• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

Exmos. Srs.

Tive conhecimento de um excelente parecer do Provedor de Justica, que analisa em pormenor a situação de desproteccao das matas nacionais. O parecer esta muito bem fundamentado e’ revela com grande clareza o que chamam de “deslegalizacao”, ou seja, a Autoridade Florestal Nacional atribuir menor proteccao juridica ‘as matas do que resulta da lei. Uma situação gravíssima, uma autentica ditadura da administração, que interpreta a lei como entende ou pura e simplesmente a ignora de forma sistemática.

Veja-se por exemplo os parágrafos:

“A oblíqua posição da AUTORIDADE FLORESTAL NACIONAL reduz o estatuto de preciosas parcelas de terreno a meros bens aptos para o comércio jurídico, ao dispor das necessidades conjunturais, nomeadamente de carácter patrimonial, furtando-as a toda e qualquer protecção especial, a começar pela dispensa de intervenção das autoridades florestais e ambientais.”

“Esta verdadeira deslegalização – contrária ao disposto no artigo 112.º, n.º 5, da Constituição – acentuou-se na penúltima década do século passado, mas, desde então, é ponto assente para as autoridades florestais que se julgaria serem as primeiras a pugnar pelas suas próprias atribuições.”

O parecer pode ser consultado em
http://www.provedor-jus.pt/restrito/rec_ficheiros/Rec_1B2011.pdf

Cumprimentos,
Nuno Quental

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Cartas & Comunicados

Deixar comentário