İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

    por Alexandra Malheiro (in Público -Local 02.07.06)
    «Desde sempre me habituei a chamar de “cidade cinzenta” à minha cidade natal. Caracterizado pelo granito e o nevoeiro, a cor cinza marca o rosto do Porto. Há, porém, uma luz coada pela névoa que é especial, aquecendo e animando os que nela residem. É este o Porto dos meus afectos.

    Nos tempos que correm, esta asserção sobre o cinzento deixou de ser poética, passando a ser factual ou, se metafórica, não se refere à aura da névoa matutina, mas, antes, ao cinzentismo que acometeu a vida desta cidade, fruto da inépcia dos que a governam.


    Agora, a cidade empardeceu de vez, com a sua “sala de visitas”, os Aliados, transformada numa pista mate sem graça e sem verdura, alienada que foi a memória colectiva dos banquinhos vermelhos em torno dos canteiros e das noites de S. João, onde, de costas sobre a relva, se esperava o fogo-de-artifício. A beleza tão invulgar da calçada portuguesa substituída por paralelo! A avenida transformou-se num longo corredor cinzento e inóspito, onde não apetece permanecer, encimada por uma piscina demasiado pequena para saltos e feitos olímpicos e demasiado grande para tanque comunitário (…).
    Tenho esperança de que um ou outro skater mais afoito passe a usar a avenida como pista de treino! (…)
    Junto à câmara, qual reminiscência, permitiram ao Garrett que o debruasse um canteiro e, em vez de uma cascata, neste S. João, ficámos apenas com um santinho pequenino, ele próprio prestes a mergulhar numa piscina minimalista, assim o ajude o vento!

    A avenida é, afinal, o verdadeiro retrato desta cidade de agora, a cidade cinzenta que vê morrer a sua cultura, a cidade que vê partir para a outra margem do Douro desde investimentos de monta ao campo de treinos do clube maior da terra, e se vê ameaçada de até a Feira do Livro mudar de armas e bagagens. Esta cidade que é cada vez mais silêncio, solidão e vazio. É esta cidade que, vergonhosamente, esqueceu o aniversário de morte de Eugénio, o seu maior amante e glosador! Nem um gesto, nem uma linha! Vergonhoso!
    E em não havendo cascata… resta-nos partir para Gaia e ficar de lá a mirar a cidade descendo em socalcos até ao rio. “Ver-te assim abandonada/ nesse timbre pardacento…”»
    Alexandra Malheiro
    Outras opiniões

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    3 comentários até agora.

    1. Anonymous diz:

      –valha-nos a memória ….

      Xálimão

    2. MSoareses diz:

      E que lagrimas me inundam os olhos quando a saudade e a distancia se unem com a desolacao de saber que os nossos lindos Aliados caiiram de de borco sob o “Sinzento” do Siza…como e possivel? Um artista tem direito a ter os seus altos e baixos…quem nao tem direito a impor esses baixos sao os ainda mais baixos (em qualidade) responsaveis por governar esta nossa Invicta. Valha-lhes a vergonha…

    3. Humilde Serva de Clio diz:

      Concordo inteiramente com cada palavra e subscrevo. A remodelação é um crime que ficou impune. Quem o paga é a cidade que ficou mais triste, mais descaracterizada, mais pobre. São os cidadãos. Lamentável e revoltante.
      Saudações de uma portuense

    Deixar comentário