İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    Excerto do artigo de João Pereira Coutinho, “Sobre arquitectos e Modernistas…etc” (Speakeasy), in Atlântico nº15, Junho 2006, a propósito do artigo de Miguel Sousa Tavares sobre Siza em Madrid .

    Pois…”percebe-se” que não passe pela cabeça do arquitecto que o projecto (para Madrid) e a apreciação do júri pudessem estar errados.
    No caso das “nossas” Avenida dos Aliados e Praça da Liberdade –nem concurso, nem júri, e muito menos discussão pública!
    Serão os ‘arquitectos estrelas’ os únicos culpados? De modo algum: os principais responsáveis são até talvez os que de ‘mão beijada’ permitiram que isso acontecesse. Ou melhor que isso continue a acontecer, em conivência passiva e comungante com a“natureza potencialmente autoritária da arquitectura moderna” .
    E no nosso entender, atropelando a lei, menosprezando os apelos dos cidadãos, funcionando de um modo inadequado e escandalosamente autocrático.

    Nota:
    Gostava de poder publicar o artigo em questão na íntegra. Trata-se de uma análise interessante sobre a diferença essencial entre artes como a literatura e a pintura – que podemos livremente usufruir ou ignorar, e a arquitectura- expressão artística com uma função colectiva, a que não nos podemos furtar. Daí, por mais vezes do que as desejáveis, a sensação de imposição agressiva, de autoritarismo que origina: «Mas a arquitectura é por definição inescapável: ela impõe-se indiferentemente como realidade colectiva. A natureza potencialmente autoritária da arquitectura moderna, que horroriza Sousa Tavares , e com razão, parte dessa confusão primeva entre expressões artísticas distintas.» (id.)

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    2 comentários até agora.

    1. Manuela D.L.Ramos diz:

      Já tenho autorização para reproduzir parte do artigo que interessa na íntegra… Mas ainda nao tive tempo. fica para breve.

    2. Anonymous diz:

      Lá por ser bom arquitecto, não quer dizer que seja bom urbanista/designer urbano….São escalas diferentes, propósitos diferentes, intenções diferentes. Pena que nem ele perceba isso (mas o dinheiro deve dar-lhe muito jeitinho, não é!!).

    Deixar comentário