• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

COLABORE NA ATUALIZAÇÃO PERMANENTE
DA COMPILAÇÃO ATUALIZADA SOBRE
50 ESPAÇOS VERDES EM PERIGO E A PRESERVAR
NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO

Entre janeiro de 2014 e abril de 2016, efetuámos uma atualização (embora parcial) dos dados recolhidos em 2006-2008 na nossa Campanha 50 Espaços Verdes em Perigo e a Preservar na Área Metropolitana do Porto.

Essa atualização serviu de base também para parte do livro ESPAÇOS VERDES E VIVOS, UM FUTURO PARA A ÁREA METROPOLITANA DO PORTO, que está em fase de finalização e que será logo que possível editado em papel e divulgado.

Se mora ou trabalha no concelho de Espinho, ou Gondomar, ou Maia, ou Matosinhos, ou Porto, ou Póvoa de Varzim, Valongo, Vila do Conde ou Vila Nova de Gaia pode colaborar na contínua e permanente utilização das informações constantes dessa compilação.

Importa sobretudo observar as alterações do uso do solo que eventualmente possam ter ocorrido e informar-nos delas.

Houve construções significativas?

Substituição de manchas de vegetação por urbanizações ou outros equipamentos?

Degradação de condições ambientais, na água, nos solos, no ar?

Ou pelo contrário melhorias que tornaram o local mais aprazível, mais saudável, com vegetação e arborização espontânea ou plantada mais abundante?

Depois de consultar a nova compilação, saiba mais sobre a Campanha 50 Espaços Verdes, visitando os artigos precedentes e as respetivas ligações.

A Campo Aberto agradece a sua colaboração.

 

Imprimir esta página Imprimir esta página

Um comentário até agora.

  1. Cristina Matos diz:

    Existe um pequeno pulmão na zona de Quebrantões na rua Silva Tapada onde a vegetação é densa e funciona como um parque. Embora tenha um proprietário o espaço está aberto e os moradores usam-no para passear. Neste momento está um projeto na Gaiurb a ser apreciado para possível construção de complexo de casas sendo para isso necessário devastar todo o espaço.

Deixar comentário