• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

(Fotos do abate no final desta página)

Custa a crer, mas é verdade. Para aumentar os lugares de estacionamento e reduzir a densidade arbórea do local, a Junta de Freguesia de Ermesinde pretende abater 17 de um total de 70 plátanos do Largo da antiga feira (Largo António da Silva Moreira Canório). Numa terra desordenada e onde os espaços verdes públicos são escassos, é triste ver uma entidade pública preocupada em abater árvores, e não em plantar mais, como seria sua obrigação. Tal como nos escreveu um cidadão preocupado, “nesta luta desigual o carro continua a levar a melhor!”. A nossa pergunta é: até quando?

 

 

Depois de termos contactado a Junta de Freguesia, recebemos a seguinte resposta:

“Nª. Refª. 531/2010

Exmº. Senhor

Face ao teor da sua comunicação, cumpre-me esclarecer que a Sede desta Junta de Freguesia não se encontra instalada em nenhum largo nem tão pouco se vai verificar qualquer abate de árvores nas suas instalações, pelo contrário, procedeu-se, recentemente à replantação de 3 azevinhos.

Quanto ao Largo da antiga feira, remeto para a leitura do Comunicado publicado no site desta Junta, no sentido de serem esclarecidas eventuais questões sobre o assunto.

Com os melhores cumprimentos
O Presidente da Junta
Dr. Luís Ramalho”

 

Em resposta, a Campo Aberto enviou o email que reproduzimos em baixo. Curiosamente, a página a que este email se refere foi retirada do site da Junta de Freguesia de Ermesinde. Não podemos afirmar que foi propositado, mas que estava online e que agora já não está, isso podemos assegurar!

“Exmo. Sr. Presidente da JF
Dr. Luís Ramalho

Agradeço a sua resposta. Efectivamente referíamo-nos ao largo da antiga Feira. Lemos o comunicado da JF, que não é muito esclarecedor. Não se justifica devidamente a necessidade do abate das árvores nem tão pouco em que medida tal abate vai ajudar as pessoas que sofrem de doenças. Não consigo também perceber de que modo é que os plátanos podem estar associados a doenças.

Por outro lado referem que as árvores vão ser podadas. Quem vai efectuar essa poda? Pessoas com formação? Vemos demasiadas podas mal feitas que contribuem para a morte prematura das árvores e para a queda de ramos, com prejuízo das pessoas e dos seus bens.

Por fim, diz ainda que vão replantar igual nº de árvores noutro local. Onde? E que garantias há de que essas árvores vão crescer como cresceram as que já estão grandes e bonitas no largo da feira? Não se esqueça: as árvores não são assim substituíveis como se imagina. Demoram tempo a crescer! Portanto os abates devem ser minimizados e apenas efectuados quando é mesmo necessário.

No caso em apreço por enquanto não nos sentimos convencidos da necessidade do abate, e as respostas lacónicas que encontrámos no comunicado levam-nos a desconfiar que se trata de algo verdadeiramente injustificado. Temos pena, até porque Ermesinde precisa de mais árvores, e não de abater as poucas árvores grandes que tem.

Cumprimentos

Nuno Quental
(pela Campo Aberto)”

 

Vejam o belo estado em que a Junta de Freguesia deixou árvores que eram lindas. Conforme temíamos, não foi uma poda, foi o decepar das árvores puro e simples (rolagem), e sem fundamento técnico. As árvores que não foram podadas serão abatidas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dia 23 de Março de 2010 recebemos as seguintes fotografias do abate já consumado. Eis que a saga arboricida continua. Tínhamos uma pequena esperança de que o bom senso pudesse prevalecer e pelos menos o abate tivesse sido evitado, mas não. As árvores de facto também se abatem…



 

 

 

 

 

 

[gmap zoom=”auto”]

Imprimir esta página Imprimir esta página

2 comentários até agora.

  1. Maria Eduarda Pereira Pinto diz:

    Também a Camara do Porto está a fazer estas «podas» nos plátanos da Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, às Antas.Durante alguns anos as podas pararam. mas voltaram e em força e com algumas abatidas não se percebe bem porquê… Há muito tempo ouvi um professor da Universidade de Coimbra dizer que a quem corta assim àrvores dever-se-ia recusar oxigénio, no hospital , se um dia dele necessitasse …e tem razão…era bem feito..

  2. Nicolau diz:

    VAMOS TODOS CHORAR JUNTINHOS.

Deixar comentário