İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram


    Ao longo da sua existência, o Movimento em Defesa do Rio Tinto tem, incansavelmente, denunciado uma série de atentados à integridade deste precioso bem natural que é o rio que dá nome à cidade, alertando, ao mesmo tempo, para as consequências negativas que essas actuações poderiam ter, a curto ou médio prazo.


    Com efeito, há toda uma série de más decisões que se têm acumulado, entre as quais destacamos o entubamento do troço mais emblemático, a desnaturalização do leito e margens, revestindo-as de betão ou impermeabilizando-as, a ocupação inconsciente de leitos de cheia.


    Mais recentemente, as obras de ampliação da rede do Metro, com um traçado em certos pontos pouco compreensível e com soluções técnicas intrigantes, tais como um novo entubamento parcial e total manutenção do anterior, vieram acrescentar preocupações.


    A intempérie que atingiu Rio Tinto no passado dia 21 veio evidenciar que não é impunemente que, de modo leviano e impensado, se atenta contra a natureza. Cansado de tantos atropelos, o rio zangou-se e falou bem alto. Mostrou que aprovações de projectos, licenciamento de obras sem critérios de respeito pelo património natural acabam por conduzir a danos que seriam evitáveis.


    O rio transbordou, inundou casas, destruiu muros, pontões, pavimentos. Explicar estes acontecimentos como aleatória “catástrofe natural” é, realmente, fugir às responsabilidades e camuflar a raiz dos problemas. Muitas vezes o Movimento em Defesa do Rio Tinto, alertou para a periculosidade de se ofender a naturalidade deste curso de água.


    No caso das obras do Metro, os factos (águas a galgarem o betão, a arrastarem tubos a quilómetros de distância, a destruírem protecções) comprovam que o traçado, o projecto, o licenciamento e a fiscalização da obra não foram adequados à realidade dos locais onde ela se implanta.


    O rio falou. De modo rude, como normalmente a Natureza agredida costuma reagir.


    Esperamos, vivamente, que os responsáveis, com particular realce para a Câmara Municipal de Gondomar e empresa Metro do Porto, saibam escutar a mensagem que o rio deixou. Porque, mais do que minimizar os efeitos dos danos agora verificados, importa tomar medidas de fundo que previnam a sua repetição.


    Não obriguem o rio a ter novamente de falar alto!


    23 de Dezembro de 2009

    O Movimento em Defesa de Rio Tinto


    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Água

    Deixar comentário