İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    Uma notícia que (infelizmente) me passou despercebida!
    Creio que em O Primeiro de Janeiro de 2 de Setembro (por Eduarda Vasconcelos )
    «O processo de requalificação da Avenida dos Aliados, um investimento de 4,8 milhões de euros, já está em marcha. A adjudicação da empreitada foi aprovada durante o mês de Agosto e sabe-se já que os trabalhos irão prolongar-se por cerca de 150 dias.

    O Conselho de Administração da Metro do Porto autorizou, em reunião ocorrida no passado dia 17, a adjudicação das obras de requalificação da Av. dos Aliados. A entrega da empreitada à construtora escolhida estava prevista para esta semana, sendo certo que os trabalhos começarão imediatamente após este acto.
    A proposta levada a reunião foi a mais barata, conforme revelou o presidente da Comissão Executiva, representando um investimento na ordem dos 4,8 milhões de euros. Oliveira Marques considera a empreitada como “delicada” e assume-se como o “culpado” pelo atraso no arranque. A justificação para a falta de progresso reside muito simplesmente no facto de ter sido repetido o concurso público. Numa primeira fase candidataram-se 23 empreiteiros e desses foram escolhidos 6/7 que tiveram de apresentar um orçamento de preço e prazo. A proposta mais barata foi de 6 milhões de euros. “Achamos o preço demasiado elevado”, explicou o professor, revelando que por sua instrução directa, sem consulta do Conselho de Administração, foi repetido o concurso, repescando-se todos os 23 construtores. Quando consultados na íntegra, houve um que acedeu a realizar a intervenção por 4,8 milhões de euros, poupando assim a Metro do Porto 1,2 milhões: “Atrasou um mês, mês e meio. Paciência”, considerou. “Nada teve a ver com câmara municipal nenhuma, nem com qualquer tipo de politização”, assegurou, sustentando que “ao contrário do que o que querem fazer parecer haver eleições nunca foi critério para calendarizar ou descalendarizar obras e inaugurações do Metro”. “Eu sou o responsável pelo atraso”, insistiu.
    As obras no coração da cidade do Porto deverão estar concluídas em 150 dias, se respeitados os termos da adjudicação.
    O projecto é da autoria dos arquitectos Siza Vieira e Souto Moura. (…)

    A obra já colheu o parecer favorável do Instituto Português do Património Arquitectónico, apesar de várias contestações ao projecto por parte de associações ambientais e outras ligadas ao património. (…).»

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Um comentário até agora.

    1. manueladlramos diz:

      “Nada teve a ver com câmara municipal nenhuma, nem com qualquer tipo de politização”; nem com mais nada?
      É pena. Pois devia ter. Isso só mostra o completo alheamento da vontade dos portuenses (não digo todos, claro….)
      Devia ter com a infracção das leis, com ” REL=”nofollow”> a comissão de avaliação do Ministério do Ambiente , ” REL=”nofollow”>com o Manifesto dos cidadãos e as mais de 5000 assinaturas recolhidas . E não nos venha o Sr. Oliveira Marques falar de “politização”, como se neste caso isso não tivesse acontecido desde o início e de modo mais gritante quando foi sobranceiramente ignorada a vontade (diga-se de passagem bastante frouxa) da Assembleia Municipal para que houvesse discussão pública do projecto.
      (E atenção não confundir discussão pública com a apresentação que os autores do projecto fizeram mais tarde na Assembleia Municipal, nem sequer se dignando ficar para a parte final da sessão).

    Deixar comentário