İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    2 – setembro 2. 2012
    Breves sínteses e comentários de artigos ou notícias sobre a terra e a Terra. Substitui boletins temáticos anteriores mas mantém os seus temas embora num só título. Os temas, conforme os casos, serão destacados em palavras-chave: ecologia da saúde, ecologia e economia, energia e clima, natureza e conservação, poluição das ondas, Porto e Noroeste, ruralidade e nova agricultura, etc. Elaborado por José Carlos Marques: jcdcm@sapo.pt.

    Palavras-chave: ruralidade, aldeia, Portugal rural.

    Orca Terra: comovente memória de uma ruralidade perdida
    Um pequeno livro (Orca Terra, de Rosa Salvado Mesquita) que se recomenda com ênfase a todos aqueles, e são muitos já, que consideram a ruralidade uma componente viva, valiosa, descurada (mas a merecer por isso mesmo atenção redobrada) da realidade do nosso território, sociedade e caráter.
    Como, se o descrevemos (responsabilidade nossa) chamando-lhe «comovente memória de uma ruralidade perdida»? Precisamente por isso. A forma concreta da ruralidade portuguesa como a Autora a conheceu no início dos anos 1960, ou como outros a conheceram no início dos anos 1950, é irrecuperável. E se em parte nem sequer seria desejável recuperá-la tal qual, por outro lado há nela muito que, preservado em memórias como esta (ou em instrumentos mais «objetivos» como os trabalhos de antropólogos, etnólogos ou musicólogos – quanto a estes últimos pensamos num Armando Leça e num Giacometti, por exemplo) poderá iluminar e ajudar a perspetivar os vários movimentos e iniciativas, em número crescente nos últimos anos, que vêm dando corpo e voz à criação/recriação de uma nova ruralidade como elemento imprescindível do nosso futuro.

    Isto recusam-se a compreender os que, com muito aparato académico, não param de denunciar a ruralidade como «mito». Querem eles dizer, num sentido nada académico e até vulgar, como algo de falso, de irreal, de inexistente, de fantasista, ou até de pouco recomendável e a erradicar. Ignoram que mito, religião, filosofia e ciência nasceram de um mesmo filão, e é o mito que está na origem dele.
    No belo livro de Rosa Salvado Mesquita há certamente «mito», como aliás refere o prefaciador, Arnaldo Saraiva. Mas num sentido autêntico, como algo que, problemático embora, contém elementos de uma verdade essencial. Orca, essa aldeia da Beira Baixa, rememorada e comemorada neste livro, contém essa parte de verdade essencial cuja luz a Autora (ajudada pelos belos desenhos a lápis de Júlia Cartaxo) faz projetar sobre o nosso presente – para quem quiser aprender com esse passado ainda tão próximo. Como bem nota ainda Arnaldo Saraiva, o livro é ficção também – sobretudo para os que não conheceram essa realidade, acrescentaríamos nós. Muitos, que não passaram pela Orca, mas conheceram noutros muitos cantos do país uma cultura e uma civilização (pois é isso, a famosa «ruralidade»!) em quase tudo idênticas, verão nele sobretudo, como diz mais uma vez Saraiva, memória, testemunho, história, autobiografia, antropologia, etnografia. Vida, sobretudo, dizemos nós.
    Voltando ao prefácio, a pequena narradora (que não é senão a Autora em criança) está sempre atenta aos sinais da terra, da paisagem, da fauna, da flora da Orca, às suas ruas, às suas casas, grandes e pequenas, igreja, capelas, currais e palheiros, poleiros, alambiques. Mas também «aos seus rituais, comunitários ou familiares, de trabalho e de festa». Uma Orca símbolo ou metáfora de um Portugal antigo, rural, interior, pobre, sofrido, ainda nas palavras do prefaciador. Que logo acrescenta: «mas vivo e susceptível de provocar deslumbramentos». E é sobretudo essa vida e esse deslumbre que ela em nós acorda.

    Com as suas 134 páginas em formato bolso, e o seu baixo preço que não chega aos oito euros, este livro pode (quase diria: deve) ser adquirido nas livrarias, ou diretamente ao editor: 100LUZ, Castro Verde 2011, ISBN 978-989-8448-05-7, editora@100luz.pt, www.100LUZ.pt

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Boletim

    Deixar comentário