• Abr : 24 : 2019 - Poluição Luminosa
  • Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto

Avenida dos Aliados

no Fonte das Virtudes
(Até pensei que tinha sido poupada, pois na minha caixa de correio o boletim de propaganda enganosa só chegou hoje.)

[...ler mais]

O agendamento de um “pacote” de 11 petições (subscritas por cerca de 80 0000 pessoas) para serem discutidas ontem no parlamento, e o limite de 25 minutos por grupo parlamentar para a discussão de cada uma delas, levou a que representantes das referidas petições manifestassem veementemente «o seu desagrado acusando o Parlamento de ser “a casa da mentira” e de “boicotar as iniciativas de cidadãos“», protesto esse que foi amplamente noticiado .

Para além do tempo insuficiente para uma digna discussão dos assuntos, também foi contestado o escandaloso [...ler mais]

«Porto teve tudo menos motivos para sorrir no ano 2006, que hoje termina.
(…)
Meus caros, desculpem-me a minha despudorada arrogância mas, não sendo arquitecto, posso garantir-vos que fazia da nossa Avenida da Liberdade um espaço mais digno do que aquele em que estes especialistas da urbanidade o transformaram.


Não devem brincar com as pessoas com a pretensa visão futurista das coisas só ao alcance dos génios. Se for vivo, daqui a dez ou vinte anos, continuarei a olhar para a Avenida dos Aliados, amargamente conformado, com os mesmos olhos de desencanto e frustração com que a olho hoje.
[...ler mais]

In A BAixa do Porto por Luís de Sousa [...ler mais]

«Da coerência e eficácia das políticas de recuperação patrimonial depende, em boa medida, a qualidade de vida no meio urbano. Com inteira justiça e cada vez maior veemência, os cidadãos reclamam hoje o direito a espaços de memória colectiva e fruição estética. E da satisfação desse direito decorre a capacidade de vilas e cidades conservarem o seu carácter identitário, a sua coesão social, o seu sentido de comunidade. Logo, a preservação do património histórico deve ser encarada como um imprescindível serviço público, com o qual se obedece a uma legítima exigência cívica e se fomenta o desenvolvimento [...ler mais]