İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

    Na parte final do debate do passado dia 23, no auditório do ISEP , aos candidatos à presidência da CMP presentes (BE e CDU) e ao eng. Diogo Alpendurada (que representava a coligação encabeçada por Rui Rio) foram colocadas algumas perguntas feitas pela assistência. A “requalificação” da Avenida dos Aliados/ Praça da Liberdade foi justamente, e como não poderia deixar de ser, o tema de algumas das perguntas.
    Tenciono transcrever na íntegra a resposta dos intervenientes na sessão e começo por João Teixeira Lopes que também foi o primeiro a responder. Foi utilizado um pequeno aparelho de gravação de amador(a) e por vezes não se entende bem o que é pronunciado, o que na transcrição é assinalado por [?]. Chama-se a atenção para o facto de se tratar de (uma transcrição de) um discurso oral com as características que lhe são inerentes.

    O que dizem os candidatos: João Teixeira Lopes
    «As perguntas sobre os Aliados… é difícil, de modo que vou passar a elas precisamente por isso.
    Eu não quero fazer juizos de valor estéticos sobre o projecto. Quero dizer todavia que é um exemplo pela negativa do que não deve ser um processo urbanístico, isto é, o facto de não ter havido qualquer tipo de participação cívica, cidadã, ou enfim só ter havido depois do facto consumado, tal como aliás durante o PDM é muitíssimo [?].
    A Metro tomou aí uma decisão de puro autoritarismo que se liga a outras decisões que, como agora é sabido, estão agora a ser investigadas pela própria Procuradoria Geral da República.

    O Metro do Porto tem sido utilizado para fins partidários. É absolutamente lamentável que assim seja mas é verdade. E neste caso da Avenida dos Aliados, a lógica de facto consumado, venceu a lógica da participação cidadã, cívica.
    E eu não aceito também que utilizem os arquitectos-deuses como argumento final. Isto é, parece-me que tem de acabar esse estratagema de todas as câmaras, seja qual for a sua cor política, contratarem 3 ou 4 arquitectos, todos sabemos quem são, para a partir daí se criar uma espécie de divindade e de aura, enfim, aura transcendente que pura e simplesmente deve aplacar todas as críticas, deve aplacar todos os processos de discussão.Confesso que isso tem mesmo que acabar. Porque obviamente esses arquitectos também fazem o seu negócio e são cúmplices também da falta de participação que existe. E alguns deles tem um passado, designadmente o SAAl, que lhes deveria exigir que a participação nos seus projectos fosse essencial.
    Por isso mesmo acho que é possível no projecto dos Aliados haver algumas alterações, designadamente …
    É óbvio que não vou ser demagógico ao ponto de dizer que o projecto, no ponto em que se está
    , iria, enfim ser demolido. É impossível! É a mesma questão do shopping do Bom Sucesso: fazer implodir aquilo agora [?].
    Não vou ser demagogo a ponto de dizer isso, não, não é possível.
    Mas é possível reduzir [?] , designadamente no aumento da zona pedonal, designadamente na garantia que vai haver aproveitamento do espaço público, que não vai ser um espaço público como na Maia, que é fantasmagórico, que é meramente para o transeunte passar, que não tem recantos de sociabilidade absolutamente nenhuns, que é praça seca, praça morta…
    E que por conseguinte haverá aí recantos de sociabilidade e haverá aí também maior arborização. Isso é possível fazer e defenderei que se faça.»

    (publica-se logo que haja disponibilidade a transcrição do que disseram Rui Sá , e também Diogo Alpendurada)

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Deixar comentário