İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

    No Público- local por Nuno Corvacho
    «A intervenção prendeu-se, para já, com o alargamento dos passeios e a colocação de um piso de granito
    Os arranjos à superfície efectuados na Avenida dos Aliados, na sequência da instalação da linha subterrânea de metro, já foram feitos de acordo com o polémico projecto de Siza Vieira e Souto Moura
    [ ao contrário do que afirmou Oliveira Marques*]. É certo que está apenas em causa o alargamento dos passeios donde partem os acessos à estação de metro e a colocação de um piso especial de granito; outras mudanças passaram apenas pela reposição das condições normais de circulação do trânsito automóvel. No entanto, a intervenção foi feita já no pressuposto de que o resto da praça virá a obedecer à mesma matriz.

    Recorde-se que os dois projectistas idealizaram um espaço em que a velha calçada portuguesa será substituída por granito escuro e os canteiros da faixa central darão lugar a um terreiro com árvores. A intervenção é defendida pela câmara e pela empresa Metro do Porto como corolário do novo arranjo urbanístico para o local, mas suscitou já um abaixo-assinado de 6200 cidadãos (enviado nomeadamente para a câmara e para a Assembleia da República) a criticarem algumas características do projecto e sobretudo a queixarem-se da ausência de discussão pública.
    Anteontem, o assunto foi apreciado pela Comissão Parlamentar de Educação, Ciência e Cultura, tendo na ocasião o presidente do Instituto Português do Património Arquitectónico (Ippar), João Rodeia, elogiado o projecto de Siza e Souto Moura, o qual, de resto, já recebeu parecer positivo daquele instituto em Junho último.
    Na mesma sessão, o presidente da Comissão Executiva da Metro do Porto, Oliveira Marques, admitiu a possibilidade de o estudo de impacte ambiental (EIA) não vir a ser cumprido na íntegra. Para esta situação, recorde-se, continua a valer o EIA respeitante ao impacte geral da rede do metro e que foi elaborado no final da década de 90, antes sequer de haver obras no terreno. Esse documento determinava que na construção das estações se procurasse preservar “tanto quanto possível” o espaço preexistente à superfície. No entanto, não é essa claramente a intenção dos responsáveis públicos neste caso, pois já foi anunciado o objectivo de mudar os Aliados de alto a baixo. E, ao que o PÚBLICO soube, não foi elaborado nenhum estudo de impacte ambiental especificamente para esta zona da cidade.»

    A propósito ler: Comentário e Leis & castigos
    [ *]- adenda

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Um comentário até agora.

    1. Teófilo M. diz:

      Bem, pelo menos os jornais já começam a bulir…

    Deixar comentário