• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

As associações Árvores de Portugal e Transumância e Natureza formalizaram recentemente o desejo de ver o sobreiro consagrado oficialmente como a Árvore Nacional de Portugal.
Como referem no site da Árvores de Portugal, esse desejo foi formalizado à sombra do secular sobreiro do Cachão com um aperto de mão entre os respectivos presidentes.

“a caminhada que agora se inicia, visa não apenas a classificação do sobreiro como a árvore nacional do nosso país, mas, igualmente, ajudar a criar uma plataforma que funcione como um lóbi de defesa do sobreiro e da sua cultura, procurando ser parte activa na procura de soluções para alguns casos concretos que serão divulgados futuramente.”

A Campo Aberto associa-se desde já a esta iniciativa.

Imprimir esta página Imprimir esta página

2 comentários até agora.

  1. joao pinheiro diz:

    Não acho nada bem.
    O sobreiro apenas é tradicional de uma parte de Portugal.
    No noroeste são raríssimos.
    Neste caso, os carvalhos seriam uma proposta bem mais interessante.

  2. José Marques diz:

    Caro João Pinheiro
    O sobreiro é menos raro no Noroeste de Portugal do que por vezes se imagina. É certo que não há extensões de sobreiros tão impressionantes como as do montado alentejano, mas isso deve-se sobretudo a circunstâncias de história económica e paisagística. Em zonas muito a Norte ainda encontramos maciços de sobreiros importantes, em muitas outras foram destruídos por razões da mesma índole. O sobreiro exige mesmo alguma humidade (que o clima atlântico propicia) que a azinheira, por exemplo, dispensa. Assim, em regiões do Douro, como o Professor António Crespi (da UTAD) nos mostrou em algumas visitas feitas pela Campo Aberto, o sobreiro vai recuando perante a azinheira precisamente por uma evolução climática e do coberto vegetal que vai tornando mais secas algumas zonas onde até há pouco ele ainda predominava. José Carlos Marques

Deixar comentário