İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

    [Esta lista tem actualmente cerca de 380 participantes inscritos.]

    Veja o site e o blogue da Campo Aberto:
    https://www.campoaberto.pt/
    https://campo-aberto.blogspot.com/

    ==========================
    Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

    Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o
    que é e faz a Campo Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio!

    Peça informações a:
    campo_aberto@oninet.pt

    ==========================

    BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
    resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

    Segunda-feira, 21 de Agosto de 2006

    ==========================

    Para os textos integrais das notícias consultar as ligações
    indicadas.

    ==========================
    1. Opinião: Crime de lesa-património

    Segundo Patrícia Gonçalves revelou em “O Primeiro de Janeiro”, o
    edifício que albergava o Cinema e o Café Águia D’Ouro [no Porto] foi
    posto à venda pela quantia de três milhões de euros. Goradas a
    expectativas de transformar aquele espaço em casino, a Solverde –
    que havia adquirido o imóvel em 1989 -, quer agora alienar um espaço
    que foi, outrora, uma das referências da cidade e que ela,
    vergonhosamente, deixou transformar-se numa ruína perante o
    desinteresse daqueles que gostam de, por dá cá aquela palha, fazerem
    grandes discursos em defesa do património da cidade.

    Se os leitores fizerem o favor de folhear o “Porto Desaparecido”,
    escrito em co-autoria por Marina Tavares Dias e Mário Morais
    Marques, poderão constatar que o Café Águia D’Ouro não foi um
    estabelecimento qualquer. Abriu as suas portas em Janeiro de 1839 e,
    de acordo com os jornais da época, recebia os seus clientes
    com “bons serviços e neve na estação competente”. Afiançava-se no
    mesmo anúncio que “na mesma casa haverá todos os dias gelatina de
    mão de vitela e raspa de veado, própria para doentes e melhor para
    os sãos”. (…)

    Não obstante, quando o Guichard fechou as portas na Praça Nova, os
    seus clientes, entre os quais Camilo Castelo Branco, foi no Águia
    D’Ouro que assentaram arraiais, fazendo ali a base das suas
    tertúlias bem ou mal pensantes. Camilo terá lá passado muitas tardes
    jogando dominó e Antero de Quental chegou mesmo a “informar os seus
    adversários, em anúncio publicado num jornal de Agosto de 1872, que
    o poderiam encontrar nessa café todos os dias das 5 às 7 da tarde”,
    ainda de acordo com a obra daqueles dois historiadores. (…)

    E chegou-se a 1989. Sabe-se que, por essa altura, os cafés já haviam
    perdido a aura de que estavam rodeados. Eram fechados para reabrir
    como agências bancárias, enquanto que os cinemas foram destronados
    primeiro pelos clubes de vídeo e, depois, pelos 60 canais das
    televisões por cabo. Por essa altura, veio a “febre” dos bingos que
    derrotaram os cinema Olímpia e Trindade. A Solverde também quis ter
    o seu bingo no Porto e fez um “take over” no Águia D’Ouro. Mas os
    bingos não “bingaram” e o imóvel, onde no primeiro andar funcionou
    durante muito tempo a FNAT, depois INATEL, transformou-se numa
    ruína. Para a Solverde, ela – a ruína – vale agora três milhões de
    euros; para nós, ela constitui um crime de lesa-património.
    Felizmente que o Batalha, ali tão perto, lá vai progredindo…

    https://jn.sapo.pt/2006/08/21/porto/crime_lesapatrimonio.html

    ==========================
    2. Porto: Igreja dos Clérigos em obras

    De pés assentes na terra, mas com a cabeça voltada para o céu, os
    muitos turistas que nesta altura do ano visitam o Porto interrogam-
    se sobre o que está a acontecer a um dos mais emblemáticos símbolos
    da cidade. Os andaimes já cercam a Torre dos Clérigos, mas ao
    contrário do que inicialmente se poderia pensar não são destinados a
    dar apoio a trabalhos de requalificação, mas sim a um painel
    publicitário. As obras vão decorrer, isso sim, na igreja com o mesmo
    nome, como explicou o director da Direcção Regional de Edifícios e
    Monumentos Nacionais, Augusto Costa. “Vai ser feita a conservação
    das paredes exteriores da igreja, com a substituição do reboco e da
    caixilharia”, adiantou, assegurando que a torre “não vai ser objecto
    de qualquer intervenção”.

    A colocação do painel publicitário resulta do facto do projecto
    estar abrangido pelo «Porto com Pinta». Sem adiantar qual o mecenas
    envolvido neste programa da Agência para a Modernização do Porto
    (Apor), aquele responsável referiu que a instituição pagará parte
    dos trabalhos a desenvolver na igreja, ficando a fachada sul sob a
    responsabilidade da Direcção Regional de Edifícios e Monumentos
    Nacionais.

    Sobre o facto dos dois monumentos estarem a ser objecto de
    intervenções em pleno de férias, altura em que mais turistas visitam
    o Porto, Augusto Costa desvalorizou a questão. “O património não se
    compadece com interesses individuais dos turistas. Não podíamos
    perder a oportunidade de ter um mecenas disposto a financiar metade
    das obras”, advogou. “É óbvio que os turistas podem sair um pouco
    prejudicado, mas para o ano terão uma igreja espectacular”,
    acrescentou.

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?
    op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=e9f2441cf65
    97667bf2dac4ad9445d37

    ==========================
    3. Matosinhos: Biblioteca Florbela Espanca é um sucesso

    A resposta da cidade à destemida aposta da Câmara Municipal de
    Matosinhos na Cultura está exposta na Biblioteca Florbela Espanca:
    43 mil utentes registados nos primeiros seis meses deste ano, dez
    mil exemplares emprestados, 15 mil acessos gratuitos à Internet. Até
    ao final do ano, o equipamento inaugurado há, apenas, 18 meses
    deverá ultrapassar os cem mil utilizadores. Sobretudo agora, com o
    alargamento dos utentes a toda a área Metropolitana do Porto.

    Mas é Cristina Pacheco, chefe de divisão de Turismo e Animação da
    autarquia, quem melhor resume a receita do êxito “Não é uma
    biblioteca clássica, onde se fala baixo e cuja função está confinada
    aos livros. Temos reuniões mensais com todas as áreas de intervenção
    da autarquia onde pensamos e discutimos a melhor forma de
    rentabilizar o espaço para melhor servir as pessoas”. Daí os
    ateliês, os workshops, as exposições. Daí também o volume de
    crianças e jovens que escolhem a biblioteca para entreter as férias.

    A Biblioteca Florbela Espanca tem cinco pisos, por onde estão
    distribuídos o auditório, o bar, sala de exposições, outra de
    jornais, espaço para as crianças e jovens, outro de leitura geral,
    zona de leitura para invisuais e outra para consulta do núcleo de
    reservados e arquivo histórico. Américo Cardoso, 80 anos, fica, no
    entanto, pela área da imprensa. “Nunca fico aqui menos de três
    horas”, assegura. Lê um ou dois jornais generalistas, os desportivos
    e os da cidade. Todos os dias. O mais difícil, afirma, “é, às vezes,
    encontrar um sofá livre”, onde possa recostar-se.

    https://jn.sapo.pt/2006/08/21/porto/biblioteca_florbela_espanca_quer_c
    he.html

    ==========================
    4. Coura: Junco sem a utilidade de antanho

    O corte de junco nos sapais dos rios Coura e Minho “está a acabar
    porque a gente nova não quer dedicar-se à agricultura”. Foi esta a
    justificação dada por Fátima Simões, residente em Argela, onde
    possui uma pequena exploração de bovinos para abate, uma das poucas
    agricultoras que se dedica a recolher o junco das junqueiras destes
    rios, com a finalidade de o utilizar para “cama” dos animais.

    https://jn.sapo.pt/2006/08/21/minho/junco_coura_e_minho_a_utilidade_an
    ta.html

    ==========================
    5. Tibães: Monjas preparam-se

    A comunidade religiosa que vai fazer regressar o Mosteiro S.
    Martinho de Tibães à sua característica originária chega em Setembro
    de 2007 a Braga para se adaptar à cultura portuguesa e aprender a
    língua. Passado cerca de 150 anos dos beneditinos terem deixado a
    principal sede portuguesa, é a vez de um grupo de monjas francesas
    conhecidas por Trabalhadoras Missionárias ocuparem o mosteiro.

    As monjas não viverão em regime de clausura, característica dos
    seguidores de S. Bento, mas vão seguir uma missão idêntica em
    relação à valorização do trabalho e ao modelo de auto-suficiência. A
    seu cargo ficará uma hospedaria e um restaurante, construídos no que
    resta das ruínas do noviciado e do antigo hospício, o local onde os
    hóspedes do mosteiro comiam com o Abade Geral por não poderem
    partilhar as refeições com os monges no refeitório.

    O restaurante “Eau vive” e a hospedaria que vão explorar estão
    abertos a todo o público, independentemente de irem ou não à procura
    de ajuda espiritual. O principal interesse dos visitantes pode
    confinar-se ao museu do Mosteiro de Tibães, aberto ao público há
    quase 20 anos, ou aos 40 hectares da zona verde que o envolve e que
    se torna numa das melhores paisagens para quem quer descansar.

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?
    op=artigo&sec=3c59dc048e8850243be8079a5c74d079&subsec=&id=4a4c045ac1d
    cabc51927d9f41c9c2aec

    ==========================
    ==========================

    Para se desligar ou religar veja informações no rodapé da mensagem.

    O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
    https://groups.yahoo.com/group/pned/

    Se quiser consultar os boletins atrasados veja
    https://campoaberto.pt/boletimPNED/

    ==========================
    INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

    Acima apresentam-se sumários ou resumos de notícias de interesse
    urbanístico ou ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal
    de Notícias e de O Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de outros
    jornais ou fontes de informação).

    Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e
    está aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu
    âmbito específico são as questões urbanísticas e ambientais do
    Noroeste, basicamente entre o Vouga e o Minho.

    Para mais informações e adesão à Associação Campo Aberto:
    contacto@campoaberto.pt
    telefax 229759592
    Apartado 5052, 4018-001 Porto

    Selecção hoje feita por Maria Carvalho

    __._,_.___

    =============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

    Para difundir mensagens escreva para: pned@yahoogrupos.com.br

    Neste grupo não são permitidas mensagens com anexos.

    Para assinar a lista envie mensagem sem assunto para: pned-subscribe@yahoogrupos.com.br e com o corpo da mensagem vazio.

    Para cancelar a assinatura envie mensagem em que o único texto é “unsubscribe PNED” (sem assunto/subject) para: pned-unsubscribe@yahoogrupos.com.br

    Para contactar directamente os coordenadores da lista envie mensagem a: pned-owner@yahoogrupos.com.br

    Se quiser informar-se das várias possibilidades para a leitura das suas mensagens ou da forma de alterar os seus dados pessoais, pode consultar:

    https://br.groups.yahoo.com/group/pned/

    =============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Boletim

    Deixar comentário