İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    Veja o site da Campo Aberto:
    https://www.campoaberto.pt/

    Comente, participe. Divulgue!

    ==========================
    Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

    Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o que
    é e faz a Campo Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio!

    Em alternativa assine a revista Ar Livre (que os sócios também recebem).

    Peça informações:
    contacto@campoaberto.pt

    ==========================

    BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
    resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

    Sexta-feira, 06 de Junho de 2008

    ==========================

    Para os textos integrais das notícias consultar as ligações indicadas.

    ==========================
    1. Ambientalistas denunciam apoios de praia instalados sobre dunas

    A associação ambientalista Amigos do Mar de Gaia denunciou
    quarta-feira a existência de “anomalias graves” na requalificação da
    orla marítima do concelho e assegurou que há bares de apoio às praias
    que estão a destruir zonas de dunas. “Registamos várias anomalias
    graves na requalificação do Litoral de Gaia, com estruturas instaladas
    em cima das dunas ao longo de toda a costa”, afirmou Jorge Amaral,
    presidente da associação, em declarações à agência Lusa.

    O ambientalista salientou que “foram rasgadas e destruídas partes das
    dunas em pontos considerados de risco” e sustentou que a instalação de
    alguns equipamentos danificou “cordões de dunas de protecção da
    costa”. Segundo Jorge Amaral, há cerca de uma dezena de bares de apoio
    à praia que estão instalados em zonas de dunas. “Não se pode aceitar
    que, em nome da requalificação, se destruam dunas que antes estavam
    protegidas”, frisou o ambientalista, salientando que a situação já foi
    comunicada à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do
    Norte (CCDR-N). O presidente dos Amigos do Mar de Gaia admitiu, no
    entanto, que o problema poderá vir a ser denunciado à União Europeia,
    caso não sejam tomadas medidas para o resolver.

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=6364d3f0f495b6ab9dcf8d3b5c6e0b01&subsec=d82c8d1619ad8176d665453cfb2e55f0&id=ba445ca148144790fc8b706545b1d695

    ==========================
    2. Denunciada construção ilegal

    O PS/Gaia continua a defender que é possível consolidar a Escarpa da
    Serra do Pilar sem desalojar os moradores. Os socialistas consideram
    inclusive que a câmara não se deve pronunciar sobre o processo, antes
    de clarificar outras construções ilegais existentes no concelho.

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=6364d3f0f495b6ab9dcf8d3b5c6e0b01&subsec=d82c8d1619ad8176d665453cfb2e55f0&id=7dd86910953b9e061fd0217be41fa198

    ==========================
    3. Ponto de Vista
    Ambiente: as bioenergias que compensam!?
    Mário Sousa *

    A dispersão, os fluxos motivados pela dinâmica das bacias de emprego,
    as relações produtivas e as deslocações por outros motivos urbanos
    fazem do distrito do Porto um território desordenado e com uma
    paisagem natural descaracterizada.

    Não será, certamente, numa legislatura que se mudam erros seculares de
    ocupação do território. Mas é possível numa legislatura exercitar o
    gosto pelo território e incentivar a sua cultura, de forma a criar uma
    sociedade mais exigente e participativa. É possível conter as novas
    frentes urbanas apostando na reabilitação do património edificado,
    evitando a impermeabilização continuada de novos solos. Relançar a
    utilização dos transportes públicos, nomeadamente o ferroviário e o
    metro, com uma aposta efectiva nas linhas de BUS, mesmo que tal
    implique a limitação do uso do transporte individual, contribuindo por
    esta via para o descongestionamento urbano e para a redução das
    emissões atmosféricas. Articular os espaços “verdes” dos diversos
    planos de forma a constituir uma verdadeira estrutura ecológica que
    preserve os nichos de biodiversidades existentes nos espaços
    intersticiais das malhas suburbanas.

    Quanto ao apostar, cada vez mais nas bioenergias, deve fazer-se porque
    elas são, sem margem para dúvidas, muito mais baratas e muito menos
    prejudiciais ao ambiente. As bioenergias podem ser muito mais
    vantajosas, se forem produzidas a partir de resíduos, já que há um
    aproveitamento de uma matéria-prima sem custos, apesar de as mesmas
    (matérias-primas) serem económicas e valiosas, os equipamentos são
    carros. Inicialmente o investimento vai exigir um maior esforço, no
    que diz respeito ao equipamento, acabando esse investimento por
    compensar a médio prazo.

    No caso do biodiesel, se for feito a partir de um aproveitamento de
    óleos usados, é compensatório, mas se for produzido a partir de
    cereais já tem mais custos de produção associados.

    Além do biodiesel, em que há o aproveitamento de óleos usados, o
    etanol é outra forma de usar combustível ecológico. Este é misturado
    com a gasolina e evita a emissão de parte de partículas do dióxido de
    carbono para a atmosfera, ao contrário do que actualmente acontece com
    outros combustíveis.

    Não podemos esquecer que actualmente os combustíveis fósseis são já
    muito limitados, e que um dia vamos acabar por ficar sem eles, e
    teremos então a necessidade de arranjar outras soluções.

    Actualmente o Brasil já é um grande produtor deste novo combustível,
    feito a partir da cana de açúcar ou do milho.

    *Projectista, licenciado em Avaliação da Qualidade de Estudos de
    Impacto Ambiental, sócio-fundador e presidente da Associação de
    Moradores de Monte do Tadeu/Santo Isidro

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=c16a5320fa475530d9583c34fd356ef5&subsec=389bc7bb1e1c2a5e7e147703232a88f6&id=1c6bd6c5e72472325453a149d355b5d6

    ==========================
    4. “Queremos o Bolhão renovado”

    O deputado socialista Fernando Jesus, que está a proceder a audições e
    visitas no âmbito da petição sobre o Mercado do Bolhão considera que o
    Igespar (Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e
    Arqueológico) “tem um papel determinante” e de “grande
    responsabilidade” no futuro da infra-estrutura e dos comerciantes.

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=c16a5320fa475530d9583c34fd356ef5&subsec=6c8349cc7260ae62e3b1396831a8398f&id=2cdb2a810ce6e889780ef4f450583c91

    ==========================

    Para se desligar ou religar veja informações no rodapé da mensagem.

    O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
    https://groups.yahoo.com/group/pned/

    Se quiser consultar os boletins atrasados veja
    https://campoaberto.pt/boletimPNED/

    ==========================
    INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

    Acima apresentam-se sumários ou resumos de notícias de interesse
    urbanístico ou ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal de
    Notícias e d’O Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de outros jornais
    ou fontes de informação).

    Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e está
    aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu âmbito
    específico são as questões urbanísticas e ambientais do Noroeste,
    basicamente entre o Vouga e o Minho.

    Para mais informações e adesão à associação Campo Aberto:

    Campo Aberto – associação de defesa do ambiente
    Apartado 5052
    4018-001 Porto
    telefax 22 975 9592
    contacto@campoaberto.pt
    www.campoaberto.pt

    Selecção hoje feita por Cristiane Carvalho

    ======================================

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Boletim

    Deixar comentário