os transportes e o estacionamento através da EMEL. Há também a possibilidade, à semelhança de Lisboa, de integrar o estacionamento no título de transporte.

    22- a uma tarifa metropolitana para os táxis, que eliminasse as tarifas por concelho e transformasse os táxis num meio de transporte mais utilizado?

    AMTP: pode ser equacionado, já que o táxi também é um transporte urbano.

    A Comissão Directiva da Comboios XXI, juntamente com a Campo Aberto e a Associação de Cidadãos do Porto

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Notícias

    Deixar comentário