İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

    Associação Campo Aberto – Dez causas para uma década
    (artigo publicado no jornal Público de 2-jan-2010)
    É uma associação ambiental que se ocupa das questões do Noroeste português. Sabem que a cidadania ambiental ainda é matéria com pouca atenção. Mas não desistem. Na comemoração dos 10 anos relembramos algumas das batalhas mais importantes. Por: Mariana Correia Pinto

    Se é nas cidades que existe mais gente e que se consome mais energia, é lá que deve fazer-se o maior esforço de promoção da cidadania em matéria ambiental. Não terá sido apenas esta a ideia inspiradora por detrás do trabalho da Associação Campo Aberto, mas os dez anos de vida comemorados no passado dia 29 de Dezembro devem muito a esta convicção. São ambientalistas, sim, mas gostam de lembrar que contrariam o mito de que os “verdes” são coleccionadores de derrotas. E mais: rejeitam a imagem restrita de protectores dos animais e plantas. São, acima de tudo, pilares da defesa de uma vida humana mais sustentável e com mais qualidade. No Noroeste português e, mais particularmente, na Área Metropolitana do Porto (AMP), travaram – e vão continuar a travar – dezenas de batalhas. Umas perdidas, outras ganhas. E outras eternas.

    1. Parque da Cidade

    Foi precisamente uma dessas batalhas que inspirou o início do movimento. A “ameaça” ao Parque da Cidade, em 2001, mobilizou centenas de cidadãos: queriam impedir a edificação em três frentes do parque, como estava previsto. Houve barulho, houve manifestos, houve até milhares de assinaturas a pedir um referendo local. Rui Rio estava a poucos meses de ser eleito para a câmara pela primeira vez e juntou-se à causa: prometeu que, se o elegessem presidente, o Parque manter-se-ia o Parque. Ainda hoje há divisões quanto se trata de avaliar o cumprimento desta promessa, mas o certo é que entre os defensores surgiu um grupo de pessoas que acharam que fazia sentido criar uma associação que se ocupasse de questões urbanas práticas. E nasceu a Associação Campo Aberto. Por causa do Parque outras batalhas se travaram: a extenção da linha do metro do Porto – com a ligação entre São Bento e Matosinhos Sul – foi provavelmente a mais mediática. A solução de pôr o metro a cruzar o Parque foi altamente criticada pela Campo Aberto. O projecto deverá ficar alguns anos na gaveta, tendo em conta o tempo de crise, mas, se avançar, esta será possivelmente uma batalha ganha pela associação ambiental. É que a solução escolhida foi a passagem do metro em túnel. ?

    2. Avenida dos Aliados

    O que não foi, definitivamente, uma batalha ganha foram as obras de requalificação da Avenida dos Aliados. O fim dos jardins e da calçada portuguesa não foi pacífico. A Campo Aberto foi manifestamente contra a obra de Siza Vieira: “Foi uma descaracterização da zona, um apagar da memória”, defende Bernardino Guimarães, fundador da Campo Aberto e actual presidente da assembleia municipal. “Talvez dê jeito para fazer umas festas, não vejo mais vantagens”, argumenta.

    3. Árvores

    A Campo Aberto já travou – e continua a travar – muitas lutas. No Porto, até Janeiro de 2005, só havia quatro árvores assinaladas como de “interesse público”. “Agora são 238”, nota Bernardino Guimarães. Nesta matéria, há um dedo apontado à intervenção da Parque Escolar: “Um autêntico arboricídio em grande parte dos casos”, dizem, denunciando que muitas árvores são “indevidamente abatidas” na AMP.

    4. Jardins do Palácio de Cristal

    Se a construção de um centro de congressos nos Jardins do Palácio avançar não será por falta de protesto. Houve mesmo um movimento específico para isto e a Campo Aberto aliou-se. “Não somos contra o centro de congressos”, esclarece Bernardino Guimarães, “somos contra o centro naquele espaço, contra a destruição dos jardins [que a autarquia nega estar a promover].” As zonas verdes são frequentemente alvo de interesse para a construção de infra-estruturas. “É apetecível, porque é de borla para a autarquia, mas há muitos terrenos que não são jardins onde se pode fazê-lo”, diz. ??

    5. Despoluição das águas

    O processo de “entubar ribeiras” é um dos “crimes ambientais” mais frequentemente cometidos. O processo é simples: “Poluímos os ribeiros, transformamo-los em esgotos e depois, como o cheiro incomoda, tapam-se e constrói-se em cima.” É o que acontece, por exemplo, em Gondomar, no rio Tinto, aponta. Nesta matéria, uma das asneiras históricas é a construção do metro por cima do rio (“Avisámos que ia haver cheias e houve”). Quando não havia saneamento na cidade do Porto (e há sítios onde ainda não há), os esgotos eram direccionados para as ribeiras. A ideia da Campo Aberto é ,”em todos os locais onde seja possível, desentubar as ribeiras e aproveitar para criar zonas verdes em volta”. Algo que acabará por beneficiar o rio Douro.

    6. Mercados

    É perigoso criar cidades que não são sustentáveis. Por isso, a Campo Aberto bate-se pelos mercados da cidade – Bom Sucesso e Bolhão. “Seria trágico se os mercados de frescos desaparecessem.” Porquê? “A sua existência ainda garante que os produtores locais sobrevivam. Se desaparecerem, perdemos tudo.”

    7. Ruído e qualidade do ar

    Em palavras cruas, Bernardino Guimarães fala assim do ambiente no Porto: “A qualidade ambiental, de uma forma geral, é fraca.” Apesar da existência de uma carta do ruído no Plano Director Municipal (no qual a Campo Aberto esteve também particularmente envolvida aquando da revisão, em 2005), as pessoas “suportam níveis de ruído elevadíssimos”, aponta. E o pior é que “não se têm mostrado preocupados com isso”. A qualidade do ar é também “abaixo de cão” e há inclusive a preocupação adicional pela “existência de partículas finas inaláveis, muito perigosas para a saúde”.

    8. Reabilitação

    Não é só por andar particularmente atenta que a Campo Aberto dispara críticas em tantos sentidos. É que há coisas, garantem, que são demasiado gritantes. “Quando o urbanismo é feito a partir da construção de auto-estradas, é lógico que isso não pode dar bons resultados.” E a reabilitação não tem sido estruturada da forma mais eficaz possível: “Temos cidades completamente desequilibradas. Hoje em dia, para estarmos num ambiente florestal, temos que andar mais de 50 quilómetros”, lamenta. O que se constrói são “cidades incaracterísticas, com hortas e pinhais e depois umas casas”. Resultado? “Não é cidade, mas também não é campo. Somos peritos em criar terras de ninguém.” A aposta principal deve ser na reabilitação: “O Porto devia ser transformado num enorme estaleiro de reabilitação de edifícios. Daria muito emprego e, ao mesmo tempo, permitia repovoar a cidade, criar comércio, dar vida, melhorar o turismo.”

    9. Alterações climáticas

    Já se sabe: as alterações climáticas são, por definição, um assunto que diz respeito às associações ambientais. Para a Campo Aberto, só um “esforço conjunto da Junta Metropolitana do Porto” (que engloba 1,3 milhões de pessoas) pode produzir verdadeiros resultados. E há coisas que são demasiado fáceis de fazer para que continuem a ser ignoradas, defendem: “Basta entrar numa autarquia e ver que a maior parte dos gabinetes não tem lâmpadas economizadoras.” Alem disso, a iluminação pública do Porto, direccionada para o céu e não para o chão, “é um desperdício de energia enorme”, aponta Bernardino Guimarães.

    10. Campanha 50 Espaços Verdes

    São dez anos e muito mais do que dez momentos marcantes. Mas, se uma iniciativa se pode eleger, talvez fosse a Campanha 50 Espaços Verdes. Foi uma prova de que o cidadão comum também pode envolver-se nas questões ambientais – e que se envolve, caso se sinta motivado para isso. Após o repto da Associação para que as pessoas identificassem espaços que precisassem de intervenção urgente, chegaram dezenas de propostas. Houve 50 escolhidas, que chegaram às autarquias respectivas e que foram alvo de atenção por isso.

    A adesão dos jovens “faz-nos ter esperança de que as coisas podem melhorar”
    São ambientalistas, são biólogos, são engenheiros do ambiente. Os associados da Campo Aberto – cerca de três centenas – são, maioritariamente, pessoas profissionalmente ligadas ao ambiente. Mas não só. A Associação gosta de salientar que os jovens (da área ambiental ou não) têm aderido à causa. “É isso que nos faz ter esperança de que as coisas podem melhorar”, diz um dos fundadores, Bernardino Guimarães. A grande bandeira é a promoção do interesse pelos problemas urbanísticos numa perspectiva global e de desenvolvimento sustentável, para melhorar a qualidade de vida e do ambiente citadino. Além do envolvimento público nos assuntos, com apresentação de propostas concretas, a Campo Aberto promove debates sobre ética (“e estética, que muitas vezes é a melhor forma de promover o interesse das pessoas”) ambiental, as mudanças climáticas, a energia e os transportes, entre outros temas. Para assinalar os dez anos de vida, a Associação está a preparar uma série de iniciativas para 2011. Está previsto um ciclo de debates e visitas sobre a revisão do Plano Director Municipal (PDM), à qual a Campo Aberto dedicou especial atenção na primeira meia década de vida. Em Abril, deverá ser editado um suplemento do livro Reflectir o Porto e a Região Metropolitana do Porto, no qual se poderão rever as tomadas de posição da associação nos últimos anos. M.C.P.

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Notícias

    Deixar comentário