İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

    Destaque: Ocupar os Rios? Porque não também o Mar?

    O espaço em terra já não chega, mesmo num local remoto e dito humanamente
    desertificado como Freixo de Espada à Cinta: é preciso instalar um parque de campismo
    flutuante em cima do rio Douro (n.º 5).

    Se o Porto fez um viaduto automóvel por cima do rio e paralelo à margem, por é que
    Freixo não há-de fazer um parque de campismo flutuante, ainda por cima com engodo
    ambiental? Já a Figueira da Foz (n.º 7) atribui rótulo de urbanizável em sede de PDM a um
    terreno que antes era parque de campismo e predominantemente verde. Talvez agora,
    com a falta de espaço resultante, se instale o parque de campismo flutuante no mar das
    praias. É uma solução…

    Quanto ao Porto (n.º 1), aprova-se uma cidade desportiva em terrenos que estariam
    destinados a integrar o Parque da Cidade sem se saber se o projecto respeita as regras
    que o próprio PDM instituiu para equipamentos em espaços verdes. Talvez seja melhor
    não tentar saber, não vá verificar-se que não respeita. O local estava degradado mas
    estava destinado a ser recuperado e a integrar o parque. A pretexto da degradação actual,
    qualquer coisa melhor parece autorizada. E sem dúvida que uma cidade desportiva é uma
    óptima coisa. Ainda por cima, um dos raros terrenos do Parque que é pertença da Câmara,
    ao que parece, e que portanto não levanta problemas de financiamento, acaba por ser de
    facto cortado do Parque já que não terá idêntico estatuto público apesar de algumas
    servidões de abertura ao público, porém parciais. O espaço assim retirado ao Parque, que
    tal? podia ir buscar-se ao mar, construindo sobre ele, em estacaria como no Freixo, os
    correspondentes 4 hectares de jardins e arvoredo. Hoje nada há que a tecnologia não
    resolva, não é assim?

    JCM

    [Esta lista tem actualmente 403 inscritos.]

    Veja o site da Campo Aberto:
    https://www.campoaberto.pt/

    Comente, participe, divulgue.

    ====

    Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

    Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o que é e
    faz a Campo Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio!

    Em alternativa assine a revista Ar Livre (que os sócios também recebem).

    Peça informações:
    campo_aberto@oninet.pt

    Para desligar-se/religar-se ou para ler as mensagens em modo página, net
    veja informações no rodapé da mensagem.

    O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
    https://groups.yahoo.com/group/pned/

    ====
    BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
    resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

    ====
    Quarta-feira, 6 de Junho de 2007
    ====

    1. Porto: Câmara deu luz verde ao projecto do Sport Club do Porto para o Parque da Cidade
    Cidade desportiva aprovada

    A Câmara do Porto aprovou a realização de um contrato com o Sport Club do Porto para a
    construção de uma cidade desportiva em terrenos no Parque da Cidade, cedidos pela
    autarquia. A proposta foi aprovada em reunião camarária com os votos favoraveis da
    maioria PSD/CDS e do PS e voto contra da CDU.
    José Sá Reis

    Por ser um equipamento que “vai servir o bem comum”, o Partido Socialista votou ontem
    favoravelmente a proposta de contrato de parceria entre a Câmara Municipal do Porto
    (PSD/CDS) e o Sport Club do Porto para a construção de um parque desportivo no Parque
    da Cidade. Para Francisco Assis, vereador socialista da edilidade portuense, “esta é uma
    proposta pertinente, por ser um projecto que vai servir a população da cidade”. Por isso,
    afirma, “votamos favoravelmente esta parceria”.

    A proposta, aprovada ontem em reunião camarária (com os votos favoráveis da coligação
    PSD/CDS e do PS, e votos contra da CDU), contempla uma área de 40 mil metros
    quadrados, a serem cedidos pela Câmara Municipal do Porto ao Sport Club do Porto, para
    construção de “uma nova área de equipamentos desportivos” e visa, segundo o
    documento levado a discussão, a requalificação de uma zona altamente degradada,
    “correspondente ao estaleiro e a disponiblização de apoios estruturais ao
    `Queimódromo'”. Uma cedência que vigora, aliás, por 27 anos, sendo o Sport Club do
    Porto obrigado a construir, numa primeira fase e no prazo de 12 meses, um
    empreendimento que integrará um campo desportivo de relva sintéctica (com 4950
    metros), um polidesportivo com 1260 metros quadrados, dois campos de voleibol, três
    campos de ténis ao ar livre e quatro campos cobertos.

    Concurso público

    Contudo, para Rui Sá, vereador da CDU, este é um processo envolto em “algumas
    dúvidas”, que não viu esclarecidas durante a reunião: “Desconhecemos se será respeitada
    a taxa de cinco por cento de impermeabilização nos terrenos cedidos”. Ou seja, não ficou
    devidamente esclarecido se a taxa de impermeabilização do Parque da Cidade “fica
    atingido com a construção de cinco mil metros quadrados de área coberta previstos no
    projecto”. Ao mesmo tempo, Sá defendeu que a atribuição de um espaço público a
    determinada colectividade “deveria passar por um concurso público”, coisa que “não
    aconteceu”. “Esta não é a única associação da cidade, a Câmara deveria ter entrado em
    contacto com outras colectividade e aferir o interesse delas”, disse.

    Uma opinião partilhada com Francisco Assis, que também não vê com bons olhos a
    atribuição de um projecto sem passar pelo concurso público -“defendemos a criação de
    concursos públicos para todos as concessões” -, mas entende que esta é “uma situação de
    excepção, uma situação de interesse público”, com o intuito de “fornecer um bom serviço
    à cidade”. Ao mesmo tempo, o vereador da CDU considera que, “qualquer que seja o
    projecto arquitectónico a aprovar, a decisão deve passar pela Assembleia Municipal”, para
    posterior aprovação ou rejeição do projecto.

    Valores estruturais

    O valor total do investimento na construção da futura cidade desportiva ascende a dez
    milhões de euros – verba parcialmente comparticipada por fundos comunitários
    resultantes do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) -, sendo o valor da
    cedência de terrenos orçado em cerca de 3,5 milhões de euros e um montante de três
    milhões de euros a atribuir pela Cãmara Municipal àquele espaço, num período de 25
    anos. Tendo em conta os dois montantes, foi permitido apurar o valor final da cedência
    em 508,3 mil de euros.

    Com este contrato, o Sport Club do Porto terá de disponibilizar os espaços alguns dias por
    semana a actividades colectivas. A saber: a disponibilização ao município de três horas
    diárias nas instalações cobertas; o acesso aos dois polidesportivos e campos de futebol
    dois dias por semana; o acesso livre dos espaços desportivos a todos os interessados; e
    realizar provas deportivas que envolvam outras colectividades e clubes da cidade.
    À Câmara cabe manter os arranjos exteriores da zona desportiva, o fornecimento de água
    e electricidade, a limpeza de todos os espaços exteriores ao complexo e assegurar a
    vigilância nocturna.

    E porquê a escolha do Sport Club do Porto para parceiro neste novo projecto? A Câmara
    justifica a escolha pela “necessidade de relocalizar algumas das instalações que
    [actualmente] estão condicionadas”, nomeadamente no Campo da Bela Vista – cortado
    para abertura da Alameda 25 de Abril -, e no seu Centro de Ténis e Vila Desportiva.
    Depois de concluída a primeira fase, a segunda fase (a ser construída em cinco anos)
    prevê a construção de ginásios, piscinas, restaurantes, zonas administrativas e de lazer,
    um auditório e uma bibilioteca.

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=c82e6c60a6a6c5f79744fba2b38ee16e

    ====

    2. Gaia: Inaugurado um novo na Praia de Lavadores
    Gaia terá uma centena de parques infantis

    O vereador das Obras Municipais da Câmara de Gaia, Firmino Pereira, anunciou que
    durante este ano a autarquia vai investir 250 mil euros em cem parques infantis,
    instalados em praças e escolas básicas.

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=f4e833d402a1d44f73eb52da9412984c

    ====
    3. Douro: Abrem-se as portas no Douro

    A região do Douro vai abrir as suas portas gratuitamente a todos os visitantes, e durante
    todo o dia, no próximo fim-de-semana (dias 9 e 10). Ao todo, 30 quintas, a maioria das
    quais associadas da Rota do Vinho do Porto (RVP), oferecem visitas às casas, aos
    respectivos espaços museológicos, capelas, lagares, garrafeiras ou adegas; às vinhas e aos
    jardins. As ofertas passam, também, e sobretudo por provas de vinhos, de espumantes e
    de azeite, mas nalguns casos, até de chás e scones e outros doces.

    A iniciativa coube à Rota do Vinho do Porto, com sede na Régua, que lançou o desafio “aos
    seus associados, mas também a todas as outras quintas da região, tendo aderido alguns
    membros da Rota de Cister, por exemplo, assim como outras quintas que não são
    aderentes de qualquer associação do género”, explicou, ao JN, o presidente da RVP, Paulo
    Outeiro.

    https://jn.sapo.pt/2007/06/06/primeiro_plano/abremse_portas_douro.html

    ====

    4. País: Radiações (electromagnéticas) estudadas em Plano Nacional

    O Plano Nacional de Ambiente e saúde, ontem apresentado, vai promover a realização de
    estudos tendentes a apurar se as radiações electromagnéticas têm ou não efeitos na
    saúde.

    Garantindo que “não há nenhum preconceito ou tomada de decisão prévia” por parte do
    Governo, o ministro do Ambiente explicou que a ideia “é avaliar a situação portuguesa”,
    tendo em conta “a existência de estudos contraditórios” noutros países da Europa.

    O Plano “elenca um conjunto vasto de questões susceptíveis de aprofundamento e de
    estudo em Portugal, como as radiações electromagnéticas e os postes de alta tensão”,
    disse o ministro.

    Segundo Nunes Correia, há vários países que estão a realizar estudos, pelo que não faz
    sentido Portugal não os fazer. O objectivo, explicou “é confirmar que as situações são
    inócuas”, mas caso se confirmem que não são, o Governo agirá em função do diagnóstico
    feito. “A decisão política será sempre nossa”, sustentou.

    https://jn.sapo.pt/2007/06/06/nacional/radiacoes_estudadas_plano_nacional.html

    ====

    5. Douro: Parque de campismo flutuante sobre o Douro

    Praia da Congida vai ter novos equipamentos

    Acampar sobre as águas do Douro Internacional já no Verão de 2008 é uma das intenções
    da Câmara de Freixo de Espada à Cinta que desta forma quer promover ambientalmente
    os recursos turísticos da praia fluvial da Congida. O projecto, que envolve dois milhões de
    euros, está a ser levado a efeito pela autarquia local, o qual será comparticipado pelo
    Pictur e pelo programa transfronteiriço Interreg em 50%.

    A ideia passa por conquistar terreno ao rio Douro através de um sistema de estacas, o
    qual vai suportar uma plataforma, onde os campistas (num máximo de 200) poderão
    montar tendas e colocar roulotes. Aqueles que preferirem terra firme terão também um
    espaço, na margem do Douro, onde actualmente já se faz campismo de forma gratuita e
    sem regras. O projecto para a zona da Congida contempla igualmente um embarcadouro,
    uma intervenção ambiental na zona central e uma piscina flutuante. Está prevista também
    a construção de um bar em madeira e de uma esplanada, também ela original, suspensa
    sobre o rio .

    https://jn.sapo.pt/2007/06/06/norte/parque_campismo_flutuante_sobre_o_do.html

    ====

    6. Espinho e Paramos: Males ambientais do concelho reunidos

    A par de outras 14 freguesias da Área Metropolitana do Porto, Espinho e Paramos
    assinaram, na passada semana, um protocolo com a LIPOR no âmbito da Agenda XXI Local
    que, na prática levará à realização de iniciativas de sensibilização ambiental. Perfeitamente
    identificados, os maiores problemas de Paramos há muito que se relacionam com a
    poluição da lagoa, também conhecida por barrinha de Esmoriz, bem como a da ribeira de
    Rio Maior, que desagua na dita lagoa, enquanto que os de Espinho tem a ver com o
    preocupante volume de lixo produzido e a necessidade de manter limpas as várias praias.

    Segundo o presidente da Junta de Freguesia de Paramos, Américo Castro, a Agenda XXI
    Local não será, porém, nenhum “caderninho milagroso” no que à resolução do problema
    da lagoa diz respeito, “uma questão que só será resolvida quando o concelho de Santa
    Maria da Feira tiver a sua rede de saneamento e os utentes estiverem a ela ligados, um
    processo que só agora está a dar os primeiros passos “, mas poderá ser importante no
    que diz respeito à sensibilização das gerações mais jovens para a resolução da questão.

    https://jn.sapo.pt/2007/06/06/porto/males_ambientais_concelho_reunidos.html

    ====

    7. Figueira da Foz: 3500 nomes em defesa do Parque Verde

    O movimento cívico “Parque Verde” entregou, ontem, na Câmara Municipal da Figueira da
    Foz, um abaixo-assinado com 3500 subscritores, que apela à salvaguarda e protecção da
    zona do parque de campismo e do horto municipal como um “espaço verde único” da
    cidade.

    Os subscritores pedem à autarquia que altere a classificação do Plano de Urbanização (PU)
    respeitante ao actual Parque de Campismo para “zona verde ou espaço de equipamentos
    de lazer e desporto”. No PU em vigor, a zona está classificada como “espaço urbanizável”,
    com edifícios até seis andares.

    Os contestatários receiam pela “betonização” da área. “Urge parar a urbanização
    desenfreada”, disse, ao JN, Luís Pena, advogado, e primeiro subscritor da petição dirigida
    ao presidente da autarquia, Duarte Silva.

    O grito de alerta surge numa altura em que o Plano Director Municipal da Figueira da Foz
    está a ser revisto, devendo ser apresentado até ao final do ano. PD

    https://jn.sapo.pt/2007/06/06/pais/3500_nomes_defesa_parque_verde.html

    ====

    INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

    Acima apresenta-se o sumário e/ou resumos de notícias de interesse
    urbanístico/ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal de
    Notícias e de O Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de outros
    jornais ou fontes de informação).

    Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e está
    aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu âmbito específico
    são as questões urbanísticas e ambientais do Noroeste, basicamente entre o
    Vouga e o Minho.

    Selecção hoje feita por José Carlos Marques

    Para mais informações e adesão à associação Campo Aberto:

    Campo Aberto – associação de defesa do ambiente

    www.campoaberto.pt
    campo-aberto.blogspot.com

    Apartado 5052
    4018-001 Porto
    telefax 22 975 9592
    contacto@campoaberto.pt

    =============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Boletim

    Deixar comentário