• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação


Ao longo da sua existência, o Movimento em Defesa do Rio Tinto tem, incansavelmente, denunciado uma série de atentados à integridade deste precioso bem natural que é o rio que dá nome à cidade, alertando, ao mesmo tempo, para as consequências negativas que essas actuações poderiam ter, a curto ou médio prazo.


Com efeito, há toda uma série de más decisões que se têm acumulado, entre as quais destacamos o entubamento do troço mais emblemático, a desnaturalização do leito e margens, revestindo-as de betão ou impermeabilizando-as, a ocupação inconsciente de leitos de cheia.


Mais recentemente, as obras de ampliação da rede do Metro, com um traçado em certos pontos pouco compreensível e com soluções técnicas intrigantes, tais como um novo entubamento parcial e total manutenção do anterior, vieram acrescentar preocupações.


A intempérie que atingiu Rio Tinto no passado dia 21 veio evidenciar que não é impunemente que, de modo leviano e impensado, se atenta contra a natureza. Cansado de tantos atropelos, o rio zangou-se e falou bem alto. Mostrou que aprovações de projectos, licenciamento de obras sem critérios de respeito pelo património natural acabam por conduzir a danos que seriam evitáveis.


O rio transbordou, inundou casas, destruiu muros, pontões, pavimentos. Explicar estes acontecimentos como aleatória “catástrofe natural” é, realmente, fugir às responsabilidades e camuflar a raiz dos problemas. Muitas vezes o Movimento em Defesa do Rio Tinto, alertou para a periculosidade de se ofender a naturalidade deste curso de água.


No caso das obras do Metro, os factos (águas a galgarem o betão, a arrastarem tubos a quilómetros de distância, a destruírem protecções) comprovam que o traçado, o projecto, o licenciamento e a fiscalização da obra não foram adequados à realidade dos locais onde ela se implanta.


O rio falou. De modo rude, como normalmente a Natureza agredida costuma reagir.


Esperamos, vivamente, que os responsáveis, com particular realce para a Câmara Municipal de Gondomar e empresa Metro do Porto, saibam escutar a mensagem que o rio deixou. Porque, mais do que minimizar os efeitos dos danos agora verificados, importa tomar medidas de fundo que previnam a sua repetição.


Não obriguem o rio a ter novamente de falar alto!


23 de Dezembro de 2009

O Movimento em Defesa de Rio Tinto


Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Água

Deixar comentário