İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    Os partidos representados na Assembleia Municipal do Porto (AM) não estão todos de acordo quanto à viabilização de um referendo sobre a construção de um centro de congressos nos terrenos do Pavilhão Rosa Mota/Palácio de Cristal. Soares da Luz, do Movimento de Defesa dos Jardins do Palácio, diz que “não lhe passa pela cabeça” que a AM recuse viabilizar o referendo, e que dirá isso mesmo, esta manhã, ao presidente da assembleia, Valente de Oliveira, quando lhe entregar as cerca de seis mil assinaturas de cidadãos que pedem a consulta popular.

    Soares da Luz diz que quase 12 mil pessoas querem responder à pergunta seleccionada para o referendo – “Concorda com a construção de edifícios nos jardins do Palácio de Cristal para um centro de congressos?” -, mas que, destas, só cerca de metade reside no Porto e é, por isso, elegível para o pedido de realização do referendo local. A utilização deste mecanismo para decidir sobre um projecto da cidade vai dividir as forças partidárias com representação municipal.

    Para já, apenas CDS e Bloco de Esquerda são taxativos. À direita, André Noronha defende que “não se justificará um referendo para decidir sobre esta matéria”. O líder da bancada do CDS, mesmo não tendo discutido o assunto com os restantes elementos do partido, mostra-se ainda mais categórico ao ouvir a pergunta proposta. “À partida, digo que não, porque isso é uma meia pergunta, induz as pessoas a pensar que os jardins vão ser prejudicados”, diz.

    No extremo oposto, José Castro, do BE, diz ver “com muito entusiasmo esta iniciativa dos cidadãos”. O bloquista defende mesmo que “a AM deve sentir-se particularmente honrada por poder protagonizar, viabilizando a iniciativa, uma forma de expressão da vontade popular tão significativa e interessante como é esta”.

    No PSD, o tema também ainda não foi discutido, mas Paulo Rios de Oliveira garante não ter “nada contra” a realização de referendos, desde que estes “tenham cabimento legal”. Salvaguardando que não está a falar pelo partido, diz: “A minha sensibilidade democrática impele-me a não bloquear referendos. Até posso não concordar com o tema, mas, pelo menos, é uma forma de se discutir os temas”.

    Gustavo Pimenta, do PS, diz que o caso não foi ainda discutido internamente, mas que há “algumas dúvidas” entre os socialistas sobre a necessidade do referendo.

    Na CDU, Artur Ribeiro não assume posição, até que o tema seja discutido entre os comunistas. À AM compete avaliar a validade da iniciativa e, caso a considere pertinente, transformá-la em deliberação, enviando as assinaturas e a pergunta para o Tribunal Constitucional. É este órgão que irá decidir a realização do referendo.

    Público, 25-02-2011

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Notícias

    Deixar comentário