• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

A Campo Aberto e a Associação dos Amigos do Rio Ovelha juntaram esforços para lhe proporcionar este curso de introdução ao conceito e ao design de Permacultura.
Realiza-se 25 de março desde as 19:30 até domingo 27 de março às 16:00.
Os formadores são João Gonçalves (que realizou na sede da Campo Aberto, em Abril de 2010, uma apresentação da Permacultura a que assistiram cerca de 60 pessoas) e Annelieke van der Slujs (coordenadora e formadora de um projecto de Permacultura no Jardim Botânico da Universidade de Coimbra).
Inscrição incluindo formação, refeições e pernoita propostas pela organização até 1 de Março. Preço €75 sócios / 80€ não sócio; de 2 até  15 de Março 80€/90€.
Clique para aceder ao formulário de inscrição.
Atenção: a inscrição através deste formulário pressupõe o conhecimento prévio das condições aplicáveis

Será entregue a cada participante um certificado de frequência do curso.

INFORMAÇÕES COMPLETAS

1. Formadores e Conteúdo
2. Programa e Horário
3. Prazos de Inscrição e preço por pessoa
4. Inscrições

1. Formadores e conteúdo

O que é Permacultura

Permacultura é a concepção de sistemas que criam ambientes humanos sustentáveis e abundantes.
A própria palavra é uma contracção de «cultura» e «permanente», em que a «cultura» representa tanto o cultivo da terra como o da mente. «Permanente» acentua a nossa dependência do ambiente. Sem cuidar bem dele, uma cultura não pode sobreviver por muito tempo.
Como consequência, a permacultura baseia-se numa ética:
* Cuidar das pessoas
* Cuidar da terra
* Limitar as nossas necessidades por forma a reservar recursos para investir nas duas primeiras.

Uma solução permacultural fornece-nos abrigo, energia, água, rendimento, comunidade, realização artística e espiritual, com integração numa comunidade biológica saudável e estável. Mais do que dar umas dicas que nos limitaríamos a copiar, a permacultura ajuda-nos a apreender padrões naturais e fornece-nos métodos para criar uma visão sustentável e técnicas para concretizá-la. Assim, desafia cada um de nós a aplicá-la nas nossas vidas com o objectivo de prosperarmos nas comunidades de que fazemos parte, e de contribuirmos para fazer progredir a vitalidade e produtividade do ambiente de que estamos dependentes.

O objectivo deste curso é o de apresentar uma introdução à ética e princípios da permacultura, mostrar exemplos práticos em meios urbanos e rurais, bem como indicar algumas técnicas e métodos por forma a que os participantes consigam avaliar a importância da permacultura para a sua própria vida. No fim do curso, os participantes deverão estar capazes de formular passos concretos para tornar as suas próprias vidas mais sustentáveis.

Formadores

João Gonçalves tem as suas raízes em Chão Sobral, onde a Serra do Açor avista a Estrela. Cresceu em permanente contacto com a serra, a agricultura tradicional e uma comunidade em mudança cultural, dinâmica e empreendedora. A licenciatura de Animação Socioeducativa e a formação em Design de Permacultura formam a base para o seu trabalho profissional e voluntário. Facilitou actividades de relação Rural-Urbano do Projecto Criar Raízes do Município de São Pedro do Sul, desenvolveu uma experiência de animação da economia local através de tecnologia apropriada em Moçambique e facilitou a criação de uma Rede de Economia Solidária e Sustentável em Portugal e uma Rede Local de Permacultura – Beira Serra Sustentável. Actualmente desenvolve trabalho de consultoria e design de Permacultura e Desenvolvimento Local.

Annelieke van der Sluijs nasceu na Holanda e é designer. Reside há cinco anos numa quinta na Serra da Estrela, aprendendo a viver de forma sustentável e autosuficiente. A permacultura surgiu como forma de planear a nova vida na quinta, aliando-a aos seus conhecimentos enquanto designer. Facilitou a criação duma plataforma para designers de permacultura em Portugal, a Plataforma Perma-D. Actualmente está a experimentar as possibilidades da permacultura urbana na cidade de Coimbra, onde desenvolve um projecto de permacultura no Jardim Botânico (Instituto Botânico da Universidade de Coimbra) como coordenadora e formadora.
http://www.beira-serra-sustentavel.org/

2. Programa e Horário

Sexta-feira, dia 25 de Março
19:00 Chegada dos participantes ao ponto de encontro (junto da estação de comboios de Marco de Canaveses-), até às 19:30 o mais tardar.
19:30 Transporte até ao Abrigo de Montanha com a colaboração da Associação dos Amigos do Rio Ovelha.
20:00 Chegada ao Abrigo. Boas Vindas.
20:15 Jantar simples. Tarefa depois da sobremesa: conhecer o/a vizinho/a.
20:45 Apresentação das pessoas presentes.
21:15 Apresentação das entidades envolvidas (Campo Aberto, AARO, EPAMAC), do curso & dos formadores
23:00 Descanso

Sábado, dia 26 de Março
08:00 Pequeno almoço no Abrigo
09:00 Chegada à EPAMAC (Rosém) & jogo: web of life (ar livre)
10:00 Trabalhar com a natureza: homo «designer» sapiens. Introdução à permacultura e seu significado no contexto português (auditório).
11:00 Pausa
11:15 Usar a lógica da natureza: os princípios da permacultura (auditório e/ou ar livre)
12:30 Almoço na cantina da EPAMAC
14:00 Permacultura em acção: exemplos urbanos e rurais (com a tarefa de reconhecer os princípios) (auditório)
15:30 Pausa
15:45 Design como processo: aprender em acção (auditório ou ar livre)
16:15 Procurar a ordem no caos: padrões e caminhos de energia
16:45 Trabalho prático em grupo: observação de padrões e caminhos de energia (tema(s) a definir consoante o interesse do grupo)
17:15 Passeio: procurar ervas bravas comestíveis para o jantar
17:45 Apresentação das observações
18:15 Relaxar, conversar, aprofundar: tempo para descobrir os recursos na «biblioteca de permacultura» na cantina e fazer o balanço do dia
19:15 Jantar
20:15 Regresso ao Abrigo, levando os recursos que mais interessem aos participantes
21:00 Filme e/ou tema à escolha.
23:00 Descanso

Domingo, dia 27 de Março
07:30 Tarefa voluntária: apanhar ervas bravas comestíveis para o almoço
08:00 Pequeno almoço no Abrigo
08:30 Resumo dos temas chaves de sábado (para interiorizar melhor). Inclui pequena sessão de observação (aproveitando as diferenças observáveis do local).
10:00 Chegada à EPAMAC (levar já consigo do Abrigo a bagagem pessoal)
10:15 Ferramentas para o design: o que podemos fazer para harmonizar os padrões que estão a evoluir naturalmente no sistema que queremos optimizar?
11:00 Pausa
11:15 Trabalho de grupo prático: «Mini»-design de permacultura para usar as ferramentas de design (tema(s) a definir consoante o interesse do grupo)
12:30 Almoço
14:00 Balanço: Avaliação do curso, passos a seguir, e encerramento.
16:00 Transporte final dos participantes para o Marco de Canaveses/Estação de caminho de ferro.

Para a chegada por comboio: (confirmar pela CP mais próximo da data; estas informações correspondem às de 7 de Fevereiro de 2011): partidas de São Bento: 16:30 (Campanhã 16:35, Marco de Canaveses 17:57); 17:05 (Campanhã 17:15, Marco 18:20); 17:30 (Campanhã 17:35, Marco 19:06).

3. Prazos de inscrição e preço por pessoa

O preço pago por cada participante inclui: a formação desde sexta 25 de Março a partir das 20:00 até domingo 27 às 16:00; duas pernoitas, sexta e sábado, no Abrigo de Montanha de Soalhães, gerido pela Associação dos Amigos do Rio Ovelha (as pernoitas no Abrigo de Montanha da AARO em Soalhães serão em duas camaratas, uma feminina, outra masculina, em condições correctas mas de grande simplicidade; é necessário levar sacocama, toalhas, sabão e objectos de higiene pessoais; há chuveiro com água quente e fria); jantar de sexta 25 e sábado 26; almoço de sábado 26 e domingo 27; pequeno almoço de sábado 26 e domingo 27; comidinhas nas pausas; transporte entre o local onde decorre o curso (EPAMAC, em Rosém, Marco de Canaveses) e o Abrigo de Montanha, no mesmo concelho.

Não está incluído: o transporte do local de origem do participante até à estação de comboios do Marco de Canaveses (existem comboios frequentes a partir de São Bento, Campanhã, Ermesinde, Paredes, Penafiel ou Caíde, na linha com destino a Penafiel ou Caíde, sendo nesta última estação a ligação a Marco de Canaveses em comboio regional ou interregional proveniente de Porto São Bento; também se pode optar por estes últimos desde o início do percurso, evitando assim a mudança em Caíde).

Nota: serão de imediato aplicados os preços para sócios a quem se tornar sócio de uma das associações organizadoras em simultâneo com a inscrição neste curso.

Inscrições até 1 de Março de 2011 – sócios das associações organizadoras: €75,00; não sócios: €80,00; para residentes nas proximidades que optem por não tomar parte nas refeições comuns e sem pernoita (note-se que, sempre que possível, é mais favorável tomar parte nas refeições comuns): sócios da Associação dos Amigos do Rio Ovelha: €45,00; não sócios €55,00. Quem optar por esta modalidade deverá ter em atenção os horários e estar presente nas sessões desde o início.

Inscrições entre 2 e 15 de Março de 2011 – sócios das associações organizadoras: €85,00; não sócios: €90,00; para residentes nas proximidades que optem por não tomar parte nas refeições comuns e sem pernoita: sócios da Associação dos Amigos do Rio Ovelha: €50,00; não sócios €60,00. Quem optar por esta modalidade deverá ter em atenção os horários e estar presente nas sessões desde o início.

Nota: estes preços só são possíveis pelo custo quase simbólico das pernoitas e muito moderado do conjunto das refeições, bem como da formação. Nas refeições haverá opção entre refeição convencional e refeição sem produtos animais ou de origem animal, a indicar na inscrição.

4. Inscrições: como fazer

a) Considera-se inscrição o preenchimento em http://www.campoaberto.pt/contacte-nos/inscricoes-1/ dos dados solicitados na alínea b) adiante, incluindo pagamento, parte integrante da inscrição,  de acordo com a alínea c); as inscrições deverão ser feitas nos prazos indicados na secção 3, acima; os pagamentos recebidos depois de ter sido atingido o número máximo de participantes (25) serão devolvidos no prazo máximo de 10 dias úteis; os pagamentos de inscrições recebidas fora do prazo final (15 de Março) e já sem vaga serão devolvidos no prazo máximo de 10 dias úteis; o curso não se realizará caso não seja atingido o número mínimo de participantes (12), sendo nesse caso devolvidos os pagamentos efectuados, no prazo máximo de 10 dias úteis.

b) Dados a enviar através de preenchimento em http://www.campoaberto.pt/contacte-nos/inscricoes-1/: nome completo de todas as pessoas que pretende inscrever (por exigência do seguro que cobre cada participante – e cujo custo está incluído no pagamento da inscrição); telefones e email para contacto; opção para refeições (indicar se opta por refeição convencional ou vegetariana); caso se aplique, indicar a qualidade de sócio de uma das duas associações organizadoras e de qual; para residentes próximos do local onde se realiza o curso, indique-o expressamente se não quiser incluir refeições e pernoita, sendo nesse caso o preço como indicado na secção 3.

c) Só existe inscrição quando os dados da alínea b) forem comunicados juntamente com um comprovativo ou dados do pagamento. Se uma pessoa pagar por várias, a informação dos nomes das pessoas abrangidas por esse pagamento deverá ser enviada juntamente com os dados da alínea b). Para o pagamento, é indispensável seguir todas as instruções, inseridas imediatamente a seguir.

Como pagar a sua inscrição

INDISPENSÁVEL: a identificação de pagamentos levanta por vezes problemas difíceis de resolver. Pedimos por isso a sua colaboração atenta. Informe-nos simultaneamente do pagamento feito, conforme indicado acima na secção Inscrições: como fazer (para: contacto@campoaberto.pt).

Nas transferências em linha ou homebanking, solicitar ao banco que seja enviado um comprovativo para contacto@campoaberto.pt. Nos depósitos bancários ou nas transferências multibanco, enviar a identificação da conta emissora e respectivo banco, e a data e hora da operação, ou o comprovativo ou cópia deste, para o mesmo email (ou por correio em papel – Campo Aberto – Apartado 5052 – 4018-001 Porto, sendo no entanto de evitar devido a eventuais demoras – usar apenas caso se inscreva o mais tardar até 10 de Março).

As formas de pagamento, a optar através do formulário de inscrição, incluem:
transferência simples, no Multibanco, para o NIB 0035 073 0000 3575 6103 54? – home banking,
transferência em linha, para o mesmo NIB 0035 073 0000 3575 6103 54
paypal

OUTRAS FORMAS DE PAGAMENTO (CASO NECESSÁRIO)
Para pagamentos por depósito em agência bancária Caixa Geral de Depósitos, cheque, ou vale postal, contactar-nos através de: tm 918527653.

APOIOS

As associações organizadoras agradecem o apoio de:

EPAMAC – Escola Profissional Agrícola e de Desenvolvimento Rural do Marco de Canaveses (local onde se realizará o curso)
Property for Sale in Central Portugal
Holiday Accommodation and Long-Term Rentals
Loja Efeito Verde

Imprimir esta página Imprimir esta página

4 comentários até agora.

  1. Lila diz:

    Bom dia, é possível trazer a minha filha de 9 anos para o evento ? Haverá outras crianças?

    Obrigada,
    Lîla

  2. João diz:

    A família pode participar de alguma forma? Somos um casal e uma filhota de 2 anos.

  3. vitorsilva diz:

    Muito obrigado pelo seu interesse.

    A actividade é orientada para adultos, não tem uma componente privilegiada para crianças. Isso não quer dizer que, como acompanhante, uma criança não possa ter interesse nela, o interesse que pode imaginar teria quando acompanha a mãe noutra ocasião em que a criança sabe que vai num situação de “adulto”. Certamente muitas coisas lhe escaparão, como sempre nessa idade em ocasiões semelhantes, mas outras não. É muito difícil responder à sua pergunta, há sempre o risco de se gostar, ou não gostar, mesmo no adulto.

    As informações que econtra no nosso site dar-lhe-ão talvez uma ideia do que os seus filhos poderão encontrar: uma casa solarenga transformada em museu, paisagem de montanha e de vale, margens de rio, zona rural…

    Lamento não conseguir ser mais preciso.

    Saudações cordiais,

  4. Emily diz:

    In a more detailed post, I hope to talk about some of the reasoning behind our choices. Good info here. I always do benefit from looking up your posts. I truly have learned a vast amount from them.

Deixar comentário