- Campo Aberto - https://www.campoaberto.pt -

Boletim PNED de 12 de Agosto de 2003

(Para qualquer problema com esta lista, ver informações no final do texto e
instruções no rodapé da mensagem)

InfoPNED – Informação do Porto e Noroeste em Debate

Seleção hoje feita por Alexandre Bahia

Terça-feira, 12 de Agosto de 2003

JORNAL DE NOTÍCIAS

1.
O mais carismático dos pinhais

Alexandra Serôdio
Situado no concelho da Marinha Grande, o pinhal de Leiria, ou do Rei, tem 19
quilómetros de comprimento por 8,5 de largura. A tradição atribui a D. Dinis a
sementeira deste pinhal, caracterizado pelo pinheiro bravo e enriquecido com
algumas árvores classificadas de interesse público.
2.
Os espaços silvestres Biodiversidade Floresta Funções

As florestas são apenas uma parte de um universo muito rico e complexo que são
os espaços silvestres. Os espaços silvestres (64% do território nacional)
compreendem as áreas dedicadas à actividade florestal (38% do território), os
incultos de matos e pastagens espontâneas, pousios agrícolas e terrenos
abandonados (23%), as águas (1%) e as áreas improdutivas de formações rochosas e
praias (2%) são um imenso património biológico (animais e plantas) e
paisagístico.
3.
Produtores criam equipas para proteger plantações

Brigadas Nas matas de vocação industrial, diz a tradição que quase não há fogo
que lhes chegue O segredo reside em vigilância apertada e entregue ao saber de
profissionais
Eduardo Pinto
Dez homens, cinco no concelho de Murça e outros tantos no de Sabrosa, palmilham,
de domingo a domingo, oito mil hectares de floresta. São sapadores florestais.
Têm como principal missão a prevenção de incêndios. Estão ao serviço da
Associação Florestal do Vale do Douro Norte (Aflodounorte), que engloba os
municípios do Sul do distrito de Vila Real, num total de 35 mil hectares de
floresta. Para já, só prestam serviço naqueles dois concelhos, porque são os
mais florestados. “Com muito bons resultados”, assegura o presidente da
colectividade, António Aires.
4.
Protecção Civil refuta críticas

O vice-presidente do Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil garantiu,
ontem, que tem estado em “articulação permanente” com o Instituto de
Meteorologia (IM) e negou que tenha ignorado os alertas de risco de incêndio,
como escreveu ontem o “Expresso”. Pedro Lopes disse que, desde que os incêndios
começaram, o SNBPC “já se antecipou, muitas vezes, aos comunicados” do IM,
alertando a população e as entidades de Protecção Civil para a situação. Quanto
ao cálculo do índice de risco de incêndio, que só é disponibilizado pelas 14.30
horas de cada dia, diz que esta limitação decorre do modelo de cálculo. “Não é
possível exigir mais ao IM”, disse, considerando que “tem sido suficiente” para
colocar o dispositivo no terreno.
5.
Recusar uma limpeza da mata pode dar multa

Francisco Ribeiro Agência Lusa
A lei determina que os proprietários de terrenos florestais devem manter limpa
uma área de 50 metros em redor de qualquer construção, mas, apesar da multa
mínima ser de 200 euros, ainda é difícil convencer muita gente a cumprir. Um
caso típico ocorreu esta semana nos arredores de Amarante, onde um homem que
possui uma casa na encosta da serra, rodeada de árvores por todos os lados, se
debate com a indiferença de um vizinho. O homem limpou todo o terreno que possui
em volta da casa, mas está preocupado com as consequências de um eventual
incêndio porque o terreno do vizinho, num dos lados, fica a menos de 50 metros
da sua casa.
6.
Ribeiro Teles Arq.º paisagista

Que reflorestação para as áreas ardidas? Seria uma erro calamitoso repovoar as
áreas ardidas como estavam. Seria uma estratégia especulativa e incompetente.
Não quero ver a continuação dos erros do passado, mas acredito que a situação se
irá manter.
7.
Sousa Macedo Dir. Ger. da Floresta

O que vai acontecer às áreas ardidas? Está a ser criada uma estrutura nacional
de emergência, directamente dependente do ministro da Agricultura, para
responder a dois grandes desígnios, na perspectiva de que os fogos não são só
uma calamidade, mas são também um sítio de oportunidade. Há que avaliar e
compensar prejuízos e recuperar o potencial produtivo destruído pelo fogo, fazer
a gestão dos salvados e orientar os proprietários para não serem enganados por
eventuais especuladores.
8.
Um país para erguer das cinzas

Incógnitas A história de Portugal foi marcada por várias fases de destruição de
floresta, em alternância com processos de arborização que resultaram no
predomínio de espécies “incendiárias” No momento da reflores tação, há apelos
para não serem cometidos os mesmos erros
Teresa Costa
E se arde tudo? Só por ironia se pode chamar a isto vida. Pesa a sina de estar
enraizado entre nós o fogo como agente purificador e, em simultâneo, como uma
referência punitiva e de destruição, a ponto de, com desfaçatez, ter ceifado ao
país uma parte vital do pulmão.
9.
Cadastros florestais são mal aproveitados

risco Dois documentos identificam vulnerabilidade das diferentes regiões
Estruturas de combate deveriam ter mais informação nessa área
Inês Cardoso
Que meios permitem prever as zonas que terão mais risco de sofrer incêndios até
final do Verão? São, essencialmente, três os documentos que, cruzados, permitem
uma resposta aproximada. Meteorologia e caracterização de florestas são os
vectores principais, mas nem sempre há articulação que garanta, previamente, o
seu aproveitamento no plano da prevenção.
10.
Gestão da água em debate

eSTOCOLMO Simpósio Mundial analisa o efeito do crescimento populacional e
económico sobre os recursos hídricos Mais de mil milhões de pessoas não têm
acesso a água potável

Mais de mil milhões de pessoas em todo o Mundo estão actualmente privadas do
acesso a água potável e mais de dois mil milhões não dispõem de saneamento nos
locais onde vivem. E calcula-se que, até 2050, um quarto da população mundial
viva em países afectado pela falta de água doce.

11.
Governo anuncia apoios

reconstrução Ministério da Segurança Social compensa perda de rendimentos e
emprego Pasta da Agricultura indemniza perda de animais e de pasto e apoia
recuperação das explorações
Telma Roque * * Com AGÊNCIA LUSA
Os ministérios da Segurança Social e do Trabalho e da Agricultura
Desenvolvimento Rural e Pescas anunciaram, ontem, várias medidas de auxílio
imediato a pessoas cujos postos de trabalho, habitações, empresas e explorações
foram perdidos ou afectados pelos incêndios das últimas semanas.
Grande Porto
12.
Associação da Pasteleira com os dias contados

porto inconformismo Câmara Municipal vai assumir em definitivo gestão do núcleo
desportivo
Elisabete Correia
A Associação Desportiva e Recreativa da Pasteleira pode ter os dias contados. O
terreno pertence à Câmara Municipal do Porto que, no início do próximo ano, se
encarregará da gestão de todos os seus parques e rinques. Inconformado com a
situação, Manuel Barbosa, presidente da associação, que conta já 42 anos de
existência, afirma que, desde que assumiu funções, há oito anos, muitas coisas
foram melhoradas. Refere que “numa primeira reunião com os vereadores da
altura”, expôs a necessidade de terem uma sede condigna, “de se construirem
balneários novos e de se arranjar o campo.
13.
Há água nas torneiras mas problema continua

Rotura Conduta da marginal em reparação enquanto se instala outra, mais pequena,
que servirá como alternativa
Virgínia Alves
O abastecimento alternativo através de uma pequena conduta, em conjunto com o
abastecimento feito a partir da zona ocidental da cidade do Porto, permitiu que
a água voltasse a correr, ontem de manhã, nas torneiras dos bairros da Mouteira
e Condominhas, em Lordelo do Ouro, os mais afectados pela rotura da conduta da
marginal que ocorreu anteontem.
14.
Lutar contra o uso e abuso de drogas

matosinhos projecto Câmara anuncia programa para fazer frente ao crescimento da
toxicodependência no concelho

ACâmara de Matosinhos anunciou, ontem, a criação de um plano municipal de
prevenção do uso e abuso de drogas para combater o “acentuado crescimento” da
toxicodependência no concelho e os riscos inerentes ao consumo de
estupefacientes. “Procura-se, numa visãopragmática do fenómeno do consumo de
drogas, que quem consome o faça sem sujeitar a saúde e a segurança públicas a
riscos superiores àqueles que resultam normalmente do consumo de droga”, refere
a autarquia, em comunicado. É que, salienta, “por mais eficaz que seja o combate
ao consumo e ao tráfico, haverá sempre quem consuma”.
15.
Nova praça em Setembro

porto carlos alberto Câmara garante que empreitada de requalificação estará
concluída no início do próximo mês Comerciantes só querem ver terminado martírio
que dura há três anos
Nuno Silva
Após três anos de impasse e transtornos para os comerciantes, a Praça de Carlos
Alberto, no Porto, está prestes a ver-se livre das máquinas e apresentar o seu
renovado visual.
16.
Os jardins secretos

por bernardino guimarães ambientalista Um pouco por toda a Baixa do Porto
existem jardins e pomares mais ou menos abandonados

Que o verde e os espaços de lazer escasseiam, sobretudo no casco velho da cidade
do Porto, ninguém duvida. A superfície dedicada a jardins é mesmo cada vez mais
acanhada, para mal de nós todos. Mas, visto do céu, o Porto reservar-nos-ia
surpresas agradáveis: salpicando o contínuo das casas, um pouco por toda a Baixa
(entendida aqui no sentido alargado) existem jardins e pomares, mais ou menos
abandonados, conjuntos de árvores por vezes de grande porte, situados no
interior dos quarteirões antigos – refúgios preservados do ruído e da poluição
sitiante.
17.
Caminha:

Cortejo etnográfico fecha festa

O desfile etnográfico das festas do concelho de Caminha e em honra de Sª Rita de
Cássia, que terminam anteontem, constituiu um dos pontos altos do programa,
atraindo milhares de forasteiros, em busca das tradições mais arreigadas naquele
recantoo minhoto.
Desde a cultura do linho e do milho, passando pela confecção de pão e broa em
fornos artesanais, não faltou de nada. Os olhares gulosos de quem assistia
recaíam, igualmente, sobre a confecção dos enchidos ou da aguardente. Mas de
co-mo de tradições se tratava o desfile, não faltou, também, a encenação da
apanha do sargaço e uma representação da Páscoa, sem esquecer a pesca do rio e
de mar e as suas embarcações. A encerrar o cortejo, seguiam os artesãos da
terracom os produtos mais genuíno – como é o caso dos cobres e dos palmitos.
18.
Há cada vez mais oferta de jovens no voluntariado

viana do castelo festa Dia da Juventude comemora-se hoje no distrito com um
programa de animação muito variado
Raquel de Melo
“Oespírito do voluntariado nasce com as pessoas”, conta Graça Sousa, de 24 anos,
que já participou em diversos projectos do Voluntariado Jovem. Há dois anos,
esteve na Áustria, no âmbito do Serviço Voluntário Europeu, “uma experiência
inesquecível”, refere.
19.
Junta apela ao Governo para preservar igreja antiga

viana do castelo

A Junta de Freguesia de Monserrate, Viana do Castelo, apelou, ontem, à
intervenção urgente das entidades competentes para suster a “progressiva
degradação” da fachada da Igreja de S. Domingos, classificada desde 1910 como
monumento nacional. O apelo está expresso numa carta que a Junta enviou ao
ministro da Cultura, à Direcção-Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais e ao
Instituto Português do Património Arquitectónico, em que é denunciado o “estado
lastimoso” a que chegou aquele “belíssimo exemplar do estilo maneirista da época
tardo-renascentista”.
20.
Passagens superiores sobre a linha do comboio

barcelos solução Após reunião com a REFER, Junta de Quintiães chegou a acordo
para parar acidentes Automóveis deixam de passar pelos carris
Liliana Rodrigues
Afinal, já não vão ser colocadas barreiras nas duas passagens de nível da
freguesia de Quintiães, já que a REFER – Rede Ferroviária Nacional – está a
elaborar um projecto nacional para a supressão das passagens de nível sem guarda
que vai abranger as duas existentes na freguesia do concelho de Barcelos. A
garantia foi dada, ontem, ao presidente da Junta de Freguesia de Quintiães,
durante uma reunião que sentou à mesma mesa elementos da REFER e ainda o
presidente da Câmara Municipal, Fernando Reis.

PUBLICO
1.
Este É o Verão de Todos Os Recordes em Portugal
Por RICARDO GARCIA
Duas semanas de calor acima do normal. É mais uma marca histórica neste Verão
sufocante, que está a bater vários recordes relacionados com o tempo quente. Em
termos técnicos, uma onda de calor é um período superior a seis dias seguidos em
que o termómetro está acima da média das temperaturas mais elevadas de um
período de referência – neste caso, entre 1961 a 1990. TEXTO

2.
Serra de Monchique Arde Há Quatro Dias
Por IDÁLIO REVEZ
Uma parte significativa da serra de Monchique está em cinzas, em consequência do
fogo que ali lavra já há quatro dias. Durante o dia ontem, a zona mais fustigada
foi o concelho de Aljezur, tendo sido evacuadas as populações de Cerca, Moinho
Bispo, Maria Serro e Monte Velho, localidades isoladas, com gente idosa,
agarrada ao seu “torrão” a todo o custo.
3.
Templo do Século XIII Ameaça Ruir em Guimarães
Por EMÍLIA MONTEIRO
Quem entra na Igreja de S. Domingos, em Guimarães, poderá ser levado a pensar
que o templo está em obras: os santos estão “metidos” em sacos de plástico
transparente; existem escoras a segurar as traves do tecto e erguem-se andaimes
numa das alas da igreja. Mas não é por causa de obras que este edifício do
século XIII, monumento nacional, está assim.
4.
Alertas para Degradação em Viana do Castelo
A Junta de Freguesia de Monserrate, Viana do Castelo, apelou ontem à intervenção
urgente das entidades competentes para suster a “progressiva degradação” da
fachada da Igreja de S. Domingos, classificada desde 1910 como monumento
nacional.

INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

Acima apresentou-se o sumário e/ou resumos de notícias de interesse
urbanístico/ambiental publicadas na edição electrónica do JN e do
Público Local Porto e Minho, em 9 de Agosto de 2003.

Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e está
aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu âmbito
específico são as questões urbanísticas e ambientais do Noroeste,
basicamente entre o Vouga e o Minho.

Para os textos integrais consultar:

https://jn.sapo.pt/eddia/eddia3.asp

https://jornal.publico.pt/publico/2003/08/12/indice.html

ou as respectivas edigues em papel.

PNED = Porto e Noroeste em Debate