• Set : 17 : 2020 - ALERTA AOS CIDADÃOS: TRÊS JARDINS DO PORTO E 503 SOBREIROS EM GAIA AMEAÇADOS DE MUTILAÇÃO E ABATE
  • Mai : 14 : 2020 - Por Amor da Árvore 2020
  • Abr : 24 : 2019 - Poluição Luminosa
  • Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes

Veja o site da Campo Aberto:
https://www.campoaberto.pt/

Comente, participe. Divulgue!

==========================
Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o que
é e faz a Campo Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio!

Em alternativa assine a revista Ar Livre (que os sócios também recebem).

Peça informações:
contacto@campoaberto.pt

==========================

BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

Segunda-feira, 8 de Outubro de 2007

==========================

Para os textos integrais das notícias consultar as ligações indicadas.

==========================
1. Porto: Comerciantes “emparedados” por obra parada há um mês

Os comerciantes do Parque Itália, na Boavista, Porto, estão
“emparedados” há mais de um mês por causa de obras de construção de um
parque de estacionamento subterrâneo, em frente ao edifício. A
empreitada, da responsabilidade da empresa BragaParques , está parada
e, dizem os lojistas, tem prejudicado os negócios, pondo em causa a
continuidade dos seus postos de trabalho. Placas de chapa brancas,
utilizadas para vedar a obra, tapam a visibilidade a potenciais
clientes que, equivocados pela falta de informação, se vão embora
pensando que as galerias comerciais estão fechadas.

https://jn.sapo.pt/2007/10/08/porto/comerciantes_emparedados_obra_parada.html

==========================
2. Marco de Canavezes: Parque fluvial do Tâmega avança

A construção do Parque Fluvial do Tâmega na entrada sudoeste da cidade
do Marco de Canaveses, teve, anteontem, início simbólico com o
lançamento da primeira pedra e assinatura do auto de consignação da
empreitada, no valor estimado de 1,4 milhões de euros. A obra é uma
das bandeiras eleitorais do presidente da Câmara, Manuel Moreira, que
se desdobrou em contactos para recuperar um velho projecto,
readaptando-o a tempo de o candidatar a fundos comunitários

https://jn.sapo.pt/2007/10/08/porto/parque_fluvial_tamega_avanca.html

==========================
3. Crónica: O 31 de Santo António
por Jorge Vilas

A o ver aquele eléctrico a subir tranquilamente lotado a Rua de 31 de
Janeiro, tive que reprimir o impulso de correr um pouco e saltar para
o estribo, recordando assim outros tempos – tempos de menino e moço –
quando ia ter com o meu amigo Mário de Figueiredo à Rua de Alexandre
Herculano. Evitei o desaforo por duas razões. A primeira pelo simples
facto de a idade já não aconselhar tais aventuras; a segunda porque o
estribo também ia lotado pela miudagem que aproveitava a boleia,
ciente de que não lhe ia aparecer à janela o condutor que, de alicate
em punho, a expulsaria com má cara (às vezes fingida) da viagem de
borla. Se outra coisa se não tivesse ganho com o regresso dos
eléctricos à Baixa do Porto, a animação daquela criançada era já
suficiente para acrescentar àquela parte da cidade a animação de que
ela anda tão precisada…

https://jn.sapo.pt/2007/10/08/porto/o_de_santo_antonio.html

==========================
4. Aveiro: Ferry para S. Jacinto beneficiou principalmente a restauração

O sector da restauração foi o principal beneficiado com o ferry-boat.
O barco, que entrou em acção no início de Agosto, ajudou os
proprietários dos restaurantes e cafés de S. Jacinto nos dois meses de
Verão. Apesar de habitualmente terem mais clientes nas “férias
grandes”, alguns assumem que a facturação aumentou graças aos que
utilizaram o “Cale de Aveiro” (28734 só no primeiro mês) . O registo
de agrado não é, todavia, geral. Os que não trabalham com comes-e-
-bebes dizem que o ferry não lhes animou o negócio.

https://jn.sapo.pt/2007/10/08/norte/ferry_beneficiou_principalmente_a_re.html

==========================
5. Porto: Escolas Secundárias reformuladas

Quatro escolas secundárias da cidade do Porto vão entrar em obras a
partir de Julho do próximo ano, iniciativa que se insere no Programa
de Modernização do Parque Escolar do Ensino Secundário. Carolina
Michaëlis, Aurélia de Sousa, Garcia de Orta e Cerco serão
requalificadas, sendo o projecto do Cerco o mais ambicioso.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=5bcfb14b42ec26471a818cb165eb4f01

==========================
6. Gondomar: Centro comercial gera polémica

A construção de um novo centro comercial em Gondomar está a ser motivo
de polémica entre a CDU e o executivo liderado por Valentim Loureiro.
Os comunistas dizem que a alteração do Plano de Urbanização que
permite a sua construção é ?uma grande negociata?. A CDU acusou a
Câmara de Gondomar de colocar em risco ?o que resta do comércio
tradicional? no concelho ao permitir a construção, segundo avançou a
comunicação social, de um novo centro comercial, o Gondomar Retail
Center, na zona de Manariz, Fânzeres.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=ae93d6520af0c45bade1c641fdce0eea

==========================
7. Porto: Professora aposentada, alunos ainda sem aulas

Vinte e quatro alunos do 1.º ano da EB1 da Vilarinha estão sem
professor há três semanas. A denúncia foi feita por Victor Vieira, pai
de uma das crianças, que diz que a situação está a começar a ficar
?insustentável?.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=0a7982cbab3a9873180a3f4ca38ad6c3

==========================
8. Matosinhos: Narciso Miranda diz que será “erro grave” aprovar
projecto para Matosinhos Sul

O ex-presidente da Câmara de Matosinhos, Narciso Miranda, alertou
ontem para o “erro grave” que a autarquia comete se decidir dar luz
verde à construção de três edifícios nos terrenos das ruínas da antiga
Fábrica Algarve Exportadora, na zona de Matosinhos Sul, tal como está
previsto na proposta que hoje é apreciada em reunião de câmara.
Sublinhando que o projecto foi inviabilizado por diversas vezes pelo
anterior executivo, Narciso assinala “a mudança radical” da câmara,
liderada agora por Guilherme Pinto, e afirma que lhe custa muito a
acreditar que o Siza Vieira tenha defendido aquela proposta. Ao
contrário de Guilherme Pinto, que considera a solução agora
apresentada “um impulso de qualidade” de forma a melhorar e a integrar
aquele quarteirão, delimitado pela Avenida da República, Rua de
Roberto Ivens e Rua dos Heróis de França, Narciso afirma que “a
memória da indústria conserveira não pode ser transferida para outro
local, enquanto que o hotel proposto pode ser instalado em qualquer
outro sítio. “Que me lembre esta é a sexta ou sétima tentativa de
construir naquele espaço”, disse, insistindo que a proposta foi
“sempre liminarmente rejeitada” pelo anterior executivo e, nesta
matéria, houve sempre consenso. “Na minha opinião, esta mudança
radical dá cobertura ao princípio de que o crime compensa”, acusou
ainda. Narciso diz que, nesta matéria, contou sempre não apenas com
apoio dos seus pares no executivo, mas também com “o inequívoco apoio
de arquitectos como Siza Vieira ou Eduardo Souto Moura e de
arquitectos municipais”. A reunião de hoje promete ser quente até
porque a questão não parece ser pacífica dentro da própria vereação do
Partido Socialista
Também o vereador da CDU, Honório Novo, acusa Guilherme Pinto, de
praticar um urbanismo em função de interesses imobiliários
especulativos e classifica de “escândalo urbanístico” a solução
apresentada pela empresa Algarve Exportadora S.A. Diz ainda que a
vereação do PS quer “atirar areia aos olhos das pessoas” com projectos
como o Centro de Ciências e Tecnologias do Mar (CCTM). “Este centro já
foi apresentado, há cerca de um ano, por Guilherme Pinto e pelo
Ministro da Economia Manuel Pinho, como parte integrante do projecto
EXPONOR 21”, denuncia. Segundo Honório Novo, a solução apresentada por
um proprietário da antiga fábrica, desrespeita o Plano de Urbanização
de Matosinhos Sul. “O plano estabelece uma área de construção, naquela
zona, de 17 mil metros quadrados e um índice de construção de 2,1. A
proposta apresentada refere valores na ordem dos 30 mil metros
quadrados e um índice de construção de 4”, conclui.

https://jornal.publico.clix.pt/

==========================

Para se desligar ou religar veja informações no rodapé da mensagem.

O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
https://groups.yahoo.com/group/pned/

Se quiser consultar os boletins atrasados veja
https://campoaberto.pt/boletimPNED/

==========================
INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

Acima apresentam-se sumários ou resumos de notícias de interesse
urbanístico ou ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal de
Notícias, do Público e d’O Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de
outros jornais ou fontes de informação).

Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e está
aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu âmbito
específico são as questões urbanísticas e ambientais do Noroeste,
basicamente entre o Vouga e o Minho.

Para mais informações e adesão à Associação Campo Aberto:
contacto@campoaberto.pt
telefax 229759592
Apartado 5052, 4018-001 Porto

Selecção hoje feita por Paulo Araújo

=============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Boletim

Deixar comentário