İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur


    Avistada dos passeios a única zona ajardinada que resta da Avenida dos Aliados exerce um fascínio compreensível: apetece ver de perto os canteiros cuidados oferecendo combinações dos mais diversos cambiantes de verde, ou o colorido das flores sazonais; os bancos “amigáveis”que aqui não se encontram ocupados pelas pombas– convidam a um pouco de descanso; os próprios Meninos da estátua, favorecida pela moldura de folhagem e pela luz que sobre ela incide, dir-se-ia estarem a chamar-nos…

    E é no mínimo estranho (para não dizer irritante) ouvir ultimamente certas pessoas -que parecem ter descoberto agora este local- afirmar que ninguém vem (ou vai) à Baixa e declarar em tom displicente que a Avenida dos Aliados é um mero ponto de passagem para quem apanha autocarros e vai aos correios… Poderá ser “apenas” isso, para as centenas, milhares de pessoas que diariamente por ali “apenas” passam, quando “meramente” vão para o trabalho ou dele vêm. Nesse vaivém muitas há que apreciam a zona ajardinada ainda existentes e que até transpõem a barreira das três vias de trânsito intenso e barulhento; no entanto, (talvez) a grande maioria não faz a mínima ideia do que está previsto para este local: “Aquelas obras ali em cima? Foram para o metro. Não tarda nada que reponham os jardins… “


    Todavia são cada vez em maior número as pessoas que começam a estar a par do que está projectado e que não se coibem de exprimir a sua indignação, nomeadamente assinando o manifesto em defesa da Avenida dos Aliados e da Praça da Liberdade.
    Com efeito não chega discordar é preciso (pelo menos) assinar!

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    2 comentários até agora.

    1. POS diz:

      “E é no mínimo estranho (para não dizer irritante) ouvir ultimamente certas pessoas -que parece terem descoberto agora este local- afirmar que ninguém vem (ou vai) à Baixa e declarar em tom displicente que a Avenida dos Aliados é um mero ponto de passagem para quem apanha autocarros e vai aos correios…”

      Não é que eu queira enfiar esta carapuça, mas eu disse uma coisa vagamente parecida, apenas para notar que é prioritário, para que a Baixa viva e para que estas causas façam sentido, fazer com que sítios como a Avenida dos Aliados (local que descobri há 38 anos) deixem de ser palco desse vaivém impessoal. Só podemos defender a cidade como local de bem-estar se nela plantarmos pessoas, pois cidade é sinónimo de gente.

    2. manueladlramos diz:

      Concordo com o que diz em parte, apenas porque não considero “impessoal” o vaivem quotidiano, o reencontro diário com os espaços e com quem os habita. Este “vaivem” cria laços, afectos, memórias. Claro que acho importante sim, que se “plantem” (mais)pessoas Avenida.

    Deixar comentário