• Set : 17 : 2020 - ALERTA AOS CIDADÃOS: TRÊS JARDINS DO PORTO E 503 SOBREIROS EM GAIA AMEAÇADOS DE MUTILAÇÃO E ABATE
  • Mai : 14 : 2020 - Por Amor da Árvore 2020
  • Abr : 24 : 2019 - Poluição Luminosa
  • Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes

Quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2003

(Para qualquer problema com esta lista, seguir por favor as instrucoes do
rodape desta mensagem.)

Editorial: Corte Espanhol

Sim ou nao ao Corte Ingles na Baixa? Que relacao entre a viabilidade do pequeno
e medio comercio
na Baixa e a revitalizacao da mesma?

Apontam alguns o Via Catarina como uma prova de que, em vez de prejudicar o
comercio tradicional,
como este temia, o Via Catarina teria pelo contrario trazido mais gente a Baixa
e portanto beneficiado
esse comercio tradicional. A primeira vista, tende-se a concordar com esse
argumento. Mas sera
assim? Onde estao os estudos sociologicos e economicos que o confirmem? Nao sera
apenas uma
impressao superficial?

Outros, ou os mesmos, dizem que se o Corte Espanhol nao vier para o Porto ira
para Gaia ou
Matosinhos, arrastara para la a gente do Porto e sera pior ainda. Tambem esse
argumento, de inicio
sedutor, teria que ser confirmado de maneira mais rigorosa. Sera assim?

Outros ainda acusam a restricao de grandes superficies no concelho do Porto como
a razao pela qual
elas foram parar aos concelhos limitrofes, arrastando a gente do Porto para la e
deixando fugir dois
coelhos de uma vez so. Ainda aqui, onde parece haver razao, seria preciso pensar
se nao havera que
ultrapassar a divisao dicotomica Porto/periferia e conceber e planear a area
metropollitana no seu
conjunto.

Assim, talvez chegassemos a conclusao que as hipersuperficies deveriam ser
desincentivadas em
toda a area metropolitana e substituidas por outro tipo de comercio e areas
comerciais mais
respeitadores do territorio, mais condicionados pela dimensao e pelo ambiente
fisico, mais
consentaneos com um estilo de vida menos anonimo e menos dependente da
deslocacao automovel.
Nao sera viavel revitalizar o comercio tradicional de vizinhanca e porta para a
rua e paralelamente
incentivar areas comerciais mais compactas mas menos gigantescas que as grandes
e
hipersuperficies e mais abertas ao exterior, sem perder alguns dos atractivos
actuais daquelas?

Talvez tenha chegado a hora de inovar nesse capitulo. Talvez essas
megaestruturas devam ser mais
disciplinadas. Talvez mesmo ja tenha passado o fascinio inicial por elas e o que
faltem sejam
programas alternativos para o fim de semana do cidadao medio sem equipamentos ao
seu alcance.
Mais espacos verdes acoplados com terrenos de jogos, de desporto e alguns
equipamentos discretos
de caracter ludico poderiam quica demonstrar que ha melhor a oferecer aos
habitantes da area
metropolitana do que uma tarde no xopim.

Quanto a Baixa, embora o comercio seja importante, o teste decisivo para a sua
revitalizacao esta na
habitacao. Vamos a ver, talvez em breve, o que e que o executivo municipal tem
para dizer a cidade
sobre o assunto. Por um lado, recuperar e conservar um patrimonio arquitectonico
e estetico, incluindo
alguns interiores. Nao faria sentido uma politica so “fachada”. Por outro,
oferecer algumas das
condicoes de habitabilidade que hoje se consideram requisitos minimos sem
atraiçoar o timbre
aruitectonico e estetico que se pretende recupear e conservar. Desafio de vulto,
mas esse e que e o
desafio. Para arrasar e reconstruir, ou para simplesmente conservar fachadas,
nao seria precisa
sequer imaginacao.

Seguem-se os resumos de noticias de interesse urbanistico/ambiental
publicadas na edicao electronica do JN de 19 de Fevereiro de 2003. A seleccao e
da associacao
Campo Aberto. Para os textos integrais consultar as referidas paginas ou a
respectiva edicao em
papel.

PNED = Porto e Noroeste em Debate

Notícias fora deste âmbito geográfico podem a título excepcional ser
incluídas por apresentarem interesse evidente para questões relativas ao
Porto e Noroeste.

19 de Fevereiro de 2003

Ambiente chumba torres nas Areias
Projecto da Soares da Costa com parecer negativo
Virginia Alves

A Direccao Regional do Ambiente e de Ordenamento do Territorio do Norte (DRAOT)
emitiu um
“parecer negativo vinculativo” sobre o loteamento num terreno atribuido a
empresa Soares da Costa, na
zona das Areias, em Campanha.

“El Corte”… portuense

Esta aberta polemica no Porto sobre a localizacao de um centro comercial da
cadeia “El Corte Ingles”,
se na Rotunda da Boavista, nos terrenos da antiga estacao da CP, hoje Refer, ou
na Baixa, no
denominado Palacio dos Correios, conforme propoe o presidente da Camara. Ambas
as hipoteses
merecedoras de frontal oposicao da presidente da Associacao de Comerciantes,
embora com apoio da
Associacao Comercial do Porto.

ETAR de Sobreiras arranca amanha

Recebera esgotos de 200 mil habitantes
nuno silva

A Estacao de Tratamento de Aguas Residuais (ETAR) de Sobreiras, no Porto, sera
inaugurada
amanha, com a presenca do ministro do Ambiente, Isaltino de Morais. A
infra-estrutura, que custou
cerca de 25 milhoes de euros (co-financiados, em 40%, pelo Fundo de Coesao), ira
receber os
esgotos de 200 mil habitantes, juntando-se a ETAR do Freixo no combate a
poluicao do rio Douro,
assumido pela autarquia.

Fontainhas na rua contra a Camara

Moradores sentem-se ignorados. Manifestacao marcada para dia 25
hugo silva

Fartos da degradacao, fartos de casas sem condicoes, fartos de viver com o credo
na boca numa
escarpa em ruinas, fartos de promessas por cumprir, fartos de serem ignorados
pela Camara do Porto,
os moradores das Fontainhas vao manifestar-se em frente aos Pacos do Concelho. A
data esta
marcada: na proxima terca-feira, as 10 horas. A concentracao inicial sera uma
hora antes, nas
Fontainhas. Os cartazes ja estao prontos.

Projecto de 37,5 milhoes nao avanca

Invernos rigorosos e as obras de construcao da ponte do Infante deixaram a
escarpa das Fontainhas
em situacao de risco. As derrocadas que surgiram com a intemperie dos ultimos
meses de 2000
precipitaram a elaboracao de um plano de intervencao urgente, avaliado em 37,5
milhoes de euros.
Chegou a ser pensado para tres anos, mas, na hora do lancamento do projecto, no
dia 12 de
Novembro de 2001, Nuno Cardoso, presidente da Camara do Porto, referiu que o
prazo de execucao,
afinal, era de cinco anos.

Rui Sa defende demolicoes

Rui Sa, vereador eleito pela CDU e responsavel pelo pelouro do Ambiente, foi o
unico membro do
Executivo da Camara do Porto a responder afirmativamente ao convite da
Associacao de Moradores da
Zona das Fontainhas.

Obra esta presente nos bairros sociais
Governador civil de visita a “Diocesana”

Seis dos centros sociais integrados na Obra Diocesana de Promocao Social foram
visitados, durante o
dia de ontem, pelo governador civil do Porto, Manuel Moreira.

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Boletim

Deixar comentário