İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    «Incontestado em Portugal, o mais célebre arquitecto nacional encontrou em Madrid uma oposição que não esperaria. A baronesa Thyssen agarrada a uma árvore passou a ser um ícone da reforma, dita “arvoricida”, que propõe para o Paseo del Prado.
    Até hoje, o professor tem projectado sem críticas públicas, embora, nalguns casos, com lamentos privados. A partir de agora, mesmo que seja verdade (como diz) que há motivações pessoais, políticas e profissionais por trás da contestação, Siza perdeu o estatuto de inatacável. Ver-se-á o reflexo em Portugal.»
    No Expresso (edição semanal – de 13 de Maio)

    Assim se faz Jornalismo em Portugal: tudo muito bem documentado e fundamentado!
    Senhor(a) Jornalista (on line sem id.) não costuma (ao menos) pesquisar na Internet?

    Parece que não, pois caso contrário, conheceria o movimento de contestação à “requalificação” dos Aliados e da Praça da Liberdade aqui no Porto; e teria, quem sabe- dado conta das manifestações de desagrado “pelo conceito” expresso na requalificação das marginais de Leça da Palmeira e de Vila do Conde, lido sobre o desconforto provocado pelo parque da estacionamento da Mumadona em Guimarães , e até eventualmente ouvido falar das “torres” projectadas para Alcântara (ver: aqui, aqui, aqui…)

    Adenda:
    Marginal de Leça da Palmeira ; Blogosfera Vilacondense debaixo de fogo ; Vivam todos os Speaker’s corners do Sinzentismo

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    7 comentários até agora.

    1. Anonymous diz:

      Ignorância, Manuela, santa ignorância! Para esses jornalistas de meia tigela, Portugal resume-se a Lisboa. Frequentam um meio político de meia tigela que também assim pensa e a quem o Norte interessa unicamente para lhes encher a barriga e os bolsos. Sempre, ou quase sempre assim foi, e continua a ser. Andam ao par do que se passa em Espanha e ignoram o que se passa em casa. Seria incrível… se não fosse em Portugal. Que tristeza e que raiva.

      Obrigada por continuar a manter este blogue.

      M.R.L.

    2. bettips diz:

      Pois é, o Espesso é lá da Lisboa e gosta de separar águas! E a baronesa (Deus a guarde) disse mais coisas bonitas sobre ecologia. Mas como não veio na “Caras” …Aqui para o Norte é só nevoeiro, é ver o FCP …

    3. Anonymous diz:

      Caros,
      não se esqueçam que para a mentalidade provinciana do poder lisbonense – eu disse do poder, não dos lisboetas – Portugal começa no Terreiro do Paço e acaba na CREL, com uma extensão de território composta por uma estreita faixa litoral, no Sul da Península Ibérica, a que chamam “praias do Algarve”. Esta faixa está ligada ao país lisbonense por uma tira asfaltada, que atravessa um território inóspito conhecido por montes alentejanos.
      O resto é… uma colónia habitada por um povo estranho que tem como principal função o pagamento de impostos sobre o trabalho, para sustentar os vícios dos cortesãos lisbonenses.

    4. Manueladlramos diz:

      Hoje no JN: crónica de José Carmo
      Obras mal amadas?

    5. Manuela D.L Ramos diz:

      A crónica referida é da autoria de Manuel Correia Fernandes. Jose Carmos é autor da foto.

    6. Manuela D.L. Ramos diz:

      No JN de 1º de Novembro de 2005 «O parque da Mumadona
      Não fosse Siza o autor daquela desfeiada praça e já os clamores teriam surgido…

      O parque da Mumadona é um dos desenhos mais feios e mais desencontrados de todas as recuperações que se fizeram em Guimarães

      por Francisco Teixeira doutor em filosofia

      O parque da Mumadona
      e já os clamores teriam surgido o autor daquela desfeiada praça Não fosse Siza lisa soares

      O parque da Mumadona é um dos desenhos mais feios e mais desencontrados de todas as recuperações que se fizeram em Guimarães

      Se já não chegasse ao parque de estacionamento da Mumadona o ter sido inaugurado antes de o ser, de continuar em trabalhos até hoje e de se constituir uma das obras mais caras de sempre de Guimarães (164 lugares de estacionamento pela módica quantia de dois milhões de euros, o que dá sensivelmente 2500 por lugar de estacionamento, para servir, no essencial, os funcionários da Câmara e do Tribunal!), ainda tem, agora (e para sempre?) a desdita de aparecer como um dos desenhos mais feios e mais desencontrados de todas as recuperações que já se fizeram em Guimarães.

      Os argumentos para mostrar a fealdade da obra são por de mais evidentes. Antes de tudo o mais é feia a esfericidade apertada e opaca dos muros interiores e exteriores da praça, que entravam a sua visibilidade e transparência, outrora aberta e livre. No entanto, o mais evidentemente feio de todo o desenho são os próprios muros e o granito quase polido que os constituiu, segundo uma textura estranha à envolvente granítica antiga.

      Não, claro, que se pudesse evitar o ar novo e deslocado de materiais novos. De qualquer modo, sempre seria de esperar alguma congruência entre o que está e o que passa a estar, com particular realce para as texturas do Palácio da Justiça, da Muralha e dos Paços dos Duques de Bragança.

      Pelo contrário, aquilo a que se assiste é a uma opção por um granito luzidio e suave (que não parece da região), contrastando com os pisos e as paredes que envolvem e configuram a praça, fazendo lembrar o pior da arquitectura de “emigrantes”. Claro que sei que a obra é de Siza Vieira. Mas isso só acentua a má obra e a falta de cuidado. Siza, obviamente, podia e devia fazer muito melhor.

    7. Manuela D.L.Ramos diz:

      No JN de 13 de Novembro de 2006 « PARQUE DA MUMADONA
      Parque vai fechar à noite
      Parque subterrâneo da Mumadona foi desenhado por Siza Vieira

      É um verdadeiro “abre e fecha”.
      O parque de estacionamento da Mumadona, junto ao Tribunal Judicial de Guimarães, não volta a funcionar à noite, durante o fim-de-semana.
      A experiência implementada pela Câmara para pôr cobro ao estacionamento fora da lei, revelou-se um fiasco.

      “Num mês de funcionamento à noite, o parque registou dez aparcamentos e a Câmara gastou 900 euros com seguranças”, revelou o presidente da Câmara. “Não é possível continuar assim e, por isso, fechou-se o parque”, adiantou António Magalhães.

      Isso não significa, avisou o autarca, que a vigilância dos agentes da Polícia Municipal sobre o estacionamento indevido vai afrouxar. O combate contra a anarquia do aparcamento à superfície vai continuar.

      O parque projectado pelo arquitecto Siza Vieira, inaugurado há cerca de um ano, é pouco procurado pelos automobilistas que, à noite, demandam ao centro histórico. Perante a frequência do estacionamento em lugares não permitidos, à superfície, a Câmara decidiu abrir o parque até às três da manhã, ao fim-de-semana.

      “Aconteceu o mesmo ao parque do estádio D. Afonso Henriques”, recordou o vereador Rui Vítor Costa, do PSD. Por falta de utilizadores (excepção feita aos dias de jogos da equipa do Vitória de Guimarães), e para poupar na despesa com pessoal, a Câmara decidiu fechá-lo.
      Para Costa, “fechar não é solução”, mas sim “rever preços”. Para o presidente da Câmara, estes factos arrasam as pressões da oposição para a criação de parques pagos, apresentados como salvação do comércio da cidade. O autarca confessou que o projecto inicial do parque da Mumadona apontava para 400 lugares, através do aproveitamento dos terrenos de duas vivendas perto do Tribunal. “Ainda bem que o IPPAR não autorizou e o parque ficou com 170 lugares”, desabafou.

      Mesmo assim, a Câmara está a estudar um novo parque subterrâneo no Toural, no âmbito do projecto de reabilitação daquele largo. “Não terá os problemas dos da Mumadona e do Estádio”, na expectativa do autarca. A autarquia, contudo, admite estudar parcerias com entidades privadas para a gestão dos parques.

      170 lugares de estacionamento, tem o parque da Mumadona.

      10´estacionamento Registaram-se nas noites do último mês.

    Deixar comentário