İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

windows 10 pro office 2019 pro office 365 pro windows 10 home windows 10 enterprise office 2019 home and business office 2016 pro windows 10 education visio 2019 microsoft project 2019 microsoft project 2016 visio professional 2016 windows server 2012 windows server 2016 windows server 2019 Betriebssysteme office software windows server https://softhier.com/ instagram takipçi instagram beğeni instagram görüntüleme instagram otomatik beğeni facebook beğeni facebook sayfa beğenisi facebook takipçi twitter takipçi twitter beğeni twitter retweet youtube izlenme youtube abone instagram

    QUE FAZER? QUE ESPERAR DO FUTURO?
    Colocado em 27 de outubro de 2021

    Veja também:
    https://www.campoaberto.pt/2021/10/31/dia-da-justica-climatica-comparece-sabado-6-de-novembro-1500/

     

     

    SESSÃO PÚBLICA NO PORTO POR OCASIÃO DA COP 26
    que decorre de 31 de outubro a 12 de novembro em Glasgow, Reino Unido
    Sexta-feira, 5 de novembro de 2021, às 21:15, no Cinema Passos Manuel
    Inscrições: atividadesca@gmail.com (indicar nome, email e telefone – para caso de emergência – de cada pessoa a inscrever
    Se só puder decidir-se à última hora, pode inscrever-se no próprio dia e local (chegue um pouco antes se possível)
    A entrada, não obstante, é livre e gratuita.

    Organização:
    Greve Climática Estudantil do Porto
    Campo Aberto – associação de defesa do ambiente

    Apoio: ACER – Associação Cultural e de Estudos Regionais; Clube Unesco da Cidade do Porto; NDMALO-GE: Núcleo de Defesa do Meio Ambiente de Lordelo do Ouro – Grupo Ecológico; Movimento por um Jardim Ferroviário na Boavista.

    Convidam-se todos os residentes na região norte (e mesmo noutras partes do país) a estarem presentes nesta reunião, onde debateremos a atual situação climática e ambiental, a sua extrema gravidade e a inércia dos governos e das sociedades. Sabemos o que nos trouxe aqui, sabemos também, pelo menos parcialmente, os cenários que nos esperam, mas pouco sabemos da surpreendente e contraditória «resposta» que hoje estamos a dar à situação, incluindo aquela que é dada pelas COP (Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, anualmente, decorrente da Cimeira do Rio, de 1992) e pela chamada comunidade internacional.

    O conhecimento científico da situação climática atingiu hoje um estádio muito detalhado e sofisticado na descrição e projecção das transformações que estão a ocorrer. Mas a divulgação, o debate e a repercussão públicas desse conhecimento e do que ele significa para as nossas existências encontram-se ainda num grau muito incipiente. Estamos distraídos e anestesiados, o que não será casual. Importa conhecer tudo aquilo que trabalha para a nossa perplexidade e paralisia, incluindo o nosso próprio contributo para essa anomia.

    Temos perguntas que queremos colocar (e acolheremos as vossas): o que é e para que serve uma COP? O que é o Painel Intergovernamental e qual o atual estado do conhecimento das Alterações Climáticas? Podem a ONU – Organização das Nações Unidas e os Estados que a integram gerir as alterações climáticas? Que papel cabe aos cidadãos e quais são as ameaças que impendem sobre todos nós? Que representações das alterações climáticas partilhamos e quem as fabrica? Que fazer? Que esperar do futuro?

    Mais informações:

    Participe  neste debate agendado para a próxima sexta-feira, dia 5 de novembro, às 21:15, no Cinema Passos Manuel, no Porto.

    Trata-se de uma iniciativa da Campo Aberto, em colaboração com a Greve Climática Estudantil do Porto, e o apoio de outras associações e movimentos, na qual propomos tentar fazer um ponto de situação sobre as Alterações Climáticas, na sequência da publicação do último relatório do IPCC e no momento em que se inicia a 26ª Cimeira do Clima, em Glasgow.

    Pretende-se que este debate contribua para o esclarecimento das principais conclusões do documento publicado em Agosto pelo IPCC, as suas implicações para Portugal e de que forma(s) cidadãs e cidadãos preocupados poderão preparar-se e actuar. O debate contará com a moderação da jornalista Arminda Deusdado (licenciada em Ciências Históricas e jornalista, da produtora Farol de Ideias e do conhecido Programa Biosfera na RTP2) e com a participação de:

    • Carlos Leitão Pires (Climatologista e Doutorado em Meteorologia pela Universidade de Paris VI, Professor Auxiliar da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)
    • Anabela Carvalho (Doutorada na University College London, Professora Associada no Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade do Minho)
    • Jorge Leandro Rosa (Filósofo, Ensaísta, Tradutor, doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa, Investigador no Instituto de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto)

    Tópicos a debater:
    – o que concluiu o último relatório do IPCC
    – que implicações para Portugal
    – o que devemos e ainda podemos fazer?
    – como interpretar os discursos contraditórios sobre as alterações climáticas
    – como comunicar eficazmente a emergência climática
    – justiça climática, dimensões ambientais, sociais e económicas
    – consequências físicas, químicas, biológicas e sociais do processo em curso de transformação do nosso planeta

    A participação é livre e gratuita, mas é conveniente a inscrição, através do email atividadesca@gmail.com. Aqui pode ser consultada informação mais detalhada:

    https://www.campoaberto.pt/2021/10/27/justica-climatica-biodiversidade-transicao-ecologica-mais-que-energetica/

    E também, no sábado 6 de novembro…

    Este convite é extensivo a uma segunda iniciativa que decorrerá no dia seguinte, sábado. Trata-se de um desfile, com partida às 15h, da Praça D. João I, em simultâneo com outras manifestações pelo mundo, a propósito do arranque, em Glasgow da 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26). Estas manifestações, às quais simbolicamente nos associamos, têm o objetivo de pressionar os decisores políticos para a tomada de decisões necessárias e urgentes para mitigar os impactes das alterações climáticas resultantes da actividade humana.

    Ver:

    Dia da Justiça Climática: comparece sábado 6 de novembro 15:00

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Deixar comentário