İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

    Pesquisando mais uma vez nos jornais o (pouco) que se tem escrito sobre a Avenida e a Praça e o que lá tem vindo a ser “burilado” encontrei esta passagem de uma entrevista a Beatriz Pacheco Pereira (que sobre o assunto já aliás tinha expresso veementemente a sua opinião num artigo aqui aqui transcrito).

    «Para além de fazer o retrato do país, escreve (nestas 67 crónicas) sobre a cidade do Porto, sobre “os que a amam e os que a detestam, fingindo amá-la”. De que lado é que está?
    Eu estou do lado dos que a amam e detesto os que a detestam. [risos]

    Na crónica a que deu o título «O Bairrismo dos Provincianos», fala, a determinada altura, do “estilo português de ser do contra”. As suas crónicas, sendo raramente a favor, também se inserem neste estilo?
    Sim, eu acho que a unanimidade é uma coisa muito inerte. Não tem vida. O ser do contra é muito fácil, no meu caso, porque eu tenho visto tanta asneira, nos últimos anos, em relação à cidade do Porto! A começar por uma coisa recentíssima: anuncia-se a requalificação da Avenida dos Aliados e não há um coro de pessoas que diga que isto é uma vergonha, que lá por ser do Siza Vieira ou do Souto Moura não pode avançar.
    Não se pode modernizar o solo e dizer que depois a cidade fica mais bonita. E vão acabar com valores que são nossos: a calçada portuguesa, os jardins. Nós temos jardineiros que fazem aqueles desenhos muito intrincados nos canteiros. Ia-se a pé à Baixa, passava-se pelos canteiros, e via-se desenhos lindíssimos. O que é que nós vamos fazer àqueles artistas que concebiam aqueles canteiros? Vamos pô-los a jardinar no Parque da Cidade, onde pouca gente aprecia…
    Mas as nossas artes vulgares, até mais populares e mais humildes, são valores da nossa cultura que o Porto não pode perder. Sou visceralmente contra o arranjo que está proposto para a Avenida dos Aliados, como sou visceralmente contra o que fizeram ao jardim da Cordoaria ou à Praça dos Leões.»


    in Entrevista a Beatriz Pacheco Pereira a propósito de lançamento do seu novo livro de crónicas: Do Porto e do Olhar [Fólio edições] in O Primeiro de Janeiro (31 de Julho 2005)

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Um comentário até agora.

    1. Alexandre Borges Gomes diz:

      Ha, Beatriz, Manuela, música para os meus ouvidos… Mas será assim tão difícil de ver?
      Bem hajam,
      Alexandre BG.

    Deixar comentário