• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

 

Confrontada pelo desrespeito sistemático tanto pelo Jardim da Cordoaria como pelas zonas pedonais envolventes, a Campo Aberto viu-se obrigada a escrever ao Presidente da Câmara Municipal do Porto e aos Comandantes da Divisão de Trânsito da PSP e da Polícia Municipal. A vitalidade nocturna do centro da cidade é algo que nos deixa muito satisfeitos, mas há limites para tudo e não é certamente necessário vandalizar os jardins e ocupar todos os passeios disponíveis para que a Baixa tenha vida nocturna. Sugerimos à Metro do Porto que alargue substancialmente o período de actividade às sextas e sábados à noite de modo a que mais pessoas se possam deslocar por transportes públicos.

 

Aqui fica o conteúdo das missivas.

 

“Exm.º Sr. Presidente

No início da década de 2000, toda a zona do Carmo, de Carlos Alberto e da Cordoaria, no Porto, foi esventrada para a construção de parques de estacionamento subterrâneos. Os transtornos que as obras causaram e os consabidos prejuízos ambientais de tais empreitadas seriam, alegou-se na altura, amplamente compensados pela libertação
do espaço à superfície para os peões. Passada quase uma década, a ausência de fiscalização punitiva e o civismo nulo de muitos condutores consagraram essa zona nobre da cidade como o paraíso do estacionamento selvagem. Em resultado disso, os peões estão hoje ainda mais acossados pelos automóveis do que estavam antes. Não
há nada que lá não se possa fazer, face à complacência indesculpável das autoridades:

 

  • A Praça Parada Leitão, zona pedonal, é local de estacionamento permanente de muitos veículos, que por vezes transbordam para a Praça Gomes Teixeira; e, à noite, o edifício da Reitoria da Universidade do Porto só não fica cercado de automóveis do lado da Praça de Lisboa.
  • No passeio à frente do Hospital de Santo António (Rua Prof. Vicente José de Carvalho) há carros estacionados durante todo o dia, e até em dupla fila no troço onde não passa o eléctrico (é quase escusado mencionar que, do outro lado da rua, mas já sobre a faixa de rodagem, também há estacionamento permanente, embora ele seja proibido).
  • No Jardim da Cordoaria, junto à linha do eléctrico, muitos carros têm estacionamento cativo; e, aos fins-de-semana e nas noites de sexta-feira e de sábado, dias em que a animação nocturna está no auge, dezenas de carros invadem mesmo a Alameda dos Plátanos, estacionando junto às árvores (as quais, assinale-se, estão classificadas de interesse público pela Autoridade Florestal Nacional).
  • Um pouco adiante, no terreiro de granito entre a Cadeia da Relação e a Torre dos Clérigos, espaço nominalmente reservado a peões, também é de regra o estacionamento impune, particularmente intenso aos domingos de manhã, quando decorre a «feira dos passarinhos».

 

Nada fazer para alterar esta situação vergonhosa, deixando campear a impunidade, é encorajar a degradação da cidade. A Campo Aberto não acha que a nova animação nocturna que se vive nessa zona histórica da cidade (e que, em si mesma, é muito bem-vinda, embora seja responsável pela maior parte das situações de estacionamento escandaloso) deva ser paga ao preço de um espaço público sem dignidade, prostituído em nome de um conceito desregrado de diversão. E é absolutamente inacreditável permitir-se que um jardim como o da Cordoaria, carregado de história e de simbolismo, seja tomado de assalto por automóveis.

 

Os poderes públicos (Câmara Municipal, Polícia Municipal, Polícia de Segurança Pública) não podem, num caso tão grave como este, eximir-se de fazer cumprir a lei. A Campo Aberto aguarda pois que, com a intervenção determinada (que tanto tem faltado) dos agentes da autoridade, o civismo e o respeito pelo espaço público sejam repostos na cidade.”

Imprimir esta página Imprimir esta página

4 comentários até agora.

  1. […] propósito da carta que enviamos para a CMP sobre o desrespeito sistemático dos jardins e peões na zona da Cordoaria que se tem verificado nos últimos tempos recebemos a seguinte […]

  2. […] policiais e políticos desta cidade, lembramos que já o ano passado a CAMPO ABERTO tratou este tema com todo o cuidado e urgência que merece. O factor tempo funciona aqui como agravante exponencial […]

  3. a não cidade-cidadania #5 | Correio do Porto diz:

    […] policiais e políticos desta cidade, lembramos que já o ano passado a CAMPO ABERTO tratou este tema com todo o cuidado e urgência que merece. O factor tempo funciona aqui como agravante exponencial […]

Deixar comentário