• Set : 17 : 2020 - ALERTA AOS CIDADÃOS: TRÊS JARDINS DO PORTO E 503 SOBREIROS EM GAIA AMEAÇADOS DE MUTILAÇÃO E ABATE
  • Mai : 14 : 2020 - Por Amor da Árvore 2020
  • Abr : 24 : 2019 - Poluição Luminosa
  • Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes

Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o que
é e faz a Campo Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio.

Peça informações a:
campo_aberto@oninet.pt

Campo Aberto – associação de defesa do ambiente
www.campoaberto.pt
Apartado 5052
4018-001 Porto
telefax 22 975 9592

======================
==========================
BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2007

==========================
Para os textos integrais das notícias consultar as ligações indicadas.
==========================
==========================
1. Porto: Manutenção de pontes aguarda decisão

Há mais de dois anos que a Empresa do Metro e a Estradas de Portugal
aguardam uma decisão do Governo sobre um possível acordo em relação
à “permuta” de responsabilidades da manutenção das pontes do Infante
e de Luís I, entre o Porto e Gaia. Enquanto se aguarda pela definição
da Administração Central, os peões são quem mais sofre com o estado
das travessias. O tabuleiro inferior da ponte de Luís I, sem obras de
recuperação há muito tempo, é exemplo paradigmático.

A Metro do Porto quer deixar de responder pela manutenção da ponte do
Infante (exclusivamente rodoviária) e assumir, em contrapartida, a
responsabilidade pelos dois tabuleiros da ponte de Luís I. Conforme
explicou fonte da empresa, desde Março de 2003, quando foi concluída
a ponte do Infante, que o assunto tem vindo a ser abordado com a
Estradas de Portugal. Verificou-se, porém, que a palavra final cabe
ao Governo, uma vez que se trata de uma matéria relacionada com o
património e activos de empresas públicas.

Sem resposta do Estado, a Metro continua a suportar os custos com a
manutenção da ponte do Infante e com o tabuleiro superior da ponte de
Luís I, por onde passam as carruagens. A empresa assegura, ainda, a
monitorização de toda a estrutura da centenária travessia, através de
um acordo com a Faculdade de Engenharia do Porto. Um acordo que se
iniciou, aliás, aquando da empreitada de recuperação da travessia,
levada a cabo pela Empresa do Porto.

A introdução do canal da Linha Amarela no tabuleiro superior obrigou
a executar intervenção na ponte e só nessa altura se verificou o
profundo estado de degradação em que estava toda a estrutura da ponte
de Luís I, apesar de estar incluída no conjunto considerado
Património Mundial da Humanidade pela Unesco. De tal forma que o
investimento previsto (seis milhões de euros) teve de ser reforçado
com mais dois milhões de euros. Todo o ferro do tabuleiro superior e
da estrutura de suporte do atravessamento teve de ser substituído.

O tabuleiro inferior (rodoviário e pedonal), que continua sob alçada
da Estradas de Portugal, não teve direito a melhorias substanciais. O
piso continua com problemas e os passeios, demasiado estreitos, põem
em risco a segurança das muitas pessoas que, diariamente, utilizam a
ponte. Como o tabuleiro superior da “Luís I” foi fechada ao trânsito
rodoviário, a Metro do Porto teve de suportar, também, os custos da
construção da alternativa encontrada – a ponte do Infante.

A travessia custou 14 milhões de euros e foi inaugurada em Março de
2003. Da autoria de Adão da Fonseca, tem um prazo de validade de 100
anos. Fonte da Metro admite que os custos actuais com a manutenção,
dado tratar-se de uma ponte recente, são pouco consideráveis. A
empresa não pretende, contudo, manter a responsabilidade sobre uma
ponte que nada tem a ver com a circulação do metro.

https://jn.sapo.pt/2007/02/19/porto/manutencao_pontes_aguarda_decisao_go.html

==========================
2. Um fim-de-semana de olho nas aves

A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves vai promover, nos
próximos dias 24 e 25, duas actividades de observação de espécies
avícolas, a ter lugar no Estuário do Sado e no Parque do Tejo. No
próximo sábado, a saída de campo em Esposende tem por base um
trajecto inicial de automóvel, com pequenos percursos a pé ao longo
das margens do Cavado. Sob orientação do especialista Miguel Cardoso,
os interessados em participar nesta aventura, que não pressupõe
conhecimentos específicos na área da Ornitologia, deverão reunir-se,
pelas 9h30, junto ao Forte de São João Baptista, na cidade de
Esposende, estando previsto o fim das actividades, pelas 17 horas, em
Fão. A actividade não tem qualquer custo para os associados da SPEA,
devendo os outros participantes pagar cinco euros. Os participantes
devem munir-se de farnel e usar roupa e calçado prático, um
impermeável, guia de campo sobre aves, binóculos e/ou telescópio e
máquina fotográfica. O transporte de ida e volta e as deslocações
durante o trajecto ficam a cargo dos participantes.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=c74d97b01eae257e44aa9d5bade97baf&subsec=&id=25de6181785b34690e155e4f89941904

==========================
3. Sobreiro é espécie dominante

O aumento de 1,8 por cento da área florestal em Portugal, de 3349
para 3412 milhões de hectares ao longo dos últimos 10 anos, de que dá
conta o mais recente Inventário Nacional Florestal, apresentado há
dias pela Direcção-Geral de Recursos Florestais, traduziu-se na
prática num aumento de 3,3 pontos percentuais da área de montado de
sobro, de 712,8 para 736 mil hectares, que vem colocar o sobreiro no
primeiro lugar do «ranking» das espécies florestais no nosso país,
ultrapassando o pinheiro, que era até àquele período, a espécie
dominante em Portugal, mas cuja área de ocupação se terá reduzido em
cerca de 28 por cento, de 976 para 710 mil hectares. O eucalipto foi
também uma das espécies a perder representação em termos nacionais,
caindo 3,7 por cento, de 672 para 646 mil hectares de área ocupada.

Da análise dos dados constantes no mais recente Inventário Nacional
Florestal fica a certeza de que o sobreiro não foi uma espécie
afectada pelos incêndios que consumiram grandes áreas de floresta ao
longo dos últimos anos em Portugal. Ao contrário do que seria
inicialmente de prever, o sobreiro resistiu à voracidade das chamas,
enquanto, por outro lado, o pinheiro e o eucalipto, justamente a
segunda e a terceira espécies mais representadas, sofreram
significativamente com o problema do fogo, que teve como resultado a
diminuição das áreas ocupadas por aquelas espécies florestais.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=c74d97b01eae257e44aa9d5bade97baf&subsec=&id=31fe5f7417255d79654ef6369526e8ac

==========================
4. I Encontro Ibérico de Educação Ambiental

Porque muitos professores vêem a Educação Ambiental como uma mera
actividade extracurricular, e parece estar ainda longe a assunção,
por parte da tutela, de que se trata de uma área educativa
prioritária,a Quercus prepara um encontro ibérico sobre aquela
temática.

A primeira edição do Encontro Ibérico de Educação Ambiental, agendada
para os dias 23, 24 e 25 de Março na Escola Superior Agrária de
Coimbra, pretende dar resposta à necessidade de conhecer a actual
realidade do sector em Portugal e em Espanha, em termos locais,
regionais, nacionais e transfronteiriços. Outra intenção da
associação ambientalista passa pela criação e materialização de
projectos de Educação Ambiental que permitam uma valorização contínua
dos professores, para que aqueles profissionais possam assumir de
forma activa e frutífero o papel de transmissores e promotores dos
seus princípios.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=c74d97b01eae257e44aa9d5bade97baf&subsec=&id=49e7a2e8ca5cef7105933f32b0500864

==========================
5. Quioto está em derrapagem

No âmbito da partilha de responsabilidades acordada pelos países-
membros da União Europeia, que no seu conjunto se comprometeu a
reduzir em oito pontos percentuais o volume de emissões de gases de
efeito de estufa entre 1990 e 2008-2012, Portugal foi autorizado,
devido ao seu estado de desenvolvimento, a aumentar até 27 por cento
as suas emissões poluentes naquele período. No entanto, tendo por
base os dados do Programa Nacional para as Alterações Climáticas
relativo a 2006, constata-se que há uma derrapagem média anual de 5,8
toneladas de dióxido de carbono, o que significa, de acordo com a
análise que a associação ambientalista Quercus fez do documento, um
volume de emissões seis por cento superior ao permitido. Nessas
circunstâncias, Portugal será obrigado a pôr em marcha medidas
internas extraordinárias, a coberto do Fundo de Carbono entretanto
criado, e com financiamento previsto de 350 milhões de euros, ou de
recorrer aos mecanismos previstos no Protocolo de Quioto de compra de
emissões.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=c74d97b01eae257e44aa9d5bade97baf&subsec=&id=fa37f4102df3a763c5310c86ce3b5528

==========================
==========================
Para se desligar ou religar veja informações no rodapé da mensagem.

O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
https://groups.yahoo.com/group/pned/

Se quiser consultar os boletins anteriores veja
https://campoaberto.pt/boletimPNED/

==========================
INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

Acima apresentam-se sumários ou resumos de notícias de interesse
urbanístico ou ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal
de Notícias e d’O Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de outros
jornais ou fontes de informação).

Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e
está aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu
âmbito específico são as questões urbanísticas e ambientais do
Noroeste, basicamente entre o Vouga e o Minho.

Selecção hoje feita por Maria Carvalho

=============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

Para difundir mensagens escreva para: pned@yahoogrupos.com.br

Neste grupo não são permitidas mensagens com anexos.

Para assinar a lista envie mensagem sem assunto para: pned-subscribe@yahoogrupos.com.br e com o corpo da mensagem vazio.

Para cancelar a assinatura envie mensagem em que o único texto é “unsubscribe PNED” (sem assunto/subject) para: pned-unsubscribe@yahoogrupos.com.br

Para contactar directamente os coordenadores da lista envie mensagem a: pned-owner@yahoogrupos.com.br

Se quiser informar-se das várias possibilidades para a leitura das suas mensagens ou da forma de alterar os seus dados pessoais, pode consultar:

https://br.groups.yahoo.com/group/pned/

=============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Boletim

Deixar comentário