İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

    No Público – edição impressa Local- Porto
    «Não foi pela quantidade de pessoas que se juntaram (não mais do que 30), nem pela presença de notáveis como o cantor Rui Reininho ou o arquitecto Fernando Lanhas. A manifestação de protesto contra a intervenção no conjunto urbano composto pela Avenida dos Aliados e pela Praça da Liberdade ficou na retina pelo facto de ter mostrado que ainda há gente que se mobiliza por causas.
    Como o próprio Presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, foi obrigado a reconhecer, nenhum dos manifestantes ganhou um tostão por estar ali. E nenhum tinha interesses particulares a defender. Fizeram-no pela ideia de defesa de um património colectivo. Porque acham que, por mais prestigiantes que sejam os nomes dos arquitectos responsáveis pela intervenção proposta (Siza Vieira e Souto Moura), não têm o direito de transfigurar radicalmente um património que está inscrito na memória dos portuenses, sem que os mesmos portuenses tenham sido consultados. Os mesmos, afinal, que, juntamente com a calçada à portuguesa e os canteiros centrais, ajudaram a escrever a história da cidade. N.F.»

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    6 comentários até agora.

    1. a.rita diz:

      tenho lido mt sobre este assunto e quanto mais leio e penso tenho a vontade enorme de juntar todos o portuenses que ñ apoiam esta causa(a maioria por sinal)e revoltar-nos contra a tremenda estupidez que vai ser feita.
      tenho é algumas dúvidas se alguem me souber responder agradeço:
      sera possivel haver outra manifestaçao?
      e como se pede autorizaçao para?
      sao algumas duvidas exestenciais de alguem que adoraria lutar por um porto melhor sem rui rio e com a avenida dos aliados «invicta.

    2. manueladlramos diz:

      «…juntar todos o portuenses que ñ apoiam esta causa(a maioria por sinal)…»
      Estive a reler o seu comentário nomeadamente esta parte e gostava de esclarecer qual é a sua opinião:a a. rita considera que a maioria dos portueneses apoiam esta causa ou não a apoiam?

      A minha opinião é que a maioria dos portueneses apoiam esta causa e estão contra o facto de a pretexto do alargamento dos passeios NA PARTE SUPERIOR da avenida dos Aliados por causa das entradas para a estação do Metro , se avançar com um projecto “uniformizador” de 4.8 milhoes de euros que vai destruir o resto da Avenida e inclusivé a Praça da Liberdade (conjunto que estava em vias de classificação desde 1993!).
      O facto das pessoas não se mobilizarem pelas causas não significam que estejam contra elas e repare que esta causa desde o início já mobilizou muita gente.

      A minha opinião é que a maioria dos portuenses tem orgulho na sua cidade, compreende a importância de se valorizar o que a distuingue das outras e gostaria de ver a Avenida e a Praça, mais acarinhadas, conservadas, dinamizadas; gostaria de ver a zona (que destruiram e que já não usufruem há quase quatro anos)onde se fizeram as obras da estação, reposta dentro do possível e até melhorada; gostaria que na Avenida dos Aliados e na Praça os autocarros não estacionassem em fila, em compasso de espera, que houvesse menos trânsito e mais espaço pedonal; gostaria de ver mais limpeza, mais animação, mais apoio ao turismo! etc.
      A minha opinião é que a maioria dos portuenses está contra esta maneira de se (re)fazer e modernizar a cidade: sim à marca da contemporaneidade mas não à sua imposição em zonas com o seu cariz próprio!

    3. manueladlramos diz:

      Como já aqui se explicou o que fizemos não foi bem uma manifestação (não se convocam manifestações com 4 dias de antecedência…), mas uma reunião, uma concentração para publicitarmos todos os passos entretanto já dados em defesa deste espaço e dos nossos direitos como cidadãos e protestarmos contra a falta de diálogo dos responsáveis da obra (ler comunicado à imprensa), e lamentarmos a morosidade das resposta por parte das entidades oficiais a que nos dirigimos; e fizemo-lo publica e simbolicamente no proprio local que querem descaracterizar.
      Quanto às suas perguntas:
      1-“sera possivel haver outra manifestaçao?” Claro que é possível (e até desejável)! Houve pessoas que até sugeriram que nos devíamos reunir no local todos os sábados para protestar!!!
      2- “e como se pede autorizaçao ?” Basta pedir autorização ao Governo Civil: uma carta assinada por três pessoas imformando da data e do local e do objectivo do evento com pelo menos 48 horas de antecedência.

    4. a.rita diz:

      muito obrigado pelos escarecimentos,(e referia-me aos portuenses que não apoiam a destruição da avenida dos aliados).Saberam então notícias em breve pois também contamos com os leitores deste e de outros blogs para comparecerem numa manifestação próxima.

    5. Pedro Martins Barata diz:

      Lisboeta de todos os costados, queria apenas dizer a todos os que apoiam esta causa que ha Aliados a Sul, silenciosos que por vezes estejam.

    6. Anonymous diz:

      Não sei porque continuam a afirmar que foram apenas 30 as pessoas que estiveram nesta reunião quando no próprio Publico- em notícia de última hora se escreveu que estiveram cerca de 200 pessoas, como se pode ler aqui:
      «Última Hora – Local – Grande Porto 2005-11-12 – 17h08:00
      Manifestação para contestar criação de pavimento em lajes de granito cinzento
      Porto: duzentas pessoas em protesto contra requalificação da Avenida dos Aliados
      Pelo menos duzentas pessoas protestaram hoje contra o projecto de requalificação da Avenida dos Aliados, no Porto, da autoria dos arquitectos Álvaro Siza Vieira e Eduardo Souto Moura, a cargo da Metro do Porto.

      Organizada pelas associações ambientalistas Campo Aberto, APRIL e ARPPA e por grupos de cidadãos que intervêm na Internet através de blogues e grupos de discussão, em defesa da preservação da identidade do Porto, a manifestação decorreu na Praça da Liberdade e Avenida dos Aliados para reclamar que o projecto não seja executado como está previsto.

      Os manifestantes, entre estes o músico Rui Reininho, o geógrafo Rio Fernandes e o arquitecto Fernando Lanhas, opõem-se à eliminação dos canteiros e da calçada portuguesa, em calcário branco e preto, e à sua substituição por uma fonte e por um pavimento em lajes de granito cinzento.

      Paulo Araújo, da Campo Aberto, considera que o objectivo do projecto foi demonstrar à Câmara e à Metro do Porto a indignação dos portuenses e exigir o respeito pela legislação, que obriga a abertura de uma discussão pública.

      O ambientalista recordou que já quase sete mil pessoas subscreveram abaixo-assinados contra o projecto de requalificação da Avenida dos Aliados e Praça da Liberdade. “Pode haver até quem goste, mas vai ficar pior, porque ficará uma praça pouco convidativa para que as pessoas lá circulem”, defendeu Paulo Araújo, salientando que a praça central vai ficar mais pequena e o trânsito mais ruidoso, com a substituição do alcatrão pelo paralelepípedo.

      Para os manifestantes, houve por parte dos dois conceituados arquitectos da chamada “Escola do Porto” uma “grande falta de humildade e uma tentativa de impor uma estética pessoal à cidade”.

      O ambientalista alertou para o facto de o granito reter muito mais o calor do que o calcário, o que fará com que, no Verão, as pessoas se afastem da praça, onde já não terão também a frescura da relva e das flores dos antigos canteiros.

      O início das obras, a cargo da Metro do Porto, está previsto para os próximos dias, devendo prolongar-se por cinco meses e custar cerca de 4,8 milhões de euros.

      Ao contrário do que Siza Vieira inicialmente projectou, a estátua equestre de D. Pedro IV vai manter-se na mesma posição, no centro da Praça da Liberdade, estando prevista a transferência da calçada portuguesa para a Rua Sampaio Bruno.»

    Deixar comentário