İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    por Manuel Correia Fernandes -arquitecto e professor catedrático da FAUP
    (in Jornal de Notícias 2 de Setembro 2005)
    «Localização ou colocação dos equídeos deu em ser assunto do dia
    Cavalos. Não abundam na cidade, ao contrário de outras alimárias. Claro que estou a falar de estátuas equestres. Da lista das que a cidade tem, constam seis dois Pedros (o IV e o V), um João (VI), um Vímara (Peres) e uma parelha conduzida por dois “tratadores” apeados (uns e outros sem nome). Havia, ainda, um Afonso (Henriques), mas, sem se saber porquê, foi apeado e mandado recolher.

    O facto é que, ultimamente, a localização ou a colocação dos ditos equídeos deu em ser assunto do dia, ainda que só num dos casos a coisa tenha tido foros de polémica pública. É o caso da estátua de D. Pedro IV na Praça da Liberdade que os autores do projecto de redesenho daquele espaço, decidiram manter no mesmo local, mas dando-lhe uma volta de 180 graus, de modo a ficar de frente para a Avenida e para os Paços do Concelho.
    A cidade, no entanto, decidiu achar que isso não era uma coisa boa e viu (e ouviu) erguerem-se vozes contra esta enigmática ideia. O facto é que também ninguém demostrou que o bicho só pode ficar como está. É certo que a diferença entre estas duas posições, para além de ténues razões históricas, de tradição, ou outras, é de umas centenas de milhares de euros, mas, este, parece não ser um argumento decisivo.
    Entretanto, esta questão foi relegada para segundo plano, face à amplitude da transformação a que aquela zona da cidade vai ser sujeita, fazendo deste problema equestre, um problema menor! Veremos. (…)»
    Ler texto completo aqui

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Deixar comentário