• Set : 17 : 2020 - ALERTA AOS CIDADÃOS: TRÊS JARDINS DO PORTO E 503 SOBREIROS EM GAIA AMEAÇADOS DE MUTILAÇÃO E ABATE
  • Mai : 14 : 2020 - Por Amor da Árvore 2020
  • Abr : 24 : 2019 - Poluição Luminosa
  • Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes

[Esta lista tem actualmente cerca de 380 participantes inscritos.]

Veja o site e o blogue da Campo Aberto:
https://www.campoaberto.pt/
https://campo-aberto.blogspot.com/

Veja também o blogue:
https://avenida-dos-aliados-porto.blogspot.com

Comente, participe. Divulgue!

==========================
Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o que é
e faz a Campo Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio!

Em alternativa assine a revista Ar Livre (que os sócios também recebem).

Peça informações:
campo_aberto@oninet.pt

==========================

BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

Sexta-feira, 18 de Agosto de 2006

==========================

Para os textos integrais das notícias consultar as ligações indicadas.

==========================
1. A terra, um dia, acaba!

Como se não bastasse a nossa própria experiência, eis que, de várias
fontes, chegam ao nosso conhecimento estudos, avaliações, relatórios
ou simples notícias que demonstram que o território português continua
em apressado processo de degradação. Isto não quer dizer que não haja
bons exemplos de bom uso do território, mas todos sabemos já que “não
é uma andorinha que faz a primavera”. Uso do território é tudo quanto
possa mexer com o espaço natural e com a paisagem tal como se
apresenta antes de qualquer intervenção humana, excepto aquela que
decorre da actividade agro-pecuária de tipo tradicional. Este tipo de
exploração que já é residual em Portugal, porque já só existe – e em
perda – em pequeníssimos espaços, era profundamente inteligente porque
se baseava numa sabedoria pacientemente construída ao longo de
séculos, no conhecimento dos recursos e das leis da natureza e na
consequente tentativa do aproveitamento optimizado desses mesmos
recursos e sem que isso significasse a sua destruição. Ora, é
exactamente esta característica – a da não-destruição – que distingue
a utilização inteligente dos recursos naturais, que o homem fez ao
longo de milénios, da sua utilização indigente que, hoje, caracteriza
esse mesmo uso. É que um dos princípios sagrados da exploração
tradicional ou clássica da terra era o da não-inviabilização da
continuidade dessa mesma exploração. O homem tinha a clara noção de
que a sua sobrevivência primeiro e, depois, a melhoria das suas
condições de vida (o tal “progresso”) dependiam da conservação
contínua das potencialidades instaladas em termos de recursos
naturais. A noção de que a terra, o solo e, portanto, o território era
um bem finito estava incisa na cultura que era o resultado de uma
experiência de séculos.

As gentes e os dias de hoje são diferentes. São diferentes nas
culturas e nas práticas e são o resultado dos últimos dois séculos de
revolução industrial dos vários “crescimentos” que esta radical
mudança provocou em todo o mundo. O excessivo individualismo e a ideia
de que a “economia” comanda a vida e o futuro enraizaram-se de tal
modo nos comportamentos que hoje já não há outros critérios finais que
não sejam os do “lucro” como valor supremo. Aliás, os resultados deste
modo de encarar as coisas e a vida estão bem à vista de todos. Alguém
disse um dia que os economistas estão para a economia como os
meteorologistas estão para o tempo. Isto é limitam-se a verificar e a
registar o que aconteceu e, quando muito, a arriscar uma previsão para
o dia seguinte mas não mais nem com muita convicção! Certamente que
aqueles que olham para o tempo presente pelo lado que sabem muito
limitado da pura quantificação dos movimentos das “mercadorias” me
perdoarão tão rude retrato, mas é tempo de aqueles que têm da vida a
única visão que é possível ter dela e que integra a maior das
complexidades não deixarem campo livre aos aprendizes de feiticeiro
que, vestidos das mais diversas e picarescas roupagens, andam pelo
mundo em busca do seu próprio proveito e só!

A orla costeira portuguesa é a mais degradada, segundo a Agência
Europeia do Ambiente, e está tudo bem? A urbanização da costa
alentejana aumentou mais de 60% em menos de dez anos, e isso não é
saque puro? Quioto não se cumpre e esconde-se tudo atrás de uma
cortina de eólicas? O Gerês arde, e isso não é catástrofe nenhuma? A
mata da Falperra, em Braga, é dizimada por um PDM revisto à medida, e
isso só irrita os vizinhos? Os sobreiros do Alentejo já foram, e não
há um só responsável por aquela mortandade? Os parques naturais podem
ser atravessados por auto-estradas que não vão dar a lado nenhum? Os
estudos de impacte ambiental só servem para mostrar o que não se devia
ter feito? O Douro e outros “patrimónios” ameaçam ficar reféns de
“resorts” de luxo, e isso é que é “progresso”? E tudo isto são – ou
podem ser – PIN (Projectos de Interesse Nacional)? O problema é que a
terra, um dia, acaba!

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/porto/a_terra_dia_acaba.html

==========================
2. Testar níveis de moxóxido de carbono

A campanha europeia anti-tabaco “Help” regressa a Portugal no domingo
e segunda-feira, desta vez à região do Porto, para efectuar rastreios
e sensibilizar as pessoas para os perigos do monóxido de carbono.

Naqueles dias, a “tenda Help” estará montada no NorteShopping, em
Matosinhos, onde os interessados poderão verificar os seus níveis de
monóxido de carbono /CO).

A campanha, lançada oficialmente em 2005 nos 25 países da União
Europeia, visa persuadir os cidadãos a deixarem de fumar e os jovens a
não iniciarem qualquer contacto com o tabaco.

Ao longo da campanha, que se encontra na sua segunda fase, serão
efectuados 50 mil testes, que servirão de base para a elaboração de um
estudo sobre os hábitos tabagísticos dos europeus.

O CO está presente no ar respirado pelos fumadores, que o originam de
cada vez que levam à boca o cigarro, charuto ou cachimbo, podendo ser
inalado também pelos não fumadores em espaços fechados.

Os seus efeitos negativos incluem redução da função cardíaca, risco de
formação de coágulos, asfixia por falta de oxigénio e, no caso das
grávidas, problemas no desenvolvimento do feto.

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/porto/testar_niveis_moxoxidode_carbono.html

==========================
3. Quercus e Governo trocam críticas

A associação ambientalista Quercus acusou o Governo de querer acabar
com os centros de valorização de resíduos, que devem entrar em
funcionamento em 2007, ao enviar para co-incineração matérias que
podem ser tratadas nestas unidades.

Em comunicado divulgado ontem, a Quercus indica que os 200 tipos de
resíduos diferentes que a cimenteira Cimpor se propõe queimar em
Souselas é “exactamente a mesma quantidade de 1998”.
Ao aceitar esta proposta e “enviar para co-incineração um leque tão
vasto de resíduos, o Governo assassina os Centros Integrados para a
Recuperação, Va lorização e Eliminação dos Resíduos (CIRVER), que se
tornam inteiramente inviáveis”, critica a Quercus.

Na sequência destas críticas, o Ministério do Ambiente acusou a
Quercus de “falta de melhores argumentos” ou “má fé”, negando querer
acabar com os CIRVER.
“Só por falta de melhores argumentos ou por má-fé é que se pode vir
alegar que o Governo mudou fosse no que fosse a sua intenção de
articular os CIRVER com a co-incineração”, refere em comunicado o
Ministério do Ambiente.

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/sociedade_e_vida/quercus_e_governo_trocam_criticas.html

Fim dos CIRVER antes do início
https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=b6d767d2f8ed5d21a44b0e5886680cb9&subsec=&id=69f6404586d0d52b98381576646de5ee

==========================
4. Preço da água aumenta 70%

Os habitantes do concelho de Arouca deverão ser confrontados, no final
do corrente mês, com um aumento significativo no valor da factura de
água a pagar à autarquia.

A Câmara Municipal de Arouca aprovou, recentemente, uma revisão das
tarifas que, segundo o Executivo, representará, em média, um aumento
de 70 por cento. No entanto, só o segundo escalão de consumo, um dos
mais utilizados pelos munícipes, “deverá registar um agravamento
superior a 100 por cento”, acusa a Oposição.

Lembrando que as tarifas de água “não eram actualizadas há mais de uma
década”, o presidente da Câmara Municipal, Artur Neves, justifica os
aumentos com a necessidade de minimizar o crescente défice que a
autarquia vinha registando com o abastecimento público de água.

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/porto/preco_agua_aumenta_70.html

==========================
5. Estacionamento à borla acaba nos parques do metro
Descampado nas imediações do Estádio do Dragão está convertido em
parque alternativo

O estacionamento vai passar a ser pago em todos os parques da rede do
metro de superfície do Porto. O sistema Park & Ride – permite a
“compra” de um lugar para a viatura e a viagem em transportes
intermodais com o título Andante – entrou esta semana em vigor, na
estação do Estádio do Dragão e será futuramente implementado nas
restantes 16 infra-estruturas do género existentes nos concelhos de
Matosinhos, Maia e Vila do Conde.

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/porto/estacionamento_a_borla_acaba_parques.html

==========================
6. Cinco mil peixes salvos de rio seco

Cerca de cinco mil peixes foram resgatados, ontem, junto à ponte do
rio Torno, em Gouvães da Serra, Vila Pouca de Aguiar. A operação de
emergência foi realizada pelo facto de o curso de água estar
praticamente seco. Os peixes foram transferidos para um local a
jusante onde a água é mais abundante.

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/norte/cinco_peixes_salvos_rio_seco.html

==========================
7. Terrenos dos TUB postos à venda

A empresa municipal de transportes urbanos de Braga (TUB) quer mudar
as instalações actuais por considerar que “não se coadunam com o plano
de renovação que está a ser empreendido pelo Conselho de
Administração” e, por isso, avançou com a publicação de um anúncio
público para a alienação ou permuta dos actuais terrenos.

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/norte/terrenos_tub_postos_a_venda.html

==========================
8. Principais ruas comerciais vão ser renovadas

A Câmara de Carrazeda de Ansiães iniciou um projecto de remodelação
das principais ruas comerciais. O objectivo é torná- -las mais
funcionais e dar-lhes uma imagem mais moderna. Os trabalhos estão a
ser executados de forma faseada, aproveitando- -se a intervenção para
substituir as redes de água e saneamento. Os passeios, o pavimento e a
iluminação pública também serão substituídos.

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/norte/principais_ruas_comerciais_ser_renov.html

==========================
9. Câmaras não devem gerir via-férrea
Linha do Tâmega em causa

“A CP não tem vocação para gerir supermercados, assim como as câmaras
também não estão vocacionadas para gerir linhas férreas”. É esta
mensagem que o Partido Ecologista “Os Verdes” vai transmitir, hoje,
aos presidentes das câmaras de Amarante e de Marco de Canaveses, com
quem têm audiências marcadas, no âmbito da iniciativa de protesto
contra o “alegado” encerramento da Linha do Tâmega. A jornada, que já
passou pelas linhas do Corgo e do Tua, desembarcou, ontem, na estação
de Santa Luzia, em Amarante, após uma curta viajem entre Livração
(Marco de Canaveses) e a cidade de Pascoaes. No Baixo Tâmega, “Os
Verdes” vão, antes, pedir ajuda aos autarcas “As câmaras têm aqui um
papel importante na defesa desta linha”, explicou ao JN Manuela Cunha,
dirigente de “Os Verdes”.

Recorde-se que a Autarquia de Amarante admitiu fazer uma parceria com
a do Marco de Canaveses, tendo em vista a gestão da via do Tâmega,
actualmente reduzida a um pequeno troço entre os dois concelhos, com
meia- -dúzia de ligações e centena e meia de utilizadores diários.

“A CP tem feito tudo para desadequar os horários às necessidades dos
cidadãos. E desta forma tem vindo a desincentivar o uso do comboio,
não por opção, mas porque os horários não se adequam às necessidades
das populações”, denunciou Manuela Cunha.

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/norte/camaras_devem_gerir_viaferrea.html

==========================
10. Praia fluvial no centro de polémica

“As opiniões da Crepúsculos, para mim, são tão irrelevantes que nem
merecem comentário”. Esta foi a primeira reacção do presidente da
Câmara de Esposende, João Cepa, às críticas ontem feitas pelo líder da
Associação Ambientalista à intenção da autarquia de criar uma praia
fluvial em Forjães, na zona da morena, junto ao rio Neiva.

A Câmara deu inicio ao processo de classificação de uma zona de 350
metros, na margem esquerda do rio. Ontem, o presidente da associação
ambientalista, João Oliveira, referiu que “será uma obra de ricos num
País de pobres, um autentico desperdício de dinheiros públicos”,
alertando também para a possível “subida em flecha da poluição do rio
durante a fase de construção”. O ambientalista adivinhou ainda “o
barulho, a ausência de civismo, o lixo pelo chão, os automóveis e toda
uma série de factores que permitem adivinhar que o rio Neiva será o
grande perdedor”.

João Cepa – que diz “não aceitar lições de moral de nenhuma associação
ambientalista, muito menos da Crepúsculos” – esclarece que o projecto
delineado só será posto em prática se o Ministério do Ambiente o
aprovar e para tal, primeiro, a zona tem de ser classificada como
praia fluvial. “Nessa altura pediremos a aprovação ao Ministério que
tem muito mais competência para se pronunciar sobre isto do que
qualquer associação ambientalista”, frisou o autarca que garante que a
Crepúsculos não tem conhecimento pormenorizado dos planos que a
autarquia tem para essa zona do rio Neiva. “Nunca ninguém da
Crepúsculos viu ou pediu à Câmara Municipal para os ver. Esta atitude
ou é ignorância total, que não me admira, ou é má fé. Estas obras são
para a protecção e preservação do espaço que já é utilizado como
praia”.

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/minho/praia_fluvial_centro_polemica.html

==========================
11. Fogo destruiu mais de nove mil hectares de paisagens protegidas

Diminuir dos riscos de incêndios, a curto prazo, e assegurar a
competitividade do sector, a longo prazo, através de seis linhas de
acção são os principais objectivos da Estratégia Nacional para a
Floresta.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=1679091c5a880faf6fb5e6087eb1b2dc&subsec=&id=4196ab1b16dcaa7a4e0d2c0936807103

Conselho de Ministros aprova Estratégia Nacional para as Florestas
https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=1679091c5a880faf6fb5e6087eb1b2dc&subsec=&id=4196ab1b16dcaa7a4e0d2c0936807103

==========================
12. Museu do Carro Eléctrico oferece viagens comentadas pelo Porto histórico

Criado em 1992 pela Sociedade de Transportes colectivos do Porto S.A
(STCP), para preservar uma colecção de carros eléctricos históricos, o
Museu do Carro Eléctrico está instalado em Massarelos, no edifício
onde outrora funcionou uma central termoeléctrica que sempre pertenceu
à empresa e que se encontrava totalmente devoluto.

Quem quiser recordar os dias gloriosos do eléctrico ou ficar a
conhecer este curioso e pitoresco meio de transporte pode utilizar a
linha 18, que vai do Carmo a Massarelos, e duas linhas na marginal, a
que liga o Infante a Massarelos e Massarelos ao Passeio Alegre.

Quem se deslocar a este espaço pode apreciar uma colecção de
fotografia composta por mais de 1500 imagens ilustrativas do
desenvolvimento do carro eléctrico e dos transportes públicos do Porto
desde os finais do século XIX até à actualidade. Uma colecção de
bilhética, de que fazem parte passes, talões e bilhetes desde 1883, e
uma colecção de manuseamento, constituída por réplicas de carros
eléctricos e por veículos reconstituídos para funcionarem em regime
regular aos fins-de-semana, e réplicas de outros artefactos, completam
o espólio.

O museu fornece também aos visitantes um guia no qual é dado a
conhecer o percurso dos transportes públicos no Porto,
contextualizando a sua evolução. Um conjunto de textos no qual é feita
uma breve descrição da Central Termoléctrica, no passado e no
presente, apresentando-se também a colecção. Um glossário, contendo o
significado de alguns termos ligados ao vocabulário dos eléctricos e a
bibliografia usada para a sua elaboração integram também o guia.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=3c59dc048e8850243be8079a5c74d079&subsec=&id=1b58dcdd983449f60d7f35056cf341a4

==========================
13. Centro Histórico de Gaia em regeneração

As obras no edifício da sede da Tuna Musical de Santa Marinha (TMST)
estão praticamente concluídas. A empreitada insere-se no processo de
reabilitação do Centro Histórico de Vila Nova de Gaia e de apoio ao
associativismo.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=2e66dc600ebe0894b5531e58c7916e9e

==========================
14. Verme está a provocar a morte de dezenas de cães

“O assunto não é para alarme, mas aconselho a que façam o teste aos
cães”, referiu, ao JN, Pimenta de Castro, veterinário municipal de
Caminha, ao abordar os casos de canídeos infectados por um verme
(Dirofilaria Immitis) devido a picadelas de mosquitos. No concelho de
Caminha, já foram detectados vários animais contagiados por aquele
parasita, cujas larvas entram na sua corrente sanguínea,
concentrando-se no coração e causando a obstrução do sangue devido à
criação de “novelos”. Os vermes podem atingir um comprimento de 30
centímetros, levando os cães à morte, ao fim de alguns anos.

O sintomas não são apreciados na fase inicial da infecção, mas logo
que comece a denotar-se cansaço súbito ou tosse, é sintoma de que a
doença (filariose canina) já se encontra numa fase adiantada, sendo
então difícil debelá-la, para além de ser dispendioso o tratamento.

https://jn.sapo.pt/2006/08/18/norte/verme_esta_a_provocar_a_morte_dezena.html

==========================

Para se desligar ou religar veja informações no rodapé da mensagem.

O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
https://groups.yahoo.com/group/pned/

Se quiser consultar os boletins atrasados veja
https://campoaberto.pt/boletimPNED/

==========================
INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

Acima apresentam-se sumários ou resumos de notícias de interesse
urbanístico ou ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal de
Notícias e d’O Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de outros jornais
ou fontes de informação).

Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e está
aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu âmbito
específico são as questões urbanísticas e ambientais do Noroeste,
basicamente entre o Vouga e o Minho.

Para mais informações e adesão à associação Campo Aberto:

Campo Aberto – associação de defesa do ambiente
Apartado 5052
4018-001 Porto
telefax 22 975 9592
contacto@campoaberto.pt
www.campoaberto.pt
campo-aberto.blogspot.com

Selecção hoje feita por Cristiane Carvalho

======================================

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Boletim

Deixar comentário