İzmir escort » İzmir eskort bayan » Vip Escorts beydağ escort bornova escort buca escort çeşme escort seferihisar escort beylikdüzü escort avrupa yakası escort mecidiyeköy escort beşiktaş escort Escort Paris porn tube porno porn porno amateur

    Destaque: Acabar com o Domingo?

    A grande distribuição quer acabar com o Domingo (n.º2). Há ainda quem
    se oponha mas parece que a lei do comercialismo mais extremo (uma
    forma de “fundamentalismo” que poucos denunciam…) leva vantagem.

    Mas há outros extremismos: como o de, num Estado que tanto exalta o
    sector Privado, fazer máquinas entrar nos quintais e jardins dos
    pacatos cidadãos contra a vontade destes e em desrespeito até de
    estudos de impacto ambiental (n.º 3).

    O Programa Alimentar Mundial, por seu lado, denuncia (n.º 4) o
    tsunami silencioso da fome. Forças de idêntico extremismo estão na
    raiz do fenómeno.

    Na moda das “requalificações”, chegou a vez das encostas do Douro no
    seu troço final de 15 km. Diz-se (n.º 5) que se “deverá ter em conta
    a protecção e valorização do rio e das encostas”. Mas se a
    “valorização” implicar o contrário dre “protecção”? Mas se os
    apetites imobiliários acharem uma encosta mesmo boa para “valorizar”,
    quem vai “proteger”? Adivinham-se dias difíceis para as escarpas do
    Douro…

    JCM

    Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

    Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o que
    é e faz a Campo Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio.

    Campo Aberto – associação de defesa do ambiente
    www.campoaberto.pt
    Apartado 5052
    4018-001 Porto
    telefax 22 975 9592

    ==========================
    BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
    resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

    Quarta-feira, 23 de Abril de 2008

    ==========================
    Para os textos integrais das notícias consultar as ligações indicadas.
    ==========================

    1. Arouca: Câmara de Arouca recebeu ontem o Prémio Geoconservação 2008

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=75ccbf251cfcf86eb6ecc339aaf4b801

    “Não basta ter um património de valor”

    Diamantino Pereira, da ProGeo, e presidente do júri que atribuiu ao
    Geoparque Arouca o Prémio Geoconservação 2008, enalteceu ontem o
    papel da autarquia, lamentando que outros projectos tenham morrido
    por desinteresse político.

    Durante a cerimónia de entrega do prémio, atribuído por unanimidade e
    simbolicamente entregue no Dia Mundial da Terra, Diamantino Pereira,
    da Associação Europeia para a Conservação do Património Geológico
    (ProGeo) salientou que “não basta ter um património de valor”, sendo
    necessário “empenho na sua promoção junto do público, para criar mais
    valias, nomeadamente através do geoturismo”. “Outros projectos
    iniciados em Portugal, igualmente com diversidade geológica e de
    valor científico, morreram por não terem sido reconhecidos como
    prioritários pelas autarquias respectivas”, lamentou, salientando “o
    elemento fundamental que a Câmara de Arouca tem sido no processo” do
    projecto premiado. Segundo Diamantino Pereira, o município de Arouca
    está a apostar pela via correcta, aliando o seu património geológico
    notável, mesmo em termos internacionais, a uma equipa científica, com
    um plano de valorização que suporte o crescimento sustentado da
    região. O prémio Geoconservação 2008 foi atribuído por unanimidade à
    Câmara de Arouca, “pelo carácter inovador, relevância científico-
    pedagógica e relevância para o público em geral do projecto
    “Geoparque Arouca”, atendendo ao trabalho desenvolvido de
    inventariação, aos níveis de protecção e conservação e à valorização
    do património.

    Artur Sá, coordenador da equipa científica do Geoparque, corroborou o
    merecimento da distinção pela autarquia, que “sempre mostrou
    sensibilidade e viu que o projecto seria uma mais valia para a
    região”. “A diversidade geológica de Arouca, em apenas 320
    quilómetros quadrados, é muito importante pelas histórias que conta.
    Nestas serranias, as rochas contam os capítulos de um passado muito
    longínquo da Terra, com ocorrências singulares de importância
    mundial, como as “pedras parideiras” ou as trilobites de Canelas”,
    disse. A riqueza desse património tem permitido à equipa que
    coordena, ao longo de dois anos, “uma vasta produção científica, com
    mais de 20 publicações em congressos internacionais” e foi alvo de um
    inventário científico que serve de base à candidatura do “Geoparque
    Arouca” à Unesco, para integrar a rede global de geoparques, que
    deverá ser entregue no segundo semestre deste ano.

    O presidente da Câmara de Arouca, José Artur Neves, reconheceu que o
    projecto “está a ultrapassar as expectativas iniciais” e deu conta de
    que foram já aprovados pelos órgãos autárquicos os estatutos da
    associação que vai gerir o Geoparque.

    Geoparque
    Valências
    O autarca de Arouca deu conta do avanço de alguns elementos que vão
    integrar o Geoparque, como a “Casa das Parideiras” já em projecto, as
    negociações para a instalação de um centro de interpretação ambiental
    nos Viveiros da Granja, e a aquisição do complexo mineiro do Rio de
    Frades, de que “já está o acordo feito”.

    ==========================
    2. Porto: Movimento Cívico divulgou iniciativas para tentar travar
    liberalização dos horários
    Comércio promete luta

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=eccbc87e4b5ce2fe28308fd9f2a7baf3&subsec=&id=c7692e016d0ab6cda9f72d0ab75cd34c

    Um abaixo-assinado com mais de 100 mil subscrições, reuniões com
    entidades políticas e religiosas, debates e um sítio na internet são
    as iniciativas que o Movimento pelo Encerramento do Comércio ao
    Domingo vai realizar para impedir a liberalização dos horários.

    O Movimento Cívico pelo Encerramento do Comércio ao Domingo (MCECD)
    vai lançar uma nova campanha de recolha de assinaturas através das
    micro e médias empresas junto dos consumidores, iniciativa que irá
    decorrer durante cerca de dois meses e que deverá permitir juntar
    mais de 100 mil subscrições a serem entregues na Assembleia da
    República (AR). Numa conferência realizada ontem, a comissão
    executiva do MCECD adiantou que vai ainda solicitar reuniões com o
    Presidente da República, os partidos políticos com assento na AR, o
    secretário de Estado do Comércio, o presidente da Conferência
    Episcopal e o Bispo do Porto. A serem preparados estão também três
    debates no Porto, Coimbra e Lisboa e um sítio na internet para
    divulgação das posições do movimento.
    O PSD acabou de apresentar uma proposta de lei na AR que “é
    completamente liberalizadora”, ajuizou Jorge Pinto, do Movimento,
    adiantando que a discussão da proposta – que consiste na
    liberalização dos horários do comércio – está agendada para daqui por
    três semanas. “Estamos preocupados que haja um conluio do bloco
    central de interesses em aprovar a lei”, sublinhou o responsável. O
    MCECD defende uma situação idêntica à de Espanha em que todo o
    comércio, incluindo hipermercados, supermercados e centros
    comerciais, está fechado aos domingos e feriados, apenas abrindo 10
    domingos por ano. Jorge Pinto alerta que a liberalização dos horários
    poderá ser o fim do comércio dito de rua ou tradicional, das micro e
    médias empresas que não têm capacidade para competir com as grandes
    superfícies. Além da questão económica e financeira, o Movimento
    assenta também em princípios sociais, considerando que é necessário
    existir um dia comum de descanso. Fernando Milheiro frisou que o
    MCECD, movimento nascido no Porto, “tem a convicção de que a
    sociedade é um conjunto de pessoas que necessitam de estabelecer
    relação entre si”. Este membro da comissão executiva afiançou que
    “seja qual for o caminho das leis, o movimento não acaba porque tem
    atrás de si 100 anos de grande luta”.
    Laura Rodrigues, que é também a presidente da Associação dos
    Comerciantes do Porto, alertou que os “centros comerciais estão a dar
    cabo da economia de um país para enriquecer magnatas da distribuição
    e da construção”.
    Recorde-se que recentemente a Associação Portuguesa das Empresas de
    Distribuição (APED) lançou recentemente uma petição pela
    liberalização dos horários que foi subscrita por 250.000 clientes em
    seis meses.

    ==========================
    3. Lisboa: Para impedir entrada de máquinas nas propriedades
    CRIL: moradores ameaçam recorrer à força

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=e4da3b7fbbce2345d7772b0674a318d5&subsec=&id=3adf663ef3bd7ec9403204e86131cf4f

    Os moradores do Bairro de Santa Cruz, Benfica, onde vai passar o
    troço final da Circular Regional Interior de Lisboa (CRIL), ameaçaram
    recorrer à força para impedir a entrada das máquinas nas suas
    propriedades.

    Numa reunião que ontem teve lugar ao fim do dia, os moradores
    decidiram “as medidas drásticas” que admitem tomar e um manifesto que
    enviarão ao Presidente da República, ao Procurador-Geral da República
    e a “todas as outras entidades com competência para decidir nesta
    matéria”, disse à Lusa Jorge Alves, da associação de moradores.
    “Admitimos bloquear a entrada das máquinas se tentarem entrar na
    propriedade das pessoas. É preciso denunciar a desadequação deste
    projecto, que é ilegal por violar de forma grosseira a Declaração de
    Impacto Ambiental (DIA)”, disse. No manifesto, os moradores lembram
    que o projecto do último troço da CRIL, que ligará o nó da Buraca ao
    da Pontinha e este à rotunda de Benfica, “atenta de forma grave
    contra a qualidade de vida” da população e “ignora outras soluções
    projectuais que apresentam inegáveis vantagens para as populações”.
    Defendem ainda que os motivos dos “atropelos” são “os interesses
    imobiliários promovidos pela Câmara da Amadora”, que acusam de agir
    “no exclusivo interesse de uma elite minoritária, em total
    desrespeito pelo ambiente, segurança rodoviária e pela qualidade de
    vida de milhares de cidadãos”.

    ==========================
    4. Mundial: Preço dos alimentos constitui tsunami silencioso
    Dezenas de milhões ameaçados pela fome

    https://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=b6d767d2f8ed5d21a44b0e5886680cb9&subsec=&id=9a53bcd09bce69a008bbbc6dd9e8731e

    O Programa Alimentar Mundial advertiu ontem que a subida do preço dos
    produtos alimentares constitui o maior desafio da sua história, um
    “tsunami silencioso” que pode ameaçar de fome dezenas de milhões de
    pessoas.

    ==========================
    5. Porto e Gaia: Criado plano estratégico para 15 quilómetros de encosta do Douro

    Obra de ligação da freguesia da Afurada à frente de mar está quase
    concluída

    Foi ontem adjudicada a elaboração do Plano Estratégico de
    Desenvolvimento das Encostas do Douro (PEDEP), pela Câmara de Gaia, a
    Luís Ramos, especialista em questões de Planeamento e Ordenamento do
    Douro, da Universidade de Trás-os-Montes.

    “Um projecto que fará a reconciliação desta área com o restante
    território e que deverá captar meios financeiros do QREN”, afirmou o
    vice-presidente, Marco António Costa, salientando que o plano deverá
    estar concluído em cinco meses para que sejam apresentadas as propostas.

    Adjudicado pelo valor de 74800 euros, o PEDEC visa criar um documento
    operativo que define os mecanismos necessários para a reabilitação da
    margem esquerda do rio Douro, numa extensão de 15 quilómetros, entre
    Crestuma e o Centro Histórico de Gaia.

    Um projecto que, a somar a outros já em curso (ver caixa), referidos
    pelo presidente da autarquia, Luís Filipe Menezes, “fará alguns
    responsáveis políticos da Área Metropolitana do Porto mudarem os seus
    discursos para explicar a diferença do desenvolvimento entres os
    concelhos”.

    Menezes acrescentou que “agora, Gaia começa a colher os frutos do
    trabalho que tem vindo a fazer nos últimos tempos, com a instalação
    de empresas, investimento imobiliário e de comércio de qualidade”.

    O plano para as encostas do Douro tem como principal aposta a criação
    de zonas residenciais de baixa densidade urbanística (as quintas no
    Douro), que poderão ter características urbanas ou rurais. Aposta
    ainda na navegabilidade do Douro, por forma a permitir alguns
    desportos aquáticos e também o aproveitamento dos espaços verdes para
    a prática de golfe.

    O PEDEC deverá ter em conta a protecção e valorização do rio e das
    encostas, estabelecendo como estratégias o recreio e lazer, a
    prevenção do risco de erosão e de inundação e o ordenamento florestal.

    ==========================

    Para se desligar ou religar veja informações no rodapé da mensagem.

    O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
    https://groups.yahoo.com/group/pned/

    Se quiser consultar os boletins anteriores veja
    https://campoaberto.pt/boletimPNED/

    ==========================
    INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

    Acima apresentam-se sumários ou resumos de notícias de interesse
    urbanístico ou ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal
    de Notícias e d’O Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de outros
    jornais ou fontes de informação).

    Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e
    está aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu
    âmbito específico são as questões urbanísticas e ambientais do
    Noroeste, basicamente entre o Vouga e o Minho.

    Selecção hoje feita por José Carlos Marques

    =============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

    Imprimir esta página Imprimir esta página

    Categorias: Boletim

    Deixar comentário