İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    As mais recentes notícias, vindas a lume sobre a Quinta de Marques Gomes, em Canidelo, Vila Nova de Gaia, são inquietantes. A coberto de uma pretensa operação de «requalificação urbana», continua a pretender-se a ocupação imobiliária de um dos poucos espaços livres naquele concelho, ainda para mais inserido numa área particularmente sensível, no aspecto paisagístico e ecológico, que é envolvência da Baía de S. Paio e do Estuário do Douro, proposto já para a categoria de reserva natural e integrada na Estrutura Ecológica Metropolitana (estudo encomendado pela CCDR).

    Trata-se de um vasto espaço verde com actividade agrícola e um coberto vegetal hoje degradado ˆ mas passível de recuperação ˆ e aproveitamento para área de lazer e de contacto com a natureza e a ruralidade, ajudando à «descompressão» de um território gaiense e metropolitano tão carenciado e entregue à monocultura do betão.

    Qualquer intervenção nesse local deveria ser cautelosa e criteriosa. Mas o que se anuncia é o contrário: construção de 1100 casas, totalizando 148 mil metros quadrados de habitação – com cércea média de 4 andares, a que se soma 10 mil metros quadrados de escritórios e 70 mil de estacionamento subterrâneo. Face a uma tão pesada e gananciosa  ocupação, quaisquer contrapartidas, a existirem, mais não serão que paliativos, visando talvez iludir a opinião pública.

    Apesar das evidências – e dos protestos generalizados ˜ foi aprovado, em Assembleia Municipal, o protocolo que tenta viabilizar o «negócio», celebrado entre a Câmara de Gaia, o grupo Imobiliário Espírito Santo e a GaiaPolis. Este documento, porém, de nada vale, resumindo-se a um processo de intenção, já que a operação imobiliária viola o PDM em vigor ˆ e a suspensão do mesmo, já proposta pela autarquia, não foi ainda aprovada pelo Governo.

    A Campo Aberto, em sintonia com inúmeros cidadãos que têm manifestado a sua indignação, apela às entidades envolvidas para que, num esforço de bom-senso e em nome do interesse público, suspendam o processo que culminará na destruição da Quinta de Marques Gomes e no empobrecimento de toda a zona onde se insere.

    Igualmente, remeteremos ao Governo, nas pessoas do Sr. Primeiro Ministro e Sr. Ministro do Ambiente, uma reclamação, alertando para a necessidade de ser recusada a alteração pretendida do PDM de Gaia e apelando, para a evidente irracionalidade e irregularidade de todo este processo, que aliás assume contornos pouco claros. Está nas mãos do Governo, mas também e sempre dos cidadãos, impedir este atentado contra o património natural e o interesse colectivo.

    Que, a coberto de palavras tais como «requalificação» e «reconversão urbana», se assista a desmandos tão graves, tão pouco transparentes e lesivos do ambiente, apenas leva a concluir da necessidade de mobilização cívica e atenção redobrada, sem o que continuaremos a ver desfigurada a paisagem e dilapidado o património natural.

    Ainda é possível salvar a Quinta de Marques Gomes!

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Deixar comentário