İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    por Andrea Cunha Freitas (no Público Local de hoje)

    «O instituto aprovou a obra de “inserção urbana” quando esta já estava em curso
    O facto de persistirem ainda “diversos atravessamentos perpendiculares” ou a opção de substituição do calcário por granito nos passeios são algumas das soluções previstas na obra de renovação urbana da Avenida dos Aliados que o Instituto Português do Património Arquitectónico (Ippar) questiona no parecer favorável à intervenção.

    As reservas expressas pelo instituto não justificaram, no entanto, o chumbo do projecto de Siza Vieira e Souto Moura. De acordo com o parecer do Ippar, divulgado ontem pelo movimento que contesta a intervenção, em https://avenida-dos-aliados-porto.blogspot.com , a chegada do metro e a construção de uma estação na Avenida dos Aliados “criou, em boa hora, a oportunidade de ser reequacionado todo o arranjo urbanístico deste espaços que se encontram degradados, seja do ponto de vista urbanísitico, seja do ponto de vista da sua utilização social”.
    O texto, assinado pelo chefe de Divisão de Salvaguarda, Miguel Rodrigues, refere também que a proposta de Siza Vieira e Souto Moura “pretende resolver alguns dos problemas observados, através do reforço do carácter da alameda do conjunto Praça da Liberdade-Avenida dos Aliados”. No entanto, e apesar do reconhecido esforço em impor nesta área uma “maior qualidade, homogeneidade e coerência”, o Ippar nota que “ainda permanecem diversos atravessamentos perpendiculares à avenida que poderiam, eventualmente, ser evitados”.
    Quanto à substituição do calcário por granito nos passseios, o parecer enumera uma série de possíveis inconvenientes, mas acaba por ceder e aceitar a opção. Assim, o Ippar admite que esta proposta para a calçada não é “obviamente uma solução pacífica” e considera ainda que “constitui, efectivamente, motivo de reflexão, já que a sua utilização confere aos espaços uma luminosidade que agora se vai alterar radicalmente, devendo, portanto, ser devidamente equacionada”. “Consiste, no entanto, numa opção de base dos projectistas, indispensável à coerência do presente projecto e que portante se julga ser de aceitar”.
    Apesar de apenas ter sido enviado o projecto de execução referente à primeira fase da intervenção (entre os passeios norte-nascente e norte-ponte da avenida), e isto já quando a obra estava em andamento, o Ippar adianta que a análise “assenta na globalidade do projecto”, dado já ter conhecimento do Estudo Prévio. »

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Deixar comentário