İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

    Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

    Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o que
    é e faz a Campo Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio.

    Campo Aberto – associação de defesa do ambiente
    www.campoaberto.pt
    Apartado 5052
    4018-001 Porto
    telefax 22 975 9592

    ==========================
    BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
    resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

    Quarta-feira, 27 de Junho de 2007

    ==========================
    Para os textos integrais das notícias consultar as ligações indicadas.
    ==========================

    1. Porto: Ministério Público diz que processo de concessão do Rivoli é
    ilegal

    – O Ministério Público entende que a Câmara Municipal do Porto não cumpriu a
    lei ao concessionar o Rivoli a Filipe La Féria sem a autorização prévia da
    Assembleia Municipal e sem o lançamento de um concurso público. A posição é
    expressa num parecer, que foi junto à acção principal interposta pela
    Plateia no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto. O director da
    Associação dos Profissionais das Artes Cénicas, Carlos Costa, confirmou ao
    JN a existência do documento e espera que o juiz aceite a providência
    cautelar, interposta em Janeiro passado. Já o Município defende que o
    parecer não tem qualquer efeito vinculativo na decisão do Tribunal e garante
    que responderá nos próximos 10 dias

    https://jn.sapo.pt/2007/06/27/primeiro_plano/ministerio_publico_que_concessao_riv.html

    ==========================

    2. Porto: Falta liderança e sobram lamentações ao Norte

    Hermana Cruz, Leonel de Castro
    (Debate Prós e Contras RTP)
    Painel de convidados Rui Rio, Belmiro de Azevedo, Rui Moreira, Luís Portela
    e Ludgero Marques

    A cidade do Porto está desertificada, adormecida e até pessimista. Não soube
    preparar-se para um país cada vez mais centralizado em Lisboa, e a região
    que a envolve nãotem um líder que seja ouvido e reconhecido. Essas foram
    algumas das lamentações que ecoaram, anteontem à noite, no Salão Árabe do
    Palácio da Bolsa, no último programa da temporada do “Prós e Contras”.
    Apesar disso, a cidade ainda é vista como a capital do Norte, com
    potencialidades de desenvolvimento e oportunidades. “Abre outras portas”,
    admitiram alguns universitários que, nas últimas filas, ouviram atentamente
    as intervenções dos representantes das forças vivas da sociedade portuenese.

    Aliás, foi pelo Porto ainda ser uma “oportunidade de emprego” que os jovens
    João Sarilho e Filipe Leite deixaram Aveiro. Estudantes da Faculdade de
    Economia, acreditam que na capital do Norte terão melhores saídas
    profissionais. “Há um rol de oportunidades que não existem em Aveiro”,
    sublinham, ao JN, embora reconheçam que a cidade “está um bocado
    adormecida”. “Se calhar, assustava-nos um pouco viver na Baixa”,
    exemplificam.

    Foram muitas as soluções que os jovens ouviram de políticos, empresários,
    homens da cultura e até do presidente da Junta da Galiza, Emílio Perez
    Touriño, quase todas convergindo na necessidade de se aproveitar o melhor da
    cidade a sua marca. “Temos que potenciar essa marca aos mais diversos
    niveis”, disse o presidente da Câmara, Rui Rio.

    “Quando o Porto faz coisas diferentes, tem ousadia, sonha, avança. Neste
    momento, não se passa nada. O Porto é uma marca, que se está a desgastar, a
    diluir, a perder”, contrapôs o jornalista Carlos Magno, enquanto o
    presidente da Bial, Luís Portela, admitiu que “gostava de ver um Porto mais
    forte, mais dinâmico, mais competitivo”.

    Oportunidade perdida
    Num debate de duas horas e meia, também se incutiram responsabilidades, pelo
    descréscimo de peso da cidade, à gestão autárquica e ao agravamento do
    centralismo, que só seria travado pela regionalização.

    “No momento em que o país passou a ser unipolar, o Porto devia ter exercido
    o peso que tinha. Perdeu-se uma oportunidade com o referendo à
    regionalização”, declarou o presidente da Associação Comercial do Porto, Rui
    Moreira.

    “Se tudo se resolve melhor em Lisboa, então vamos acelerar essa mega ou
    monocapital! É isso que está a acontecer”, acusou o empresário Belmiro de
    Azevedo, convencido de que o “Porto é uma capital política sem poder
    político”. “É a capital do Norte que é possível ser, aquilo que a deixam
    ser”, anuiu o presidente da Associação Empresarial, Ludgero Marques.

    Para António Lobo Xavier, a questão coloca-se a outro nível “O combate, em
    tempos, teve maus protagonistas. Se recuarmos 20 anos, os paladinos da
    regionalização, não eram, aos olhos do país, figuras muito carismáticas”.

    “Quem era o líder do Norte nos anos 40,50 ou 60?”, interrogou-se Rui Rio,
    avisando “Se vamos estar à espera de um líder, então vamos esperar sentados
    porque não é por aí que conseguimos. Conseguimos é com a nossa mais-valia”.

    O autarca alegou ainda que o Porto é “um factor de competitividade para o
    Norte”. Defendeu-se de polémicas, desde a do Rivoli à da corrida de carros,
    garantindo que continuará a fazer “rupturas”. E recursou desejar ser
    presidente de uma região. “Sabe-se que o Porto é uma nação. Sou presidente
    de uma Nação”, ironizou, socorrendo-se do lema do F.C.Porto.

    https://jn.sapo.pt/2007/06/27/porto/falta_lideranca_e_sobram_lamentacoes.html

    ==========================

    3. OpiniãoDebate zero

    Este foi o debate de todos os equívocos. A começar pelo tema. Afinal, o que
    se discutia o empobrecimento da região Norte e dos seus milhões de
    habitantes, ou as políticas autárquicas da cidade do Porto e o modo como
    afectam os seus duzentos e tal milhares de munícipes? Que sentido faz
    misturar o piso da Avenida dos Aliados com a crise do emprego na região que
    lidera as exportações nacionais? Os bólides da Boavista com as vantagens ou
    a capacidade de autogoverno do Norte?

    E que sentido faz entregar um debate obviamente político aos representantes
    de interesses particulares, por mais respeitáveis que sejam, desde a Sonae à
    Bial, passando pelas associações empresariais e por outras representações
    corporativas instaladas na sala, deixando ao presidente da Câmara do Porto
    (que representa a cidade, mas não a região) o protagonismo exclusivo de quem
    fala na perspectiva do interesse geral (ou, como é normal em democracia, a
    partir da sua própria concepção do interesse geral), sem contraponto nem
    contraditório?

    Mas o maior equívoco estava sentado entre as quatro paredes do Salão Árabe.
    Se aquelas personagens (com ressalva das raras excepções a confirmar a
    regra), mais o seu repositório de lugares comuns, queixumes e meias palavras
    são o que o Porto ou o Norte têm para apresentar ao país e a si próprios,
    então podemos dar por razoavelmente explicado o ponto de partida do programa
    o definhamento real e o alegado estado depressivo da cidade e da região. De
    que melhor prova precisaríamos todos sobre a urgência da mudança de
    protagonistas, após esta exibição de uma geração esgotada, sem um projecto,
    uma ideia, e sobretudo sem uma vontade para o território que aparecem a
    representar?

    Rui Rio, que não se enquadra neste retrato, não teve quem lhe discutisse as
    políticas para a cidade contrapondo outras políticas. Debate zero. A área
    metropolitana, que continua a ser uma ficção política, não teve quem a
    discutisse. Zero. Quanto à crise regional, tivemos o mantra da inovação.
    Qual, como, com quem, zero de debate. Descentralização e autogoverno? O
    tópico deu origem à única declaração política relevante da noite, com Rui
    Moreira a explicar que, num país crescentemente unipolar, não via saída que
    não passasse pela regionalização. Discussão do tema? Zero.

    O que parece começar a faltar, se não no Porto, ao menos no Porto que nos
    dão a ver, é o uso da liberdade, a começar pela liberdade da palavra. O
    gosto pelo confronto franco das ideias, pela vitalidade da discussão
    democrática, sem interesses particulares a inibi-la. É a isto que chamam
    claustrofobia?

    E as novas gerações? Está aí alguém? Que esperam para ocupar o vazio?

    José Queirós

    https://jn.sapo.pt/2007/06/27/porto/debate_zero.html

    ==========================

    4.Porto: Vila desportiva junto ao Parque da Cidade aprovada na Assembleia

    Manuel Vitorino

    O Parque da Cidade, a “jóia da coroa” sempre defendida pelo PS, irá ter uma
    zona desportiva composta por seis courts de ténis, duas piscinas e um espaço
    polivalente. A proposta foi ratificada pela coligação (PSD-CDS/PP) e teve um
    desfecho singular no Executivo, os socialistas votaram a favor, na
    Assembleia Municipal do Porto, anteontem, à noite, optaram pela abstenção. A
    CDU e o BE votam contra.

    Se a polémica frente urbana defendida pelo arquitecto Sidónio Pardal e
    estimulada pelo socialista Nuno Cardoso, fazem parte do passado, o novo
    equipamento apresentado pelo Sport Clube do Porto, fez ressuscitar velhos
    temores e ameaças. “Não estámos a ir pelo caminho correcto. As novas
    construções aumentarão a impermeabilização dos solos numa área de 13
    hectares”, alertou Teresa Andersen, arquitecta paisagista e eleita pelo PS.
    Entre a oposição, existem receios do verde ficar menos verde. “Que não”,
    responde Álvaro Braga Júnior, do CDS/PP. E concluiu “O projecto é uma
    mais-valia para a cidade”.

    “E porque não se faz um concurso público?”, questionou Artur Ribeiro, da
    CDU. “Até onde vai esta espécie de venda a retalho do Parque da Cidade”?,
    perguntou José de Castro, do BE.

    Na contagem das votação uma surpresa aos 26 votos a favor (PSD eCDS/PP),
    seguiu-se a abstenção do PS e cinco votos contra (CDU e BE). “O novo
    equipamento vai roubar muito espaço verde ao parque. Já existe muito cimento
    na zona, mas também é verdade que os novos equipamentos são úteis à cidade.
    A zona está muito degradada”, disse, ao JN, Justino Santos, do PS. “Temos
    sido prejudicados ao longo dos anos. O F.C. do Porto, Boavista, Salgueiros e
    o Fluvial tiveram terrenos em propriedade plena.Nós, apenas, em direito de
    superfície ainda vamos pagar mais de meio milhão de euros à Câmara”,
    lembrou, ao JN, Paulo Barros Vale, presidente do Sport Clube do Porto.

    https://jn.sapo.pt/2007/06/27/porto/vila_desportiva_junto_parque_cidade_.html

    ==========================

    5.Porto: Família “quis vender terrenos” ao F.C. Porto

    https://jn.sapo.pt/2007/06/27/porto/familia_quis_vender_terrenos_fc_port.html

    ==========================

    6. Matosinhos: Constantino Nery promete renascer como “peça única”

    Helena Teixeira da Silva
    Obras começaram ontem e deverão durar 15 meses. A remodelação do edifício
    custa 3,5 milhões de euros

    O segredo, que venceu o concurso internacional para a reconstrução do
    Cine-Teatro Constantino Nery, em Matosinhos, está na “transformação de um
    espaço exíguo num equipamento sofisticado e flexível, que permite esconder a
    sua reduzida dimensão”.

    O segredo, descortinado pelo arquitecto portuense, Alexandre Alves Costa,
    fará do antigo edifício – em decadência desde os anos 80 – uma “máquina de
    carácter experimental e polivalente”, que deverá acolher, daqui a pouco mais
    de ano e meio, todas as criações artísticas e culturais, “desde o teatro
    convencional às produções multimédia”. Com a vantagem de possuir “aquela que
    será, talvez, a segunda melhor sala acústica do país”. A Casa da Música, de
    Rem Koolhaas, no Porto, é, actualmente, e de forma mais ou menos unânime,
    considerada a melhor.

    Na última visita antes do início das obras, que arrancaram ontem, Guilherme
    Pinto, presidente da Câmara de Matosinhos, anunciou que, até ao fim do mês,
    deverá anunciar o futuro programador do Cine-Teatro.

    “Quero uma programação exemplar logo desde o primeiro dia. E não quero um
    único dia desocupado”, alertou. “Daí que o programador esteja a ser
    seleccionado com antecedência”.

    O desejo é o de rentabilização do espaço. “Não uma rentabilização do ponto
    de vista financeiro, mas do ponto de vista da sua total fruição, através de
    uma oferta que assegure que venha a ser diária e plenamente vivido”.

    Sem desvendar o sistema de gestão em que o espaço virá a ser enquadrado e
    sem revelar nomes, o autarca adiantou que a escolha recairá sobre uma equipa
    que beneficia da sua confiança e da do vereador da Cultura, Fernando Rocha.
    Sobre a programação garantiu que haverá – porque ele o exige – “uma sessão
    dedicada a quem ainda tem na memória os espectáculos do velho equipamento”
    inaugurado a 10 de Junho de 1906. “Cine-teatros há muitos; mas o nosso”,
    prometeu, “será uma peça única”.

    O imóvel foi sendo progressivamente corroído pelo tempo até a autarquia o
    ter adquirido em 2001, por 360 mil euros, com o objectivo de o “devolver à
    comunidade”. Posteriormente, iniciou o processo de recuperação com a
    abertura de concurso público internacional para a escolha do projecto.
    Venceu Alexandre Alves Costa, que irá respeitar a fachada principal e a
    volumetria. O interior será todo alterado (ver ficha). A obra terá um
    investimento de 3,5 milhões de euros.

    Fachada mantida
    A fachada vai ser “desmontada, peça a peça, e depois voltará a ser
    recolocada”, assegura Guilherme Pinto, apelando aos munícipes para que não
    se “assustarem quando a virem ser retirada”. A fachada e a volumetria do
    edifício são as únicos itens a preservar.

    Piso inferior
    O rés-do-chão integrará uma pequena sala polivalente para conferências,
    exposições e pequenos concertos. E um café-concerto com a particularidade de
    poder ser interligado à sala de espectáculos, aumentando o espaço.

    Piso superior
    Comporta uma sala de ensaios e outra de espectáculos . As cadeiras serão
    retracteis podem ser retiradas ou viradas ao contrário. Isto permite que o
    auditório, com capacidade para 240 lugares, possa estender-se aos 500.

    Cobertura
    Será em bronze e no cimo da torre com 14 metros de altura haverá uma luz,
    que funcionará como símbolo do novo espaço.

    https://jn.sapo.pt/2007/06/27/porto/constantino_nery_promete_renascer_co.html

    ==========================

    7. Opinião: Mais pontes

    Gomes Fernandes, Arquitecto

    “A ponte é uma passagem para a outra margem”, diz a canção e é verdade. Ora
    vem isto a propósito da recente iniciativa conjunta da Câmara de Gaia e do
    Instituto de Estradas de Portugal, de iluminarem a “mítica” Ponte da
    Arrábida dos anos sessenta, rasgo de génio, no cálculo e no desenho, de
    Edgar Cardoso. Como digo, a beleza do gesto que representa aquele arrojado
    arco, ficou mais realçada com o resultado da iniciativa e ambas as margens,
    quer dizer as duas cidades, ficaram a ganhar com esta expressão de
    reconhecimento e homenagem à arte criadora.

    Vale a pena pensar um pouco nesta questão das pontes, sobretudo entre
    margens estratégicas de tão grandes dificuldades naturais. Temos hoje quatro
    destinadas a trânsito rodoviário, sendo que uma, a velhinha Luís I,
    desempenha tal função a meias com o Metro, e duas a tráfego ferroviário, uma
    das quais, a classificada D. Maria, sem utilização e a “cair aos bocados”,
    triste e silenciosa.

    Ora, é preciso pensar no assunto porque são precisas mais pontes e convém
    não abandonar a de D. Maria, tanto quanto sei, ainda não despromovida da
    classificação de “monumento” que lhe foi conferida, por alguma coisa. Pensar
    e agir, porque fica eternamente em congeminações por mais válidas que sejam,
    não chega.

    Esta questão das pontes merecia, para começar, um esforço dos autarcas do
    Porto e Gaia para se debruçarem, em conjunto, sobre o assunto, alargado à
    Área Metropolitana, na falta da Região, com vista a comprometer o Governo,
    que, como é notório, anda com os olhos voltados a sul e quando os volta a
    norte, não vai além da Ota. Discute-se a crescente fragilização do Norte e
    do seu símbolo de afirmação o Porto, mas devia começar-se a discussão a
    partir da própria casa, ou seja, nisto de pontes e muito mais, das relações
    de vizinhança autárquica e parceria metropolitana.

    Há uma grande cidade linearizada que vai de Aveiro Norte até acima da Póvoa,
    e este território conexo mas não estabilizado, gera relações entre margens
    do Douro impensáveis há trinta anos, o que vai dar na tal necessidade de ter
    mais pontes para abastecer a sua fluidez e eficácia funcional. A norte deste
    território centram-se as duas grandes infra-estruturas competitivas de que a
    Região dispõe, Porto de Leixões e Aeroporto Sá Carneiro, e a sul está uma
    pujante infra-estrutura produtiva industrial e transformadora que precisa,
    todos os dias, de “passar para a outra margem”, em condições de todos
    conhecidas hoje. É este serviço inter-relacional que precisa de ser
    melhorado e não de forma casuística, sem rede por baixo a aparar-lhe os
    impactes, como aconteceu com a Ponte do Infante, que muito dificilmente se
    irá refazer deste casuístico arranque.

    Agora, que o Norte parece ter despertado e que o Porto ameaça “espirrar”,
    talvez seja oportuno introduzir duas questões, pela sua pertinência

    A primeira, porque não se hasteia a “bandeira branca” dos lados de Gaia e do
    Porto, para dar um primeiro, e que seria significativo, sinal de força? É
    assim tão difícil?

    A segunda, porque não deixam as distritais políticas do PS e PSD de olhar
    para o seu “umbigo”, que aliás só os próprios vêm, e avançam para uma séria
    reflexão metropolitana e regional, enquanto ainda se vai a tempo? Serão os
    respectivos responsáveis ungidos de tanto saber e certeza que não precisam
    de ninguém para concluir, ou será que “o rei vai mais nu” do que se julga?

    Duas questões simples mas que seriam importantes pontes entre margens, pois,
    de outro modo, “o deserto” não está a sul do Tejo, como disse alguém, mas
    bem próximo das águas do Douro.

    gomes.fernandes@europlan.pt

    https://jn.sapo.pt/2007/06/27/porto/mais_pontes.html

    ==========================

    Para se desligar ou religar veja informações no rodapé da mensagem.

    O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
    https://groups.yahoo.com/group/pned/

    Se quiser consultar os boletins anteriores
    vejahttps://campoaberto.pt/boletimPNED/

    ==========================

    INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

    Acima apresentam-se sumários ou resumos de notícias de interesseurbanístico
    ou ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal de Notícias e d’O
    Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de outros jornais ou fontes de
    informação).

    Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e está
    aberta a todos os interessados sócios ou não sócios.

    O seu âmbito específico são as questões urbanísticas e ambientais do
    Noroeste, basicamente entre o Vouga e o Minho.

    Selecção hoje feita por Alexandre Bahia

    =============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Boletim

    Deixar comentário