İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    « Heritage is our legacy from the past, what we live with today, and what we pass on to future generations.» (in UNESCO/WHC )

    A propósito dos 10 anos da Classificação do Centro Histórico do Porto -Património Mundial*

    ……………………………………………………………………………………………………………………………

    A zona abrangida pela Avenida dos Aliados/ Praça da Liberdade encontra-se dentro da área de protecção mas não dentro da área classificada (ver). Refira-se no entanto, e por curiosidade, que o relatório do WHC ‘s Advisory Body Evaluation indicado no site Historic Centre of Oporto – UNESCO World Heritage Centre menciona “the 18th century Praça da Liberdade with its fine gardens” (?!).

    *Links: AMP – Porto Património Mundial ; Patrimonio mundial (O Destino-Porto, CMP) ; Porto- Património Mundial (Portugal virtual); Porto Património Mundial (Porto em Fotografia – António Amen); Porto-Wikipédia

    Nos media: rtp (22.06); Reportagen TSF (24.06); n’ O Primeiro de Janeiro (25.06); no JN (25.06);

    Outras Frases

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Um comentário até agora.

    1. Aliados diz:

      No Público -Local
      «Dez perguntas para dez anos
      INDAGAÇÕES Rui Moreira

      Este ano, a Câmara Municipal do Porto encomendou uma magnífica e original cascata de São João em mosaico vegetal, com flores e plantas provenientes do Horto Municipal. Não será, ainda assim, paradoxal que na primeira grande realização após a polémica obra na Praça e nos Aliados se restitua, ainda que de forma efémera, aquilo que se lhe retirou?

      Espero que as árvores cresçam depressa e frondosas e que surjam as esplanadas para que a praça se anime. Porque nada é eterno e as modas passam, será que um dia, um brilhante arquitecto e um futuro presidente da câmara resolverão voltar a colori-la?

      Entretanto, passamos a dispor de uma praça ampla e empedrada, onde antes havia canteiros recortados. Pensei que a nova morfologia ia ser aproveitada para eventos que, por uma razão ou outra, fugiram para outras paragens. Não sou apreciador de desfiles militares, mas admiti que estando a praça pronta a tempo das celebrações do 10 de Junho no Porto, estes se realizassem no centro. Afinal a Foz foi mais uma vez o palco escolhido para acolher a parada, que ficará na memória pelo colapso fumegante do velho tanque, bem junto ao palanque das autoridades. Não será que a praça, agora aplanada em terreiro, era o cenário mais propício para estes exercícios?

      Nas mesmas avenidas junto ao mar, decorreram este mês as Corridas das Festas da Cidade do Porto. Na véspera, realizara-se por lá um “Passeio dos Avós”. Não será que, a exemplo da corrida de São Silvestre, se deveriam realizar todas estas provas populares no centro da cidade?

      Também na praia, encaixado entre o Castelo do Queijo e o apodrecido edifício da STCP que foi colégio e que ia ser discoteca, à vista dessa anedota transparente que continua por implodir ou animar, a CMP instalou um estádio improvisado, com um ecrã gigante, para se comemorarem os feitos da nossa selecção. Diz-se que já lá estiveram 8000 espectadores num só dia. Ouvi as queixas dos bares da Ribeira, que não compreendem por que é que a sua zona foi esquecida. Não será que, atendendo ao interesse turístico, à profusão de bares e restaurantes, à proximidade do rio, ao magnífico cenário, se deveria ter apostado (ou apostado também) na Ribeira e no centro histórico?

      A Foz tem atractivos naturais. Tem a proximidade do Parque da Cidade, onde se respira o verde e se miram os patos e os cisnes enquanto a gripe não os vitima, tem as praias e os seus bares para todos os gostos, tem o calçadão onde os portugueses patinam, pedalam, correm ou caminham, onde se enchem os pulmões de ar saudável e se esvaziam as gorduras pelos poros. Mas também tem residentes, que não merecem o sacrifício permanente de não poderem sair de casa sempre, e são muitas vezes, que a autarquia os bloqueia com os seus eventos. Não será que estes portuenses também têm direito ao sossego, a passarem o fim-de-semana sem algazarras?

      Reanimar a Baixa e o centro histórico não é obra fácil, porque as cidades são, para os humanos, o que os ecossistemas são para a natureza. Crescem e prosperam através do metabolismo de vários factores, e escondem o stress até entrarem em declínio rápido pela interacção de múltiplos e invisíveis agentes. Não será, contudo, que uma autarquia pode e deve contrariar do êxodo da população, utilizando para isso todos os instrumentos ao seu dispor?

      Não duvido do empenho de Rui Rio. A criação da SRU comprova essa sua vontade férrea, que também corresponde a uma promessa eleitoral que convenceu os portuenses, depois da barafunda da Porto 2001. Não será, contudo, que há uma contradição evidente entre as juras aos comerciantes e a política que tem sido seguida, anos após ano, pela autarquia?

      Este é o fim-de-semana do São João. A nossa festa, que continua viva, popular, única. Ano após ano, contudo, vai-se dispersando e afastando dos seus palcos tradicionais. Será que um dia voltaremos a ter as fogueiras nos Lóios e as enchentes nas Fontainhas?

      Há dez anos, o centro histórico foi classificado como património mundial da humanidade. Depois do grande empenho em conseguir tal galardão, o entusiasmo esmoreceu. Não terá sido, afinal, mais uma daquelas tristes e tardias condecorações a título póstumo em que somos pródigos? »

    Deixar comentário