• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

Decorreu, a 17 de Novembro de 2010, das 18:15 às 20:15, na sede da Campo Aberto, uma tertúlia intitulada Ambiente Uma Questão de Ética, a cargo da Dra Maria José Varandas, presidente da Sociedade de Ética Ambiental e investigadora do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa.

A sessão marca o reinício do ciclo «A Natureza nas Religiões e nas Filosofias», no qual tinham já antes decorrido três sessões.

Maria José Varandas começou por explicar sucintamente o que é a Sociedade de Ética Ambiental, e o que são as éticas ambientais, tendo a seguir explicado alguns conceitos fundamentais para o tema, designadamente os conceitos de valor intrínseco, valor instrumental, valor sistémico, antropocentrismo ético e éticas não antropocêntricas, a oposição relacional/não relacional na questão do valor, inscrevendo-os no contexto da crise ambiental moderna e no das filosofias que a tentaram interpretar e a ela responder em termos conceptuais e práticos.

Neste momento, foi aberta uma troca de impressões em que várias pessoas presentes intervieram com evidente interesse, tendo sido focada por exemplo a questão do pensamento primitivo simbiótico versus pensamento racional antropocêntrico.

Seguidamente, a palestrante deteve-se numa análise introdutória a três pensadores que se destacam na ética ambiental contemporânea: Holmes Rolston III, para quem os valores existem objectivamente independentemente do avaliador, Paul Taylor, que retoma alguns dos pontos de partida de Albert Schweitzer e da sua «reverência pela vida», e de J. Baird Callicot, que, partindo do aspecto primacial que são as emoções, o sentimento de simpatia e antipatia na origem da vida moral, estabelece um certo equilíbrio entre uma atribuição subjectiva de valor pelo homem à natureza e o carácter iniludível do seu valor próprio, que ultrapassa a subjectividade humana.

Também esta parte foi vivamente debatida pelos presentes, tendo a sessão sido encerrada devido ao adiantado da hora, embora o debate se tenha prolongado por mais algum tempo em pequeno grupo de «resistentes».

Estiveram presentes 21 pessoas, 19 das quais como assistentes. Como é habitual, uma parte eram sócios da Campo Aberto e frequentadores frequentes ou ocasionais das suas actividades, outra parte, talvez cerca de metade, «caras novas».

Uma segunda parte desta sessão, que simultaneamente apresentava alguns temas do livro com o mesmo título, de autoria de Maria José Varandas e editado pela Esfera do Caos com apoio do Programa Gulbenkian Ambiente, vai decorrer no dia 26 de Janeiro de 2011, com a mesma palestrante.

O livro esteve à venda na sessão e passa a fazer parte do catálogo da «loja» da Campo Aberto, podendo ser adquirido pelo preço especial de €12,00, mais, se for o caso, despesas de expedição. Para qualquer informação suplementar: contacto@campoaberto.pt

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Notícias

Deixar comentário