• Set : 17 : 2020 - ALERTA AOS CIDADÃOS: TRÊS JARDINS DO PORTO E 503 SOBREIROS EM GAIA AMEAÇADOS DE MUTILAÇÃO E ABATE
  • Mai : 14 : 2020 - Por Amor da Árvore 2020
  • Abr : 24 : 2019 - Poluição Luminosa
  • Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes

[Esta lista tem actualmente cerca de 380 participantes inscritos.]

Veja o site e o blogue da Campo Aberto:
https://www.campoaberto.pt/
https://campo-aberto.blogspot.com/

Veja também o blogue:
https://avenida-dos-aliados-porto.blogspot.com

Comente, participe. Divulgue!

==========================
Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o
que é e faz a Campo Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio!

Em alternativa assine a revista Ar Livre (que os sócios também
recebem).

Peça informações:
campo_aberto@oninet.pt

==========================

BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

Segunda-feira, 7 de Agosto de 2006

==========================

Para os textos integrais das notícias consultar as ligações
indicadas.

==========================
1. Opinião: É chegada a vez da Trindade

A Porto Vivo – Sociedade de Reabilitação Urbana admite demolir
quarteirões na zona da Trindade. Admite? Pois que não admita, vá já
para a demolição propriamente dita, pensei eu cá para os meus botões
quando li no Público a notícia de que algo está (ou vai estar) a
mexer naquela paragem citadina. Constituído, ainda, pelo que resta
das expropriações levadas a cabo para a abertura da Avenida dos
Aliados, aquele espaço urbano tão caracteristicamente portuense,
alberga hoje em dia um sem número de casas devolutas cujos rés-do-
chãos são ocupados por pequenos comércios. Subsiste ainda alguma
marginalidade, sobretudo centrada na Rua do Estevão, à sombra da
Santíssima Trindade e paredes-meias com a Domus Municipalis.

https://jn.sapo.pt/2006/08/07/porto/e_chegada_a_da_trindade.html

==========================
2. Porto: Molhes crescem a bom ritmo

Os trabalhos de estabilização das margens do Douro, possível com a
construção dos molhes da barra, deverão estar concluídos em Junho de
2007. No local é visível que falta muito para terminar a obra, mas o
Instituto Portuário e Transportes Marítimos garante que não há
atrasos.

Os grandes objectivos a alcançar com a concretização deste projecto
prendem-se com a melhoria da acessibilidade marítima, a protecção
marginal da cidade do Porto e a estabilização sedimentar do
Cabedelo, em Gaia, mantendo a capacidade de escoamento das cheias do
rio Douro, sendo que é primordial a estabilização das margens do
estuário e a melhoria das condições de navegabilidade.

Na obra de construção dos molhes da barra do Douro está ainda
prevista a criação de uma série de zonas de lazer dotadas de um
conjunto de jogos de divertimento e aventura, um bar esplanada e um
espaço de aluguer de bicicletas e patins. Os molhes terão ainda dois
passeios, um superior e ao ar livre, aberto sobre o mar e de
utilização condicionada à meteorologia, e outro interior, em galeria
fechada, com janelas rasgadas a sul e acesso permanente ao farol.
Esta será uma galeria que possibilitará o uso dos molhes nos meses
de Inverno, podendo assim as pessoas aceder até ao farol de
Felgueiras e daí observar o mar.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?
op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=17f6657ad4a
04653e45279f4a73e5667

Os molhes do Douro deverão ter outra importante valência e que se
relaciona com o aproveitamento da energia das ondas, conforme foi já
protocolado pelo Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos, a
Labele/EDP e a Consulmar. Não obstante, não está ainda formalmente
decidido pelo Governo se os molhes do Douro poderão acolher a
inédita central de produção de electricidade.

A tecnologia a aplicar nos molhes do Douro, caso a denominada
Central de Energia das Ondas seja construída, será a da coluna de
água oscilante. Isto é, as ondas criam um fluxo de ar que fará
accionar as quatro turbinas. Conforme anunciado, a central terá
capacidade para produzir o suficiente para as necessidades diárias
de 500 a 600 habitações, e deverá custar 2,8 milhões de euros. A
decisão terá ser tomada antes da instalaçãos dos últimos caixotões
de betão que formam o molhe, conforme frisaram na altura os
responsáveis pelas empresas.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?
op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=89951df933c
56822c718b0efabfcd21b

==========================
3. Porto: Parque tecnológico avança

O Parque de Ciência e Tecnologia, que ficará instalado no pólo da
Asprela, vai arrancar no próximo ano. O reitor da Universidade do
Porto, José Marques dos Santos, acredita ser possível iniciar e
concluir a construção durante 2007, estando actualmente a
ser “preparada a candidatura final ao financiamento”.

A criação do novo equipamento vai ser, na opinião de José Marques
dos Santos, “fundamental para acolher os «spin-off» [organismos/
empresas que aplicam no mercado de trabalho o conhecimento
resultante da investigação científica e tecnológica]” que a própria
Universidade do Porto “está a tentar promover”. O trabalho
desenvolvido no terreno, aponta, “tem demonstrado que há um enorme
potencial que, muitas vezes, não tem aparecido”. E como exemplo
refere o caso dos pedidos de patentes que, este ano, “são mais do
que o número de patentes registadas durante 2005 todo”.

Simultaneamente, o reitor reiterou a intenção de ver avançar a
construção de três novos edifícios, no âmbito do contrato-programa
assinado com o Governo em 2001 e que, até hoje, continua por
cumprir. Os projectos incluem um novo edifício para a Faculdade de
Medicina, um outro para o Instituto de Ciências Biomédicas Abel
Salazar (ICBAS)/ Faculdade de Farmácia e um terceiro para a
Faculdade de Nutrição.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?
op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=3b36e479279
aebae91ec07d25c49da2d

==========================
4. Amarante e Marco: Exploração da linha do Tâmega

Com o fim eminente das linhas do Corgo, Tua e Tâmega, os autarcas da
região já pensaram em soluções e chegaram mesmo a apresentar
propostas. O problema, dizem, é a falta de articulação entre a CP e
as autarquias. “O comboio não pode parar. Se tal acontecer Trás-os-
Montes fica sem ligação ferroviária ao litoral”, salientou o
autarca. “Se houvesse mais horários e em horas diferentes, o comboio
poderia ter sido um meio de transporte mais importante”, frisou.
Defendeu ainda um maior aproveitamento turístico da linha do Tua, a
qual considera que atravessa uma paisagem “deslumbrante”. Se a
intenção de construir uma barragem na foz do Tua avançar, esta linha
ficará completamente submersa, pelo que, o futuro do comboio no Tua
poderá estar seriamente hipotecado.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?
op=artigo&sec=e4da3b7fbbce2345d7772b0674a318d5&subsec=&id=a01562cd02a
8f155e2a409d111a3da45

Ao mesmo tempo que o país debate a introdução do comboio de alta
velocidade, a pequena aldeia nortenha de Alvações do Corgo receia
ver partir o seu único transporte público: o pequeno e pachorrento
comboio.

O comboio começou a atravessar o vale do Corgo em Abril de 1906 e,
mais de um século depois, continua a ser o meio de transporte
utilizado pelos habitantes de Alvações do Corgo, Vila Nova de
Penaguião, para se deslocaram a Peso da Régua, no coração do Douro,
ou à capital de distrito, Vila Real.

https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?
op=artigo&sec=e4da3b7fbbce2345d7772b0674a318d5&subsec=&id=0619647a80b
792a7ce99ec96acf8a18d

==========================
5. Luso: Há pouco mas bom mel

A seca do ano passado condicionou a floração e esta a quantidade de
mel produzido no Litoral Centro. Este ano há pouco mel, mas,
garantem os apicultores, o que há é de boa qualidade e vão demonstrá-
lo na Feira do Mel e do Pão do Luso, no próximo fim-de-semana (de 12
a 15 de Agosto).

Será um mel com um leve travo amargo provocado pela urze o deste
ano, já que a fraca floração originada pela seca limitou a esta flor
a recolha de pólen pelas abelhas, tornando-se menor a influência da
flor do eucalipto, uma das bases do mel produzido na região Centro.

Além dos frascos de mel, do pólen, muito apreciado pelas vitaminas
que possui, e dos licores e aguardentes de mel de confecção caseira,
os apicultores terão na banca produtos de beleza como champô,
sabonete ou cremes, colheres próprias para tirar o mel, bolos e
biscoitos, chá, e geleia real.

https://jn.sapo.pt/2006/08/07/centro/ha_pouco_bom_devido_a_seca_2005.h
tml

==========================
6. Coimbra: Carta de ruído

As áreas próximas das vias de tráfego, principalmente nos
aglomerados urbanos, são os locais onde se regista maior nível de
ruído no município de Coimbra. Esta é a principal conclusão de um
Mapa de Ruído, elaborado pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da
Universidade de Coimbra, e que agora foi entregue à Câmara Municipal.

Segundo o estudo, “os níveis sonoros existentes são condicionados
pela circulação automóvel, nomeadamente na A1, A14, no IC2, EN1, IP3
e na Via Rápida de Taveiro”. “São conclusões óbvias”, considerou o
vereador da Protecção Civil, Álvaro Sêco, ao criticar o estudo
por “esquecer a zona da Guarda Inglesa, onde houve recentemente
alterações ao trânsito que afectaram o ruído”.

“As principais vias rodoviárias situam-se no tecido urbano, porque
não há variantes a Coimbra”, lamentou João Rebelo, ao reivindicar
a “rápida construção da Circular Externa (IC3) e da futura variante
ao IC2”.

https://jn.sapo.pt/2006/08/07/centro/maiores_niveis_ruido_junto_vias_t
raf.html

==========================
7. Aveiro: Move Aveiro relança projecto BUGA

O projecto BUGA (Bicicletas de Utilização Gratuita de Aveiro) conta,
desde o início do mês, com uma rede alargada de parques, cerca de
duas dezenas, espalhados pela cidade, onde é possível apanhar e
deixar uma bicicleta. A utilização das BUGA passa a exigir a simples
colocação de uma moeda de 50 cêntimos (antes era preciso deixar um
documento) num sistema em tudo semelhante ao dos carrinhos de
compras dos supermercados.

https://jn.sapo.pt/2006/08/07/centro/move_aveiro_relanca_projecto_buga
.html

==========================
==========================

Para se desligar ou religar veja informações no rodapé da mensagem.

O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
https://groups.yahoo.com/group/pned/

Se quiser consultar os boletins atrasados veja
https://campoaberto.pt/boletimPNED/

==========================
INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

Acima apresentam-se sumários ou resumos de notícias de interesse
urbanístico ou ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal
de Notícias e de O Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de outros
jornais ou fontes de informação).

Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e
está aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu
âmbito específico são as questões urbanísticas e ambientais do
Noroeste, basicamente entre o Vouga e o Minho.

Para mais informações e adesão à Associação Campo Aberto:
contacto@campoaberto.pt
telefax 229759592
Apartado 5052, 4018-001 Porto

Selecção hoje feita por Maria Carvalho

__._,_.___

=============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

Para difundir mensagens escreva para: pned@yahoogrupos.com.br

Neste grupo não são permitidas mensagens com anexos.

Para assinar a lista envie mensagem sem assunto para: pned-subscribe@yahoogrupos.com.br e com o corpo da mensagem vazio.

Para cancelar a assinatura envie mensagem em que o único texto é “unsubscribe PNED” (sem assunto/subject) para: pned-unsubscribe@yahoogrupos.com.br

Para contactar directamente os coordenadores da lista envie mensagem a: pned-owner@yahoogrupos.com.br

Se quiser informar-se das várias possibilidades para a leitura das suas mensagens ou da forma de alterar os seus dados pessoais, pode consultar:

https://br.groups.yahoo.com/group/pned/

=============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Boletim

Deixar comentário