• Set : 17 : 2020 - ALERTA AOS CIDADÃOS: TRÊS JARDINS DO PORTO E 503 SOBREIROS EM GAIA AMEAÇADOS DE MUTILAÇÃO E ABATE
  • Mai : 14 : 2020 - Por Amor da Árvore 2020
  • Abr : 24 : 2019 - Poluição Luminosa
  • Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes

Destaque: Pela Escola Rural

Pensei primeiro destacar o uso que vem alastrando da expressão “auto-sustentável/
sustentabilidade” (ver notícia n.º 3). Será que “sustentável/sustentabilidade” já se não
“sustentavam”? E talvez que esse fenómeno linguístico ponha o dedo numa ferida: é que
com a retórica generalizada da “sustentabilidade” parece ter-se perdido de vista que
“sustentável” significa necessariamente “pelo próprio”. Caso não, seria antes “sustentado…
por outros”. Talvez daí que custe a compreender que as cidades só poderão ser “mais
sustentáveis” ou “menos insustentáveis”, já que não poderão prescindir de um “hinterland”
que parcialmente pelo menos as sustenta. Diminuir a pegada ecológica é excelente, mas
que tal não sirva para criar a ilusão de que ela pode não existir.

Mas acabei por focar-me no contínuo avançar da vaga avassaladora das escolas do interior
(notícia n.º 6). Contra toda a retórica eleitoral da discriminação positiva do interior, as
autoridades estão numa verdadeira fúria de encerramento de serviços essenciais no
interior rural. E para negar que as razões são sordidamente financeiras (o interior que
pague a redução do défice), exibem razões pedagógicas: que as crianças, se as classes
tiverem menos de 21 alunos (ou as escolas?), sofrem pedagogicamente. Daí que não seja
nunca demais recomendar o filme que em 2002 deu brado em França e que, na versão
portuguesa em DVD ainda há meses distribuída com o jornal público, se intitula SER E TER.
Numa escola rural com 13 alunos distribuídos por três escalões etários, a seriedade e
empenho, a competência e a humanidade da acção pedagógica mostram que tais
pretextos são precisamente… pretextos.

O problema real das escolas portuguesas é a sobrepopulação. Honra à Directora da DREN
por o reconhecer (notícia n.º 2). Assim, fechar escolas como se fez já no Porto por terem
“poucos” alunos, quando baixaram de uma sobrepopulação de milhares de alunos para
algumas centenas, é inverter o bom senso pedagógico: o que está errado são as escolas
de milhares de alunos. Como na Dinamarca, 500 alunos parece ser o aconselhado para
que uma escola urbana seja uma verdadeira comunidade educativa, e não um viveiro de
anomias e comportamentos desviantes ou insucesso escolar.
JCM

[Esta lista tem actualmente 403 inscritos.]

Veja o site da Campo Aberto:
https://www.campoaberto.pt/

Comente, participe, divulgue.

====

Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o que é e faz a Campo
Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio!

Em alternativa assine a revista Ar Livre (que os sócios também recebem).

Peça informações:
campo_aberto@oninet.pt

Para desligar-se/religar-se ou para ler as mensagens em modo página, net
veja informações no rodapé da mensagem.

O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
https://groups.yahoo.com/group/pned/

====
BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

====
Quarta-feira, 30 de Maio de 2007
====
1. Porto: AdE quer reduzir para 3,5 por cento as emissões de CO2 no Porto
Caminho crítico das decisões

No dia em que se festejou o Dia da Energia, a Agência de Energia do Porto debateu as suas
metas e objectivos para cumprir o imperativo vindo de Bruxelas. A AdE admite um prazo
limite para os conseguir que poderá descer as emissões do Grande Porto de 3,9 para 3,5
por cento.
Joana Soares (texto) / Pedro Tavares (foto)

A Comissão Europeia (CE) estabeleceu a meta de 20 por cento na redução de CO2 –
Monóxido de Carbono – até 2020 para as cidades que completam o território europeu,
admitindo que a percentagem poderá aumentar em 30 por cento, no caso dos Estados
Membros atingirem os parâmetros da avaliação implementada pela CE. A segunda maior
cidade do País conheceu há três meses a Agência de Energia do Porto (AdE) com o
objectivo de rumar até à “cidade sustentável”. Este núcleo aprovado para a
sustentabilidade enérgica da cidade junta-se às 380 agências espalhadas pelo espaço
europeu e às 20 erigidas no espaço nacional. A AdE do Grande Porto foi criada sem fins
lucrativos e abrange um conjunto de 22 instituições públicas e privadas, sendo a Câmara
Municipal do Porto a que detém a maior parte da fatia do capital – 54,07 por cento.

O objectivo do Porto é reduzir de 3,9 as emissões de CO2 para 3,5 por cento. “É uma meta
possível”, disse o presidente do Conselho de Administração da Agência. Eduardo de
Oliveira Fernandes adiantou que “existe uma série de elementos virtuosos – como o facto
da EDP tomar conta da Portgás – que indicam que podem existir vários projectos
intensivos para a cidade e com objectivos viáveis”. O presidente da recente agência falava
ontem à margem da cerimónia de apresentação pública da agência, que somou na mesma
mesa o presidente da autarquia portuense, Rui Rio, Pedro Ballesteros, que integra a
coordenação das 380 agências de energia a nível europeu, e outros elementos delegados
da AdE do Porto, no dia em que se festejou o Dia Nacional da Energia. E para a celebração,
a cidade apresentou em formato non-stop, durante o dia de ontem, a película do badalado
«Uma Verdade Inconveniente» do ex-candidato americano à Casa Branca, Al Gore.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=010f14f5775a56874b6496ffa407b3dc

====

2. Maia: Margarida Moreira refere que muitos problemas decorrem do excesso de
população
Secundária controlada pela IGE

A Escola Secundária da Maia está a ser acompanhada, no seu dia-a-dia, pela Inspecção-
Geral de Educação do Norte. A sua direcção está sujeita a um “plano de acompanhamento
e controlo”. No final do ano lectivo será feito um ponto de situação.

….

A directora regional de Educação, Margarida Moreira, disse ontem ao JANEIRO que não se
pode pronunciar sobre a situação da Secundária da Maia. Referiu, no entanto, que o
processo, por via das competências das instituições educativas, lhe será remetido.
Afirmou que “uma parte dos problemas – não sei qual é a matéria que a IGE está a
investigar, somos instituições independentes –que me tem chegado, decorre do excesso
de população, ali não cabe uma alfinete”.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=3853344ab36624bd8207ae4ee812d59c

====

3. Aveiro Universidade convidada para Gaia auto-sustentável
Programa vantajoso para a Área Metropolitana

Luís Filipe Menezes vai avançar em Gaia com um programa de auto-sustentabilidade, que
traria vantagens se abarcasse a Área Metropolitana do Porto, mas considera não haver
condições políticas e institucionais para essa integração.

O presidente da Câmara de Gaia anunciou anteontem o convite à Universidade de Aveiro
(UA) para participar num programa para tornar a cidade auto-sustentável, ao nível
energético e ambiental.

Lembrando que o sucessor de Tony Blair se prepara para lançar o projecto de duas áreas
metropolitanas auto-sustentáveis, Luís Filipe Menezes diz tratar-se de uma temática que
ainda está a chegar a Portugal.

Defende que a Área Metropolitana do Porto poderia ter vantagem em adoptar um
programa de auto-sustentabilidade, como pretende para a cidade de Gaia, mas considera
que “actualmente não existem condições políticas e institucionais para uma integração
desse género”.

Luís Filipe Menezes, que se deslocou segunda-feira à Universidade de Aveiro para “tomar
contacto directo com a excelente oferta” daquela instituição de ensino superior, reuniu
com a Reitoria, a quem expôs as áreas de interesse” da parte da Câmara de Gaia.
“Até Setembro ou Outubro devemos apresentar propostas concretas de cooperação à
Universidade de Aveiro”, disse o autarca, elogiando o “enorme dinamismo e a experiência
de trabalho com as autarquias” que a UA tem desenvolvido.

No final da reunião com a Reitoria, Luís Filipe Menezes disse aos jornalistas que “está a ser
equacionada a possibilidade de, em colaboração com a Universidade de Aveiro, colocar de
pé, a curto prazo, um programa de auto-sustentabilidade, nomeadamente energética e
ambiental”, que abarque, não apenas os serviços do Município, como “toda a dinâmica
global de Gaia”.

Colocar o concelho a produzir a energia que consome e a reciclar os seus resíduos, que a
jusante possam ser utilizados na produção dessa mesma energia, é um dos objectivos que
o autarca tem em mente.

Além da área energética e ambiental, Luís Filipe Menezes vê igualmente com interesse a
colaboração universitária na gestão orçamental, “mesmo com os constrangimentos
impostos às autarquias”.

O presidente da Câmara de Gaia salientou que já existe trabalho comum com a
Universidade de Aveiro no parque empresarial de S. Félix da Marinha, havendo da parte da
autarquia vontade em explorar outras áreas de cooperação, designadamente no apoio às
escolas básicas e secundárias e na formação profissional pós-graduada de jovens
desempregados, capaz de corresponder ao mercado de trabalho existente, numa lógica de
auto-sustentabilidade também a esse nível.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=88b29efa7b942ac548ef1299a3348d78

====

4. Entre-Douro-e-Vouga: Dia da Energia
Sustentabilidade debatida

“A Região Norte poderá beneficiar de oito mil milhões de euros de fundos estruturais do
Quadro Comunitário de Apoio (QCA) 2007-2013”.

E tudo isto através do Programa Operacional Regional do Norte 2007-2013, “ainda sem
aprovação pela União Europeia”, mas já com cinco eixos bem definidos: “Apostar na
competitividade, inovação e conhecimento, reforçando a intensificação tecnológica; a
qualificação ambiental e valorização de recursos específicos, com a valorização da
excelência turística regional; a qualificação do sistema urbano, com aposta na mobilidade
urbana; a valorização do território para a coesão, com a construção de estradas e ferrovias
regionais e nacionais; e governação e capacitação institucional, com assistência técnica ao
programa”. Cinco objectivos (com dotação global de 2,712 milhões de euros)
concretizados em “parques de acolhimento, parques de ciência e tecnologia e espaços
naturais”, a serem construídos até final deste QCA.

Este foi um dos temas abordados no 1.º Fórum de Sustentabilidade [da região] de Entre
Douro e Vouga, que ontem decorreu na Feira, uma iniciativa da EDV Energia (Agência de
Energia de Entre Douro e Vouga), através do Observatório da Sustentabilidade – um
mecanismo criado em Março para delinear a estratégia a seguir para o desenvolvimento
sustentável da região (que reúne os municípios de Arouca, Oliveira de Azeméis, Santa
Maria da Feira, São João da Madeira e Vale de Cambra). “Uma região eco-sustentável, com
uma preocupação (crescente) com os domínios do ambiente e da energia”, tendo como
objectivo “promover a redução do consumo energético”. Para Joaquim Borges Gouveia, do
Conselho de Administração da EDV Energia, “devemos colocar na ordem do dia a palavra
`racionalizar'”, seguindo os exemplos da “Áustria e Dinamarca, com dois milhões de
metros quadrados de painéis solares”.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=fd4c60e065083a53c3f3be98df24bf44

====

5. Resende: No próximo fim-de-semana
Festa da Cereja no Largo da Feira

No próximo fim-de-semana, toneladas da famosa cereja de Resende darão as boas vindas
a todos os que se deslocarem ao centro daquele concelho duriense (Largo da Feira) para
participar no VI Festival da Cereja.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=e4da3b7fbbce2345d7772b0674a318d5&subsec=&id=e047606b97ae2c5979586d51c2bcf275

====

6. Viseu e Tondela: reagem ao anunciado fecho de escolas
Contra o encerramento de “forma cega”

As câmaras municipais de Viseu e de Tondela insurgiram-se contra o “encerramento de
forma cega” das escolas do primeiro ciclo do ensino básico, por considerarem que põe em
causa princípios assumidos nas suas cartas educativas.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=e4da3b7fbbce2345d7772b0674a318d5&subsec=&id=a7011d58804f13a7dadc9a0d0f367e2d

====

7. Mundial: A cada oito segundos morre uma pessoa vítima de doença relacionada com o
tabagismo
OMS recomenda proibição total

A propósito do Dia Mundial Sem Fumo, amanhã, a Organização Mundial da Saúde lembra
as mortes pelo tabagismo e recomenda a total proibição do fumo em locais públicos e no
trabalho. Em Portugal estudou-se a «Relação entre o tabagismo dos pais e o consumo de
tabaco dos filhos».

A Organização Mundial de Saúde recomendou a proibição total do fumo nos locais
públicos e de trabalho, lembrando que a cada oito segundos morre uma pessoa vítima de
uma doença relacionada com o tabagismo. A recomendação é feita nas vésperas do Dia
Mundial Sem Tabaco, que se assinala amanhã. Recordando que vários países já adoptaram
medidas nesse sentido, a directora-geral da OMS, Margaret Chan, alerta para o facto de
que “não existe nível de exposição sem perigo”. Os números apresentados no site da OMS
revelam que, actualmente, um em cada dez adultos morre devido ao fumo, sendo que se o
padrão actual se mantiver, em 2020 o tabaco será responsável pela morte anual de 10
milhões de pessoas. Mais: “Metade das pessoas que actualmente fuma – cerca de 650
milhões – acabará por morrer vítima do tabaco”.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=b6d767d2f8ed5d21a44b0e5886680cb9&subsec=&id=d5c8382c67e56ad2bad3cde20c53ba93

====

8. Nacional: Resultados de estudo a 27.500 crianças dos seis aos dez anos são alarmantes
Pequenos-almoços tomados com excesso de açúcar

Apenas uma em 27.500 crianças dos seis aos dez anos consome alimentos sem açúcar ao
pequeno-almoço, segundo um estudo realizado no âmbito do «Projecto Bom Dia Planta».
O estudo foi feito em parceria com o Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=b6d767d2f8ed5d21a44b0e5886680cb9&subsec=&id=6b15a9a605ee77ea977f8190d4235102

====

INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

Acima apresenta-se o sumário e/ou resumos de notícias de interesse
urbanístico/ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal de
Notícias e de O Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de outros
jornais ou fontes de informação).

Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e está
aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu âmbito específico
são as questões urbanísticas e ambientais do Noroeste, basicamente entre o
Vouga e o Minho.

Selecção hoje feita por José Carlos Marques

Para mais informações e adesão à associação Campo Aberto:

Campo Aberto – associação de defesa do ambiente

www.campoaberto.pt
campo-aberto.blogspot.com

Apartado 5052
4018-001 Porto
telefax 22 975 9592
contacto@campoaberto.pt

=============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Boletim

Deixar comentário